Compartilhe esta página pelo Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook

Índice de verbetes


Mediatriz



Mediatriz, aportuguesamento do vocábulo francês médiatrice, é um adjetivo utilizado por Allan Kardec para se referir àquilo que diz respeito à mediunidade, num sentido mais amplo, e à medianimidade, num sentido mais restrito; este termo, bastante usado no opúsculo Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, acabou caindo no desuso na própria bibliografia kardequiana, a partir da publicação de O Livro dos Médiuns, justamente em favor dos vocábulos mediúnico e medianímico.



Histórico

O primeiro registro histórico da palavra mediatriz (médiatrice, no original em francês) dentro da bibliografia kardequiana encontra-se na primeira edição da Revista Espírita, publicada em 1 de janeiro de 1858; ela então aparece no artigo “Diferentes modos de comunicações”, no parágrafo que começa pelo seguinte trecho: “As comunicações transmitidas pela psicografia são mais ou menos extensas, conforme o grau da faculdade mediatriz”.

E esta é a única ocorrência em toda a coleção do primeiro ano da mencionada revista. Porém, sua aplicação será farta em Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, que Kardec publicou em julho daquele mesmo ano de 1858, sempre se referindo às capacidades da alma em estado de emancipação espiritual, começando pela descrição do conteúdo da obra na sua folha de rosto, em que diz: “A exposição completa das condições necessárias para se comunicar com os Espíritos e os meios de desenvolver a faculdade mediatriz nos médiuns”. Já na Introdução, falando do objetivo daquela publicação, o autor volta a usar o vocábulo estudado:

“(...) o seu objetivo consiste em indicar os meios de desenvolver a faculdade mediatriz tanto quanto as disposições de cada pessoa assim o permitirem, e sobretudo dirigir sua aplicação de uma maneira útil — desde que a faculdade exista.”
Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, Allan Kardec - Introdução


Na coleção do segundo ano da Revista Espírita, 1859, há quatro ocorrências do adjetivo mediatriz, nos exemplares correspondentes aos meses de janeiro (1 ocorrência), fevereiro (2) e dezembro (1). E só.

O referido adjetivo voltou a ser grafado na Introdução da 2ª edição de O Livro dos Espíritos, em 1860:

“A experiência enfim deu a conhecer diversas outras variedades na faculdade mediatriz, vindo-se a saber que as comunicações igualmente podiam ocorrer pela palavra, pela audição, pela visão, pelo tato etc., e até pela escrita direta dos Espíritos, isto é, sem a ajuda da mão do médium nem do lápis.”
O Livro dos Espíritos, Allan Kardec – Introdução, item V


Desde então, em substituição ao vocábulo mediatriz, foi estabelecido o adjetivo medianímico e suas variantes: medianímica, medianímicos, medianímicas; esta renomeação deu-se especialmente a partir do lançamento de O Livro dos Médiuns, que inclusive reaproveitou vários trechos do opúsculo Instrução Prática, e em alguns dos quais constava o termo mediatriz, doravante vertido para medianímico ou uma de suas variantes. Um exemplo disso é o trecho adiante (destaque nosso):

“Com todos esses aparatos, quase sempre é preciso estar em dupla; mas não é necessário que a segunda pessoa seja dotada da aptidão MEDIATRIZ: ela serve unicamente para manter o equilíbrio e diminuir a fadiga do médium.”
Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas - cap. IV, ‘Psicografia’

“Com todos esses aparatos, quase sempre é preciso estar em dupla; mas não é necessário que a segunda pessoa seja dotada da aptidão MEDIANÍMICA: ela serve unicamente para manter o equilíbrio e diminuir a fadiga do médium.”
O Livro dos Médiuns - 2ª parte, cap. XIII, item 156


Como uma espécie de variante deste termo, na edição de abril de 1867, dentro de uma dissertação do Espírito Cáritas, aparece a palavra médiatrices, no original em francês, equivalente a um substantivo que, no rigor da letra, sugere ser traduzível como “mediatrizes” ou, pelo contexto, como “mediadoras” ou “medianeiras” (no sentido de “médiuns”):

“Ah, vocês que foram oprimidas na terra, mulheres que foram feitas escravas do homem, porque estavam sujeitas à dominação deles, o vosso reino não é deste mundo! Contentem-se, pois, com o destino que está reservado para vocês; continuem vossa tarefa; permaneçam como mediadoras [ou, medianeiras, mediatrizes, médiuns...] entre o homem e Deus, e compreendam bem a influência da vossa intervenção.”
Revista Espírita - abril, 1867: ‘Dissertações espíritas: Missão da mulher’


Numa circunstância excepcional, no artigo ‘O Espiritismo em Bordeaux’ da Revista Espírita de novembro de 1861, Kardec usou a variante francesa médiumnique, cuja tradução exata é “mediúnico”, aliás, a grafia que acabou se consagrando no movimento espírita brasileiro em lugar de medianímico; inclusive, alguns tradutores do Brasil vertem o termo francês médianimique costumeiramente para “mediúnico”, e de forma semelhante para as variações.


Significado de mediatriz em Espiritismo

Na linguagem kardequiana, o adjetivo mediatriz é sinônimo de mediúnico e de medianímico, neste caso, equivalendo à mesma definição que Kardec atribuiu para mediúnico no Vocabulário Espírita contido em O Livro dos Médiuns: “Qualidade da potência dos médiuns”, pelo que podemos fazer um paralelo entre o exemplo de “faculdade mediatriz” com “faculdade medianímica” e “faculdade mediúnica”. Em suma, é a adjetivação referente a tudo o que diz respeito à mediunidade ou medianimidade, bem como ao médium, que é o agente da aptidão espiritual.

De alguma forma, a grafia mediatriz escapa da diferença sutil que há entre mediunidade e medianimidade: o primeiro termo é mais genérico, aplicável a toda e qualquer atividade do médium, embora num sentido mais estrito se refira aos casos em que há alguma interação entre o médium e outro ser espiritual; o segundo termo, num sentido mais estrito, detém-se nas atividades próprias do médium, enquanto alma em emancipação espiritual — atividade também conhecida como anímica, de animismo (do latim animus = alma). Desta forma, portanto, a atividade mediatriz sugere uma generalidade; tem o valor de quem se presta ao papel de intermediário, mediador, medianeiro, tal como se caracteriza a função de um médium.


Mediatriz em outras disciplinas

A inspiração de Allan Kardec para usar o vocábulo francês médiatrice = mediatriz, certamente, vem de outras aplicações desse termo, em outras disciplinas.

Em Geometria, por exemplo, mediatriz é o lugar dos pontos que equidistam de dois pontos A e B distintos. Consequentemente, o traçado da mediatriz determina o ponto médio de um segmento AB.

No contexto jurídico, a língua francesa também utiliza esta palavra como o feminino de médiateur = mediador, em menção a quem atua como “mediadora” de conflitos familiares em processos de ruptura conjugal.


Veja também


Referências

  • Revista Espírita - coleção 1858, Allan Kardec - Ebook.
  • Revista Espírita - coleção 1859, Allan Kardec - Ebook.
  • Revista Espírita - coleção 1867, Allan Kardec - Ebook.
  • Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, Allan Kardec - Ebook.
  • O Livro dos Médiuns, Allan Kardec - Ebook.
  • O Livro dos Espíritos, Allan Kardec - Ebook.
  • Verbete “Médiatrice” (em francês) na Wikipédia.


Tem alguma sugestão para correção ou melhoria deste verbete? Favor encaminhar para Atendimento.


Índice de verbetes
A Gênese
A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo
Abreu, Canuto
Adolphe Laurent de Faget
Agênere
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie Gabrielle Boudet
Anália Franco
Anastasio García López
Andrew Jackson Davis
Anna Blackwell
Arigó, Zé
Arthur Conan Doyle
Auto de Fé de Barcelona
Auto-obsessão.
Banner of Light
Baudin, Irmãs
Bem
Berthe Fropo
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Carma
Caroline Baudin
Célina Japhet
Cepa Espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chevreuil, Léon
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Comunicabilidade Espiritual
Conan Doyle, Arthur
Consolador
Crookes, William
Daniel Dunglas Home
Davis, Andrew Jackson
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Didier, Pierre-Paul
Divaldo Pereira Franco
Dogma
Dogmatismo
Doutrina Espírita
Doyle, Arthur Conan
Dufaux, Ermance
Ectoplasma
Ectoplasmia
Ecumenismo
Editora Dentu
Édouard Dentu
Elementos Gerais do Universo
Emancipação da Alma
Epífise
Ermance Dufaux
Errante
Erraticidade
Errático
Escala Espírita
Escrita Direta
Espiritismo
Espiritismo à Francesa: a derrocada do movimento espírita francês pós-Kardec
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Errante
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Expiação
Faget, Laurent de
Fascinação
Fluido
Fora da Caridade não há salvação
Fox, Irmãs
Francisco Cândido Xavier
Franco, Anália
Franco, Divaldo Pereira
Fropo, Berthe
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Henri Sausse
Herculano Pires, José
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Home, Daniel Dunglas
Humberto de Campos
Imortalidade da Alma
Inquisição
Irmão X
Irmãs Baudin
Irmãs Fox
Jackson Davis, Andrew
Japhet, Célina
Jean Meyer
Jean-Baptiste Roustaing
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Arigó
José Herculano Pires
José Pedro de Freitas (Zé Arigó)
Julie Baudin
Kardec, Allan
Kardecismo
Kardecista
Karma
Lachâtre, Maurice
Lamennais
Laurent de Faget
Léon Chevreuil
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Leymarie, Pierre-Gaëtan
Linda Gazzera
Livraria Dentu
London Dialectical Society
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachâtre
Mediatriz
Médium
Mediunidade
Mesas Girantes
Metempsicose
Meyer, Jean
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
O Livro dos Médiuns
Obras Básicas do Espiritismo
Obsediado
Obsessão
Obsessor
Onipresença
Oração
Palais-Royal
Panteísmo
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pélagie Baudin
Percepção extrassensorial
Pereira, Yvonne A.
Perispírito
Pestalozzi
Pierre-Gaëtan Leymarie
Pierre-Paul Didier
Pineal
Pires, José Herculano
Pneumatografia
Possessão
Prece
Pressentimento
Projeto Allan Kardec
Quiromancia
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hypolite-Léon Denizard
Roustaing, Jean-Baptiste
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Sausse, Henri
Schutel, Cairbar
Sentido Espiritual
Sexto Sentido
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Dialética de Londres
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
SPEE
Subjugação
Superstição
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Trindade Universal
Ubiquidade
UEF
União Espírita Francesa
Vampirismo
Verdade, Espírito
Videira Espírita
William Crookes
X, Irmão
Xavier, Chico
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zé Arigó
Zilda Gama

© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo