Compartilhe esta página pelo Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook

Índice de verbetes


Videira Espírita



Videira Espírita, ou Cepa Espírita, é um desenho mediúnico produzido pelos Espíritos colaboradores da codificação do Espiritismo e entregue a Allan Kardec, com a instrução expressa para que a ilustração fosse reproduzida em O Livro dos Espíritos, como o emblema do trabalho do Criador (Deus), estando nela representados o princípio material (a cepa) e o princípio espiritual (o vinho) dos quais, unidos, brota o ser individualizado e encarnado: a alma (o bago). Com efeito, o desenho foi inserido nos Prolegômenos na referida obra. De acordo com uma certa interpretação, o fruto escolhido (uva) é uma referência de ligação do Espiritismo (Terceira Revelação) com as duas grandes revelações precedentes (Judaísmo e Cristianismo, respectivamente) em cujas tradições a videira tem um importante simbolismo. A imagem da videira tem sido usada informalmente como uma espécie de logomarca da Doutrina Espírita.



Histórico

Por ocasião dos estudos e pesquisas iniciais da Revelação Espírita e já em preparação para o lançamento de O Livro dos Espíritos, a obra literária inaugural da nova doutrina, o codificador espírita (Allan Kardec) recebeu — provavelmente no ano de 1856 — uma comunicação mediúnica (a identidade do médium é desconhecida) assinada por várias entidades espirituais (dentre os quais São João Evangelista, Santo Agostinho, Sócrates, Platão e o Espírito Verdade) cujo texto seria utilizado dentro da sessão dos "Prolegômenos". No ínterim desta comunicação, um determinado trecho assim se expressa:

"Colocarás no cabeçalho do livro a cepa de vinha que te desenhamos, porque ela é o emblema do trabalho do Criador; todos os princípios materiais que melhor podem representar o corpo e o espírito encontram-se nela reunidos: o corpo é a cepa e o espírito é o licor; a alma — ou seja, o espírito unido à matéria — é o bago..."

De fato, em anexo àquela mensagem, os Espíritos produziram um desenho, conforme Kardec assegurou através de uma nota de rodapé, explicando: "A cepa aqui colocada é o fac-símile daquela que foi desenhada pelos Espíritos."


A Videira Espírita reproduzida na página original dos Prolegômenos



Explicação espiritual do desenho

Como a própria comunicação espiritual inserida nos Prolegômenos explica, o desenho da videira é uma representação gráfica do trabalho da Divindade. O símbolo é composto de dois elementos básicos, dos quais resulta o fruto:

  • O primeiro elemento é a cepa, isto é, o ramo da parreira, da qual brotam os frutos, significa o princípio material, que gera os corpos físicos, e, no caso em especial aqui, o corpo humano;

  • O segundo elemento é o licor, isto é, a seiva, o líquido contendo a essência do vinho ou do suco da uva, seu sabor e seus nutrientes, significa o princípio espiritual, que gera as individualidades, quer dizer, os Espíritos, os seres inteligentes da Criação, as consciências, as pessoas;

  • A união destes dois elementos então faz brotar o bago (a uva), que significa a alma, isto é, o Espírito encarnado. Nesse contexto, o ser humano é usado como referência do ápice da obra divina, o fruto mais sublime de toda a Criação, porque ele é, de fato, de tudo o que conhecemos em nosso mundo físico, a criatura mais elevada da natureza.

A materialização do fruto (a alma) aqui expressada, também valoriza a Lei de Reencarnação — um dos conceitos fundamentais do Espiritismo —, pela própria necessidade que os indivíduos em aperfeiçoamento têm de se manifestar e assim trabalhar pela sua evolução. Por esta razão é que aquela mesma mensagem espiritual vai dizer em seguida: “O homem purifica o espírito pelo trabalho, e tu sabes que é somente pelo trabalho do corpo que o espírito adquire conhecimentos”.

Em outro trecho da sua obra, Allan Kardec vai desenvolver a explicação da alegoria do vinho no processo de aperfeiçoamento espiritual:

“Encontramos um exemplo material dos diferentes graus da depuração da alma no suco da vinha. Ele contém o licor chamado espírito ou álcool, mas enfraquecido por uma imensidade de matérias estranhas que alteram a sua essência; esse licor só chega à pureza absoluta depois de várias destilações, em cada uma das quais ele se despoja de algumas impurezas. O alambique é o corpo no qual a alma deve entrar para se depurar; as matérias estranhas são como o perispírito que também se depura à medida que o Espírito se aproxima da perfeição.”
O Livro dos Espíritos - comentário da questão 196-a


Simbolismo da videira espírita

O Espiritismo se destaca por ser uma doutrina que, embora tenha efeitos religiosos, é desprovida de elementos litúrgicos, rituais, templos sagrados, hierarquia clerical e símbolos cabalísticos. A representação gráfica da cepa espírita não constitui uma exceção a essa pureza doutrinária, pois não contém nenhum elemento místico que enseje que este emblema seja usado como amuleto, talismã ou qualquer elemento de uma fórmula sacramental e coisas afins.

Seu simbolismo tem o valor de uma simples mensagem intelectiva, conquanto expressa artisticamente, e como tal, constituída de elementos típicos da arte (criatividade, expressão de beleza, emotividade etc.).

A referida simplicidade fica patente ao considerarmos que a não reprodução do desenho ou mesmo a incompreensão de seu significado não implica absolutamente num prejuízo fatal para os propósitos da Doutrina Espírita. Entretanto, pelo zelo que tiveram as personalidades espirituais que o transmitiram a Allan Kardec, com uma ordem expressa para colocá-lo no livro inaugural do Espiritismo, devemos deduzir que este emblema contenha uma mensagem intelectiva realmente importante, e talvez a explicação transcrita nos Prolegômenos não encerre todo seu significado.


Possíveis significações implícitas

Dentre as possíveis significações não explicitadas na definição que os Espíritos deram para o desenha da videira está a de que esta arte simbolize uma ligação intrínseca entre as três grandes revelações da Lei de Deus: Judaísmo, Cristianismo e Espiritismo:

“Quando descobrirmos o que significa o símbolo da videira, que tem um significado evidente e sem controvérsia para um estudante sério da Bíblia e do Espiritismo, ficaremos deslumbrados com a profunda conexão entre o Antigo Testamento, o Novo Testamento e o Espiritismo e assim poderemos entender o porquê de Allan Kardec fazer questão em declarar que a primeira parte da Bíblia, Antigo Testamento, contém a Primeira Revelação; que o Novo Testamento contém a Segunda Revelação, e que o Espiritismo é a Terceira Revelação. Bem como, compreenderemos que as revelações aconteceram obedecendo uma ordem superior.”
A Imagem da Luz: a presença do Cristo nas Três Revelações vol. I, Grupo Marcos - cap. 1

A definição dos mentores da obra kardequiana de que a criatura humana (Espírito encarnado) é a representação máxima do trabalho divino realmente coincide com a tradição judaico-cristã, que afirma que Deus criou o ser humano à sua imagem e semelhança, e que o tornou superior dentre toda a criação (Gênesis, 1:26-27).

E quando para escolher o tipo da fruta emblemática para simbolizar a criatura humana, certamente não foi por acaso que os Espíritos superiores optaram pela uva: a videira, o vinho e a uva são elementos clássicos e de forte simbolismo dentro das tradições do Judaísmo e do Cristianismo, não desprezados pela Doutrina Espírita. A cepa espírita ilustra a vinculação entre Moisés, Jesus e Kardec.

Na cultura mosaica, os mencionados elementos permeiam todo o Antigo Testamento bíblico. Entre tantas passagens, a videira é usada como alegoria da “Terra da Promissão”: depois da fuga da escravidão no Egito, atravessando o deserto rumo às terras de Canaã, com a esperança de estabelecer ali a santa nação de Israel, Moisés envia dois espiões para ver como eram aqueles campos, se eram férteis ou estéreis; como eram seus habitantes etc. Na volta, os espias trouxeram amostras do fruto que se tornaria sagrado:

“Era a estação do início da colheita das uvas. Eles subiram e exploraram a terra (…) Quando chegaram ao vale de Escol [que significa, Torrente do Cacho de Uva], cortaram um ramo do qual pendia um único cacho de uvas. Dois dos enviados carregaram o cacho, pendurado numa vara.”
Números, 13:17-21, 23

Retorno dos espiões da Terra da Promissão, de Gustave Doré (1832-1883)


Igualmente no Novo Testamento, a uva, a videira e a vinha estão fartamente presentes nas narrações evangélicas, inclusive nas parábolas contadas pelo próprio Cristo, que, aliás, segundo a transcrição do apóstolo João Evangelista (O primeiro dos Espíritos que assinaram a mensagem inserida nos Prolegômenos de O Livro dos Espíritos), declara: “Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o lavrador.” (João, 15:1) Além disso, não parece nada fortuito o episódio da transformação da água em vinho — narrada também por São João Evangelista, e descrita como o primeiro milagre de Jesus (João, 2:1-11): no nosso mundo, a água é o líquido mais simples (lembrando a condição inicial do Espírito), enquanto o vinho é a bebida mais sofisticada (simbolizando a perfeição para qual o Espírito se transmuda pelo curso da evolução).

Deparamo-nos na Codificação Espírita com a mesma simbologia, sem o menor constrangimento. Em O Evangelho segundo o Espiritismo, além das transcrições dos Evangelhos bíblicos, a obra está recheada de menções alegóricas no mesmo gênero, por exemplo, numa comunicação espiritual assinada por um “João”, que assevera: “Trabalhar para os pobres é trabalhar na vinha do Senhor” (cap. XIII, item 16). Noutra, o anjo guardião Constantino chama a obra divina naturalmente de “vinha” (cap. XX, item 2). E bem na sequência, eis o amigo espiritual Henri Heine a dizer, comentando a parábola cristã dos trabalhadores da última hora, ratificando o vínculo entre as tradições judaica e cristã ao Espiritismo:

“Jesus gostava da simplicidade dos símbolos e, na sua linguagem, os obreiros que chegaram na primeira hora são os profetas, Moisés e todos os iniciadores que marcaram as etapas do progresso, as quais continuaram a ser assinaladas através dos séculos pelos apóstolos, pelos mártires, pelos Pais da Igreja, pelos sábios, pelos filósofos e, finalmente, pelos espíritas. Estes, que por último vieram, foram anunciados e preditos desde a aurora da chegada do Messias e receberão a mesma recompensa. [...] Deus abençoa a solidariedade. Aliás, muitos dentre aqueles revivem hoje, ou reviverão amanhã, para terminarem a obra que começaram outrora. Mais de um patriarca, mais de um profeta, mais de um discípulo do Cristo, mais de um propagador da fé cristã se encontram no meio deles, porém, mais esclarecidos, mais adiantados, trabalhando, não já na base e sim na cumeeira do edifício. Então, receberão salário proporcionado ao valor da obra.”
Henri Heine, em O Evangelho segundo o Espiritismo - capítulo XX, item 3


O vinho na cultura popular

A peça alegórica utilizada na obra kardecista não é nada estranha para a cultura humana. A uva, fruto da videira, é a típica matéria-prima do vinho — a bebida sagrada de várias religiões e mitos.

Na Grécia Antiga, contava-se que o vinho (também chamado de néctar) era a bebida sagrada dos deuses e o que lhes eternizava a vida. A mitologia grega consagrou o “deus do vinho” como sendo Dioniso — aquele que ascendeu do Hades (inferno) para o Olimpo (paraíso), correspondendo aos dois termos dos quais seu nome é formado: dyu = céu, espírito + nisa = água, noite, que lidos reversamente dão o sentido de alguém que emergiu da simplicidade (água) e da escuridão (noite) em direção ao alto (céu) e à plenitude (espírito). Sua versão na mitologia romana é Baco, igualmente deus do vinho e do prazer.

Em variadas correntes religiosas, na mais remota Antiguidade, esta bebida é um elemento sagrado e tomada na busca pela iluminação espiritual. Ela também está presente na cerimônia judaica Kiddush (transliteração do hebraico קידוש, equivalente à "santificação"), que é a bênção sagrada recitada sobre o vinho ou suco de uva para santificar o Shabat. Na teologia católica e de algumas igrejas protestantes e reformistas, o vinho é usado junto com o pão na consagração Eucaristia, um ritual que prega a fé na substanciação desses elementos respectivamente no sangue e no corpo de Jesus Cristo, constituindo-se em um dos sacramentos essenciais para a salvação da alma.

Fora o caráter místico, a fruta-símbolo escolhida pela espiritualidade atende às expectativas de um símbolo universalista, já que esta iguaria é cultivada data para mais de 6.000 a.C. e atravessa as mais tradicionais civilizações, cujo consumo alcança praticamente todas as partes do planeta; portanto, um fruto global, bem espalhado, como aliás acontece com as videiras, pela característica própria das plantas trepadeiras das quais se figura a parreira.

A sofisticação do vinho na cultura mundial é tanta que existe até uma ciência específica para o tratamento da sua produção, conservação e consumação: Enologia.

No idioma português, o vocábulo uva é sinônimo de algo sublime. Segundo o Dicionário Houaiss (versão eletrônica 3.0, de 2009), a quarta significação desta palavra é “qualquer coisa muito bonita”, e dá um exemplo: “comprou um sapato que é uma uva”.


Curiosidades sobre a videira espírita

A arte da cepa tem sido bastante aplicada, dentro e fora do movimento espírita, como uma espécie de logomarca do Espiritismo; no entanto, como uma simples representação gráfica, isto é, sem nenhum caráter de ícone sagrado ou insígnia oficial. Por outro lado, essa usagem provavelmente é fartamente feita sem o devido conhecimento do seu significado.

Alguns detalhes relacionados à reprodução do desenho da cepa espírita por Allan Kardec nos chamam a atenção e merecem a menção:

  • Esta é a única figura que consta nos livros doutrinários de Allan Kardec (na Revista Espírita de agosto de 1858, Kardec reproduz um desenho mediúnico da casa de Mozart em Júpiter, mas sem qualquer significação especial tal como há na videira espírita);

  • É uma ilustração tratada com muita atenção pelo Espíritos da Codificação, pois além de desenhá-lo mediunicamente, eles orientam Kardec como colocá-la no início do livro que veio inaugurar o Espiritismo no mundo;

  • O primeiro Espírito a assinar os Prolegômenos é João Evangelista, o mesmo que registrou que o Cristo é a verdadeira videira (João, 15:1) e, também, o que registrou a promessa do Mestre que enviaria o Consolador (João, 14:16-17);

  • • A mensagem espiritual sobre o dito emblema, endereçada a Kardec, indicava expressamente que a imagem fosse posta na cabeceira do livro. No entanto, ela foi reproduzida na seção dos Prolegômenos, que vem depois da Introdução. A "não obediência" do codificador a essa indicação pode ter sido pela intenção de manter a figura mais próxima da comunicação mediúnica que a descreve, ou talvez devido questões técnicas, afinal, em seu tempo, os recursos gráficos eram limitados e caríssimos. Em todo o caso, este “incidente” serve para nos instruir que, se fosse admitido qualquer caráter sacrossanto, não importasse como, o desenho deveria figurar-se na folha de rosto do livro, exatamente como indicado pelos Espíritos — o que absolutamente não se deu;

  • A ilustração foi reproduzida na primeira edição de O Livro dos Espíritos em fac-símile, ou seja, como cópia fiel do original, segundo a anotação do autor do livro. Todavia, a partir da segunda edição, a primeira página dos Prolegômenos recebeu alterações e, nisso, a gravura da videira não vai aparecer exatamente como na obra de estreia: a arte é a mesma, porém recortada e ligeiramente ampliada — outra indicação de desprendimento de qualquer formalidade. O motivo para esta reformulação não foi informado e, ainda, a mesma nota de rodapé citando o fac-símile permaneceu sem modificação. Novamente, podemos observar o desprendimento kardequiano quanto à forma, conquanto preservando a mensagem — o que realmente importa;


    As duas versões da primeira página dos Prolegômenos


    O desenho original e a segunda versão, recortada e ampliada


  • Uma possível mensagem implícita na videira desenhada pelos Espíritos é a de uma reafirmação do vínculo do Kardecismo com as tradições religiosas precedentes (principalmente o Judaísmo e o Cristianismo) tendo a espiritualidade previsto a forte resistência — e até mesmo o combate — de grande parte dos simpatizantes e aderentes do movimento espírita ao próprio caráter religioso contido no Espiritismo: uma forma de os guias espirituais literalmente “desenharem” o que a Doutrina Espírita é.


Veja também


Referências

  • O Livro dos Espíritos, Allan Kardec - Ebook.
  • Revista Espírita - coleção 1858, Allan Kardec - Ebook.
  • A Imagem da Luz: a presença do Cristo nas Três Revelações vol. I, Grupo Marcos - Ebook.
  • Houiass Eletrônico, Instituto Antonio Houaiss - versão eletrônica 3.0 (2009).


Tem alguma sugestão para correção ou melhoria deste verbete? Favor encaminhar para Atendimento.


Índice de verbetes
A Gênese
A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo
Abreu, Canuto
Adolphe Laurent de Faget
Agênere
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie Gabrielle Boudet
Anália Franco
Anastasio García López
Andrew Jackson Davis
Anna Blackwell
Arigó, Zé
Arthur Conan Doyle
Auto de Fé de Barcelona
Auto-obsessão.
Banner of Light
Baudin, Irmãs
Bem
Berthe Fropo
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Carma
Caroline Baudin
Célina Japhet
Cepa Espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chevreuil, Léon
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Comunicabilidade Espiritual
Conan Doyle, Arthur
Consolador
Crookes, William
Daniel Dunglas Home
Davis, Andrew Jackson
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Didier, Pierre-Paul
Divaldo Pereira Franco
Dogma
Dogmatismo
Doutrina Espírita
Doyle, Arthur Conan
Dufaux, Ermance
Ectoplasma
Ectoplasmia
Ecumenismo
Editora Dentu
Édouard Dentu
Emancipação da Alma
Epífise
Ermance Dufaux
Errante
Erraticidade
Errático
Escala Espírita
Escrita Direta
Espiritismo
Espiritismo à Francesa: a derrocada do movimento espírita francês pós-Kardec
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Errante
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Expiação
Faget, Laurent de
Fascinação
Fora da Caridade não há salvação
Fox, Irmãs
Francisco Cândido Xavier
Franco, Anália
Franco, Divaldo Pereira
Fropo, Berthe
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Henri Sausse
Herculano Pires, José
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Home, Daniel Dunglas
Humberto de Campos
Imortalidade da Alma
Inquisição
Irmão X
Irmãs Baudin
Irmãs Fox
Jackson Davis, Andrew
Japhet, Célina
Jean Meyer
Jean-Baptiste Roustaing
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Arigó
José Herculano Pires
José Pedro de Freitas (Zé Arigó)
Julie Baudin
Kardec, Allan
Kardecismo
Kardecista
Karma
Lachâtre, Maurice
Lamennais
Laurent de Faget
Léon Chevreuil
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Leymarie, Pierre-Gaëtan
Linda Gazzera
Livraria Dentu
London Dialectical Society
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachâtre
Mediatriz
Médium
Mediunidade
Mesas Girantes
Metempsicose
Meyer, Jean
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
O Livro dos Médiuns
Obras Básicas do Espiritismo
Obsediado
Obsessão
Obsessor
Oração
Palais-Royal
Panteísmo
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pélagie Baudin
Percepção extrassensorial
Pereira, Yvonne A.
Perispírito
Pestalozzi
Pierre-Gaëtan Leymarie
Pierre-Paul Didier
Pineal
Pires, José Herculano
Pneumatografia
Possessão
Prece
Pressentimento
Projeto Allan Kardec
Quiromancia
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hypolite-Léon Denizard
Roustaing, Jean-Baptiste
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Sausse, Henri
Schutel, Cairbar
Sentido Espiritual
Sexto Sentido
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Dialética de Londres
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
SPEE
Subjugação
Superstição
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Trindade Universal
Ubiquidade
UEF
União Espírita Francesa
Vampirismo
Verdade, Espírito
Videira Espírita
William Crookes
X, Irmão
Xavier, Chico
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zé Arigó
Zilda Gama

© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo