Compartilhe esta página pelo Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook

Índice de verbetes


Panteísmo



Panteísmo é uma crença e uma proposição filosófica que, em linhas gerais, é caracterizada por idealizar a integração essencial e absoluta entre Deus e a realidade física (toda a natureza, o Universo, todos os multiversos possíveis) como sendo a unidade total de tudo o que existe e possa existir: “Deus é tudo, e tudo é Deus”. A partir desta ideia central, a doutrina panteísta se divide em variações, por exemplo, quanto ao entendimento sobre a natureza divina. A Codificação Espírita trata diretamente a questão do panteísmo e a refuta peremptoriamente ao demonstrar a sua incongruência com o princípio Espírita da imaterialidade de Deus, além de negar a identidade individual dos Espíritos, furtando-lhes as responsabilidades e méritos de suas ações.


Representação grático do Panteísmo



Etimologia e popularização

O vocábulo panteísmo deriva dos termos gregos πᾶν = pan: “tudo”, “de tudo”, e θεός = theos: “deus”, “divino”. Sua alcunha é atribuída ao matemático inglês Joseph Raphson (1648 - 1715) que usou a expressão em latim “pantheismus”, no seu livro De Spatio Reali, de 1697, onde ele se refere às ideias do filósofo holandês Baruch Espinosa (1632 - 1677) e de outros pensadores que compartilhavam do mesmo entendimento que caracteriza o panteísmo. O livro de Raphson foi traduzido para o inglês e daí a palavra “pantheism” se consagrou, com suas variações idiomáticas, especialmente a partir do livro Socinianism Truly Stated by a pantheist (de 1705) do escritor irlandês John Toland.

Diversos teólogos e filósofos conceberam um sistema nos moldes panteísta — antes mesmo que o termo fosse cunhado —, mas foi Espinosa quem deu a forma clássica que se popularizou pela cultura ocidental. Sua obra Ética, publicada postumamente, em 1677, costuma ser citada como referência para o panteísmo, cuja síntese para explicara a divindade é: “Deus é a Natureza, e a Natureza é Deus”, algo similar ao anteriormente concebido pelo frade católico Giordano Bruno (1548 - 1600) — que, aliás, foi queimado vivo pelo Tribunal da Inquisição por heresia.

O panteísmo na concepção espinosiana parte do pressuposto de que Deus, por ser infinito, é a única substância existente, o que implica que nada existe fora de Deus: “Tudo o que existe, existe em Deus, e sem Deus nada pode existir ou ser concebido”; Deus é “causa imanente, e não transcendente, de todas as coisas”; “As coisas particulares não são mais do que afecções dos atributos de Deus, ou seja, modos pelos quais os atributos de Deus se exprimem de maneira certa e determinada”; Deus é assim identificado com a própria natureza, de acordo com o famoso lema “Deus sive Natura” = "Deus, ou seja, a Natureza". Contudo, esse sistema se complica por si mesmo desde quando Espinosa tenta definir Deus como um “ser” (que muitos entendem como uma “coisa”) sem vontade própria e liberdade superior por uma necessidade de cumprir o que é próprio da natureza.


O panteísmo ateu e materialista

Baruch Espinosa não admitiu formalmente ser ateu — embora seu sistema de algum modo coisifique a divindade e lhe tire o caráter pessoal (ele usava a palavra “Deus” para descrever a unidade de toda substância) — mas foi interpretado como um ateu (tanto é que foi excomungado da comunidade judaica da qual pertencia) e inspirou variações declaradamente ateias e materialistas do panteísmo.

No caso do panteísmo declaradamente ateu, o nome de Deus embutido no termo (oriundo do grego théos) é entendido como nada mais do que se de “mãe-natureza” ou “alma da Terra” (alma aqui não no sentido espiritual) basicamente negando a existência de um ser superior. Portanto, esse “Deus” significa a unidade das coisas da realidade física, porém, não obrigatoriamente excluindo a possibilidade da existência de uma natureza imaterial, cabendo inclusive a imortalidade dos seres após a morte (Espíritos), mas não de um ser supremo (Deus). Essa é basicamente a concepção das crenças tradicionais do Oriente, mormente o Hinduísmo e o Budismo — que admitem a individualidade das almas (Espíritos) e não concebem a divindade suprema.

Numa variação mais extrema, o panteísmo abriga não apenas o ateísmo (crença na não-existência de Deus), mas o materialismo puro, a negação de qualquer realidade espiritual ou qualquer coisa fora da natureza material, física. Neste sistema, todas as formas de vida, sensações, sentimentos, emoções e todas as manifestações da realidade são meras reações físico-químicas resultantes das propriedades da matéria. A propósito, muitos estudiosos defendem que também Espinosa era materialista, pela sua posição apresentada na sua obra Ética em evidente oposição ao Dualismo do filósofo francês René Descartes (1596 - 1650), que compreendia a separação essencial do que era corpo (natureza material) e mente (natureza espiritual). Em lugar do dualismo cartesiano, Espinosa propôs o monismo (de “um”, “único”). Da fonte desse panteísmo materialismo vão beber filósofos aclamados pela tradição acadêmica, tais como Hegel (1770 - 1831), Nietzsche (1844 - 1900), Friedrich Engels (1820 - 1895) e Karl Marx (1818 - 1883).


Kardec e os sistemas panteístas

Em sua obra para a Codificação do Espiritismo, Allan Kardec submeteu a teoria panteísta à apreciação da espiritualidade. A resposta foi objetiva e clara na direção da refutação do panteísmo e prontamente publicada já na obra inaugural da Doutrina Espírita: O Livro dos Espíritos, originalmente publicado em 1857. Na Introdução desta obra, o autor chama a atenção para a errônea concepção de uma espécie de “alma universal” que contivesse tudo:

“Outros pensam que a alma é o princípio da inteligência, agente universal do qual cada ser absorve uma porção. Segundo estes, haveria para todo o Universo apenas uma única alma que distribui centelhas entre os diversos seres inteligentes durante sua vida; após a morte, cada centelha retorna à fonte comum, onde ela se mistura com o todo, como os riachos e os rios retornam para o mar de onde saíram. Esta opinião difere da anterior em que, nesta hipótese, há algo em nós além da matéria, e que alguma coisa sobrevive após a morte; contudo, é quase como se não restasse nada, pois, não havendo mais individualidade, não teríamos mais consciência de nós mesmos. Dentro desta opinião a alma universal seria Deus e cada ser uma porção da Divindade; esta é uma variedade do panteísmo.”
O Livro dos Espíritos, Allan Kardec - ‘Introdução...’, item II


Em seguida, enfrentando diretamente a definição panteísta, Kardec abre um tópico específico a respeito disso na seção do referido livro que trata exatamente de Deus, quando coloca a questão objetivamente:

Deus é um ser distinto, ou, segundo a opinião de alguns, seria o resultado de todas as forças e de todas as inteligências do Universo reunidas?
“Se fosse assim, Deus não existiria, porque seria o efeito e não a causa; ele não pode ser ao mesmo tempo uma e outra coisa. Deus existe, disso vocês não podem duvidar, isso é o essencial. Acreditem em mim e não queiram ir além; não se percam num labirinto de onde não poderiam sair. Isso não lhes tornaria melhores, mas talvez um pouco mais orgulhosos, pois vocês acreditariam saber, quando na realidade nada saberiam. Então, deixem de lado todos esses sistemas; vocês têm bastantes coisas que lhes interessam mais diretamente, a começar por vocês mesmos; estudem as suas próprias imperfeições a fim de se libertarem delas, o que lhes será mais útil do que pretender penetrar no que é impenetrável.”
Idem - questão 14


Na questão seguinte, o codificador espírita pede mais esclarecimentos sobre a doutrina panteísta, que propõe que a soma de todos os corpos da natureza seriam partes da Divindade e constituem o próprio Deus, ao que os mentores espirituais ironizam: “Não podendo fazer-se Deus, o homem quer pelo menos ser uma parte de Deus”.

Insistindo nas alternativas sondadas pelos panteístas, Kardec prossegue perscrutando:

Aqueles que professam essa doutrina pretendem encontrar nela a demonstração de alguns dos atributos de Deus. Os mundos sendo infinitos, Deus é, por isso mesmo, infinito; o vazio ou o nada não existindo em parte alguma, Deus está por toda parte; estando Deus em toda parte, pois tudo é parte integrante de Deus, ele dá a todos os fenômenos da natureza uma razão de ser inteligente. O que podemos opor a este raciocínio?
“A razão; reflitam seriamente e não lhes será difícil reconhecerem aí o absurdo.”
Idem - questão 16


A resposta é então enriquecida pelos comentários de Allan Kardec:

“Essa doutrina faz de Deus um ser material que, conquanto dotado de uma suprema inteligência, seria em grande escala o que somos em pequena escala. Ora, como a matéria se transforma constantemente, se Deus fosse assim, ele não teria nenhuma estabilidade; ele estaria sujeito a todas as vicissitudes e até todas as necessidades da humanidade; faltaria a ele uma das qualidades essenciais da Divindade: a imutabilidade. As propriedades da matéria não podem se aliar à ideia de Deus sem o rebaixar ante nosso pensamento, e todas as sutilezas do sofisma não chegariam a resolver o problema da sua natureza íntima. Não sabemos tudo o que ele é, mas sabemos o que ele não pode deixar de ser, e essa teoria do Panteísmo está em contradição com suas mais essenciais propriedades; ela confunde o criador com a criatura, exatamente como se quisessem que uma máquina engenhosa fosse parte integrante do mecânico que a concebeu.
“A inteligência de Deus se revela em suas obras como a de um pintor no seu quadro; no entanto, as obras de Deus não são o próprio Deus, assim como o quadro não é o pintor que o imaginou e o executou.”
Idem


Noutro ponto do mesmo livro, insiste o seu autor:

Os Espíritos são seres distintos da Divindade, ou não seriam mais do que simples emanações ou porções da Divindade e, por essa razão, denominados criaturas ou filhos de Deus?
“Meu Deus! Eles são obra de Deus, exatamente como um homem que faz uma máquina: essa máquina é obra do homem e não o próprio homem. Sabe-se que quando o homem faz algo belo e útil, ele o chama seu filho, sua criação. Pois bem! Acontece o mesmo com relação a Deus: nós somos seus filhos, pois somos obra dele.”
Idem - questão 77


Praticamente a mesma pergunta é formulada nas questões 151 e 152 da referida obra, mantendo-se a negação da proposição panteísta, ao que Kardec acrescenta: “Aqueles que pensam que com a morte a alma reingressa no todo universal estão num erro se supõem que assim, semelhante a uma gota d’água que cai no Oceano, ela então perde a sua individualidade; estão certos se entendem o todo universal como o conjunto dos seres incorpóreos em que cada alma ou Espírito é um elemento”.

A tese em questão foi igualmente abordada em outras publicações kardequianas. Por exemplo: em O Evangelho segundo o Espiritismo (cap. III, item 23), o panteísmo aparece como uma das quatro alternativas cogitadas quanto ao futuro do homem após a morte. Na Revista Espírita de outubro de 1863, encontramos uma comunicação mediúnica a respeito, da qual extraímos o trecho seguinte:

“O panteísmo tem duas faces, sob as quais convém estudá-lo. Primeiro, a separação infinita da natureza divina, fragmentada em todas as partes da Criação e se encontrando nos mais ínfimos detalhes, assim como na sua magnificência, isto é, uma confusão flagrante entre a obra e o obreiro. Em segundo lugar, a assimilação da Humanidade ou, antes, sua absorção na matéria. O panteísmo antigo encarnava as divindades; o moderno panteísmo assimila o homem ao reino animal e faz surgirem as moléculas criadoras da ardente fornalha onde se elabora a vegetação, confundindo, assim, os resultados com o princípio.” — Lázaro
Revista Espírita - outubro de 1863: Dissertações Espíritas > ‘O Panteísmo’


Em O Céu e o Inferno, verifica-se a mesma contundência na oposição ao sistema panteísta:

“A este sistema podemos opor inumeráveis contradições, das quais estas são as principais: não podendo aceitar a divindade sem infinita perfeição, perguntamos como um todo perfeito pode ser formado de partes tão imperfeitas, tendo necessidade de progredir? Devendo cada parte ser submetida à lei do progresso, é preciso admitir que o próprio Deus deve progredir; e se Ele progride constantemente, deveria ter sido, na origem dos tempos, muito imperfeito.”
O Céu e o Inferno - 1ª parte, cap. I, item 8


Síntese da refutação espírita

O Espiritismo tem entre seus fundamentos a definição de Deus como o ser supremo, criador de todas as coisas, eterno, imutável, imaterial, único, todo-poderoso, soberanamente. Por ser imaterial, “quer dizer que a sua natureza difere de tudo o que chamamos matéria, do contrário ele não seria imutável, pois estaria sujeito às transformações da matéria.” (O Livro dos Espíritos, questão 13) Portanto, a Divindade não pode ser confundida com a natureza física, que é sua obra.

Um segundo fundamento capital para a análise espírita do panteísmo é o da individualização dos seres inteligentes: “A alma tem sua individualidade antes da sua encarnação e a conserva após sua separação do corpo.” (O Livro dos Espíritos, ‘Introdução...’, item VI.

Em suma, em face da Revelação Espírita, vamos então encontrar vários problemas crônicos no sistema panteísta, por exemplo:

  • Se essa unidade absoluta fosse real, teríamos que admitir que Deus não existe, porque não passaria de uma “coisa”, entre outras coisas, sem ter sido o criador delas (seria o efeito e não a causa);
  • O panteísmo faz da divindade um ser material, um objeto, e lhe tira a identidade pessoal e a soberania que lhe é própria;
  • Conforme essa ideia, ao morrermos, nós (Espíritos) não conservaríamos a nossa individualidade e iríamos integrar o todo universal como uma gota d’água se perde num oceano. Com isso, não teríamos como colher os frutos individuais dos nossos esforços e nem seríamos responsabilizados pelos nossos erros.


A proposta do Paneteísmo

Uma ideia — embora não absolutamente exata — mais coerente que o sistema panteísta é a do paneteísmo (pan-e-teísmo) que diz que o Universo está dentro de Deus, o que justificaria o modo como a Providência Divina está presente e atuante em tudo, sem ser exatamente esse tudo. A síntese dessa filosofia — conforme seu idealizador, o pensador alemão Christian Krause (1781 - 1832) — pode ser expressa assim: “O Ser de Deus inclui e penetra em todo o universo, de modo que cada parte existe n’Ele, mas o Ser é mais do que o universo, e não se esgota no universo.”


Referências

  • O Livro dos Espíritos, Allan Kardec - Ebook.
  • O Evangelho segundo o Espiritismo, Allan Kardec - Ebook.
  • O Céu e o Inferno, Allan Kardec - Ebook.
  • Revista Espírita, especialmente a seção ‘Dissertações Espíritas > O Panteísmo’, da edição de outubro de 1863 - Ebook.
  • Verbete Pantheism (em inglês) na Wikipédia.
  • Verbete Ética, livro de Baruch Espinosa na Wikipédia.
  • Livro, autor - Ebook.


Tem alguma sugestão para correção ou melhoria deste verbete? Favor encaminhar para Atendimento.


Índice de verbetes
A Gênese
A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo
Abreu, Canuto
Adolphe Laurent de Faget
Agênere
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie Gabrielle Boudet
Anália Franco
Anastasio García López
Andrew Jackson Davis
Anna Blackwell
Arigó, Zé
Arthur Conan Doyle
Auto de Fé de Barcelona
Auto-obsessão.
Banner of Light
Baudin, Irmãs
Bem
Berthe Fropo
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Carma
Caroline Baudin
Célina Japhet
Cepa Espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chevreuil, Léon
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Comunicabilidade Espiritual
Conan Doyle, Arthur
Consolador
Crookes, William
Daniel Dunglas Home
Davis, Andrew Jackson
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Didier, Pierre-Paul
Divaldo Pereira Franco
Dogma
Dogmatismo
Doutrina Espírita
Doyle, Arthur Conan
Dufaux, Ermance
Ectoplasma
Ectoplasmia
Ecumenismo
Editora Dentu
Édouard Dentu
Emancipação da Alma
Epífise
Ermance Dufaux
Errante
Erraticidade
Errático
Escala Espírita
Escrita Direta
Espiritismo
Espiritismo à Francesa: a derrocada do movimento espírita francês pós-Kardec
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Errante
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Expiação
Faget, Laurent de
Fascinação
Fora da Caridade não há salvação
Fox, Irmãs
Francisco Cândido Xavier
Franco, Anália
Franco, Divaldo Pereira
Fropo, Berthe
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Henri Sausse
Herculano Pires, José
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Home, Daniel Dunglas
Humberto de Campos
Imortalidade da Alma
Inquisição
Irmão X
Irmãs Baudin
Irmãs Fox
Jackson Davis, Andrew
Japhet, Célina
Jean Meyer
Jean-Baptiste Roustaing
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Arigó
José Herculano Pires
José Pedro de Freitas (Zé Arigó)
Julie Baudin
Kardec, Allan
Kardecismo
Kardecista
Karma
Lachâtre, Maurice
Lamennais
Laurent de Faget
Léon Chevreuil
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Leymarie, Pierre-Gaëtan
Linda Gazzera
Livraria Dentu
London Dialectical Society
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachâtre
Mediatriz
Médium
Mediunidade
Mesas Girantes
Metempsicose
Meyer, Jean
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
O Livro dos Médiuns
Obras Básicas do Espiritismo
Obsediado
Obsessão
Obsessor
Oração
Palais-Royal
Panteísmo
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pélagie Baudin
Percepção extrassensorial
Pereira, Yvonne A.
Perispírito
Pestalozzi
Pierre-Gaëtan Leymarie
Pierre-Paul Didier
Pineal
Pires, José Herculano
Pneumatografia
Possessão
Prece
Pressentimento
Projeto Allan Kardec
Quiromancia
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hypolite-Léon Denizard
Roustaing, Jean-Baptiste
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Sausse, Henri
Schutel, Cairbar
Sentido Espiritual
Sexto Sentido
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Dialética de Londres
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
SPEE
Subjugação
Superstição
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Trindade Universal
Ubiquidade
UEF
União Espírita Francesa
Vampirismo
Verdade, Espírito
Videira Espírita
William Crookes
X, Irmão
Xavier, Chico
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zé Arigó
Zilda Gama

© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo