Compartilhe esta página pelo Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook



Índice de verbetes



Índice de verbetes
A Gênese
A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo
Adolphe Laurent de Faget
Agênere
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie-Gabrielle Boudet
Anastasio García López
Andrew Jackson Davis
Anna Blackwell
Auto de Fé de Barcelona
Banner of Light
Baudin, Irmãs
Bem
Berthe Fropo
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie-Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Caroline Baudin
Cepa espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chevreuil, Léon
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Consolador
Crookes, William
Daniel Dunglas Home
Davis, Andrew Jackson
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Divaldo Pereira Franco
Dogma
Dogmatismo
Doutrina Espírita
Ectoplasma
Ectoplasmia
Ecumenismo
Editora Dentu
Édouard Dentu
Epífise
Errante
Erraticidade
Errático
Escrita Direta
Espiritismo
Espiritismo à Francesa: a derrocada do movimento espírita francês pós-Kardec
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Errante
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Faget, Laurent de
Fora da Caridade não há salvação
Francisco Cândido Xavier
Franco, Divaldo Pereira
Fropo, Berthe
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Herculano Pires
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Home, Daniel Dunglas
Humberto de Campos
Inquisição
Irmão X
Irmãs Baudin
Jackson Davis, Andrew
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Herculano Pires
Julie Baudin
Kardec, Allan
Kardecismo
Lachâtre, Maurice
Lamennais
Laurent de Faget
Léon Chevreuil
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Linda Gazzera
Livraria Dentu
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachátre
Médium
Mediunidade
Metempsicose
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
Obras Básicas do Espiritismo
Oração
Palais-Royal
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pélagie Baudin
Percepção extrassensorial
Pereira, Yvonne A.
Pestalozzi
Pineal
Pneumatografia
Prece
Quiromancia
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hypolite-Léon Denizard
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Schutel, Cairbar
Sentido Espiritual
Sexto Sentido
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
SPEE
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Ubiquidade
UEF
União Espírita Francesa
Vampirismo
William Crookes
X, Irmão
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zilda Gama

O Livro dos Espíritos



O Livro dos Espíritos, traduzido do título original em francês Le Livre des Esprits, escrito por Allan Kardec, é a primeira das chamadas obras básicas da Codificação Espírita. A publicação oficial de sua primeira edição, em 18 de abril de 1857, em Paris, França, é considerada o marco de inauguração da Doutrina Espírita, uma vez que se empresta justamente a lançar os princípios fundamentais do Espiritismo. A obra foi substancialmente ampliada na sua segunda edição, publicada três anos depois da publicação original. Seu conteúdo principal é em formato dialético, distribuído em questões enumeradas, que em sua maioria se compõe de perguntas (formuladas por Kardec) e respostas (sínteses colhidas junto a diversos Espíritos), numa espécie de entrevista, contendo sobre algumas questões o acréscimo de comentários de Kardec; outras questões são constituídas de ensaios do autor a respeito de determinados assuntos, relativos à doutrina. Além desse conteúdo principal, o livro traz ainda uma introdução, um prolegômenos (espécie de prefácio) e uma conclusão.




Sobre o título e sua epígrafe

O título "O Livro dos Espíritos" dá ênfase ao propósito de Allan Kardec de atribuir o mérito das revelações contidas na obra aos Espíritos, sem os quais, aliás, o livro não poderia existir. Sem dúvidas, uma modesta atitude do codificador espírita, embora seja explícito o seu extraordinário trabalho na elaboração didática da obra.

O livro classifica-se pelo gênero "Filosofia Espiritualista", portanto, uma obra filosófica, cujo epíteto expressa a própria designação daquele trabalho:

"Sobre a imortalidade da alma, a natureza dos Espíritos e suas relações com os homens, as leis morais, a vida presente, a vida futura e o porvir da Humanidade – segundo os ensinos dados por Espíritos superiores com a cooperação de diversos médiuns – recebidos e coordenados por: Allan Kardec."



Contexto histórico do lançamento

O Livro dos Espíritos é fruto de cerca de dois anos de estudos e pesquisas realizadas pelo pedagogo francês Hypolite-Léon Denizard Rivail acerca da Revelação Espírita, iniciada com a observação dos fenômenos das Mesas Girantes – que virou febre nos Estados Unidos da América e na Europa em meados do século XIX – e com a revelação da missão reencarnatória à qual o professor Rivail havia se comprometido espiritualmente. Em meio a essa empreitada, o codificador serviu-se da colaboração de diversos médiuns (uma vez que ele próprio declarara não dispor de mediunidade ostensiva), por quem pôde ter contato com os Espíritos inspiradores da nova doutrina, dentre os quais, nomes célebres como Sócrates, Platão, João Evangelista, Santo Agostinho, Fénelon e São Luís, além de o Espírito Verdade – guia particular do codificador.


"Tendo-me as circunstâncias posto em relação com outros médiuns, sempre que se apresentava ocasião eu a aproveitava para propor algumas das questões que me pareciam mais espinhosas. Foi assim que mais de dez médiuns prestaram auxílio a esse trabalho. Da comparação e da fusão de todas as respostas, coordenadas, classificadas e muitas vezes retocadas no silêncio da meditação, foi que elaborei a primeira edição de O Livro dos Espíritos, entregue à publicidade em 18 de abril de 1857."
Allan Kardec - Obras Póstumas - 2ª Parte: 'A minha primeira Iniciação ao Espiritismo'

Com efeito, abraçando essa tarefa revolucionária, ele então redigiu a obra e a publicou, assinando-a pelo pseudônimo Allan Kardec – mesmo nome que, segundo revelação espiritual, tivera em uma de suas reencarnações recentes, nos tempos dos druidas, os sacerdotes e instrutores dos povos celtas. Sua primeira edição foi editada e impressa pela Editora Dentu, sob os cuidados de Édouard Dentu, e oficialmente oferecido ao público em 18 de abril de 1857, na Livraria Lèdoyen, na Galeria de Orleans, dentro do Palais-Royal de Paris.


A "edição zero" e o cognome Villarius

Bem antes do lançamento oficial e até mesmo do seu registro na Bibliographie de la France, que se deu em 30 de maio de 1857, sabemos de uma obra (muito provavelmente sem registro) posta à venda sugerindo tratar-se de um prospecto do que viria a ser O Livro dos Espíritos – espécie de "edição zero". Isto consta numa nota do Journal du Magnétisme dirigido pelo Barão du Potet, edição de 25 de fevereiro de 1857, que diz, enquanto tratava do agente (elemento) dos estranhos fenômenos das Mesas Girantes: "Este elemento é denominado espírito numa obra anônima que está sendo impressa sobre o assunto em Paris e cujo prospecto nos foi entregue. Esta obra é intitulada Os Livros dos espíritos ou Princípios da doutrina espírita escritos sob o ditado e por ordem dos espíritos superiores...". Seria esta obra anunciada pelo mencionado magnetista exatamente a mesma daquela dita obra inaugural do Espiritismo lançada em 18 de abril? Seria mesmo uma obra anônima?

Examinando o título, vemos praticamente o mesmo do da obra lançada por Kardec, diferenciado apenas pelo detalhe do plural: "Os livros dos Espíritos..." (Les Livres des Esprits no original em francês). Observando isso, é curioso notar que na 1ª edição de O Livro dos Espíritos, a página Prolegômenos traz na parte superior a inscrição "Les Livres des Esprits" – justamente como esse volume extraoficial – que não mais aparece na 2ª edição e seguintes.


A página "Prolegômenos" na 1ª e na 2ª edição de O Livro dos Espíritos


A suposição mais natural é a de que realmente este volume anunciado, se não for perfeitamente o mesmo conteúdo, é pelo menos um esboço da obra kardequiana que estava sendo elaborada para estrear a Doutrina Espírita. Sua circulação prévia e "informal" talvez tenha sido uma estratégia de Kardec para sondar a opinião dos espiritualistas a respeito da nova doutrina em elaboração. Quiçá seja desta "edição zero" que estivesse falando o jornal inglês The Spiritualist de 13 de agosto de 1875 ao considerar que a Doutrina Espírita tinha nascido em 1856 – ao invés de 1857 – com a publicação Book of Spirits ("Livro dos Espíritos").

De qualquer forma, é sabido que o grosso do seu conteúdo já estava pronto um ano antes de sua publicação: nas anotações de Kardec datadas de 11 de setembro daquele 1856 e publicadas em Obras Póstumas, lemos: "Depois que procedi à leitura de alguns capítulos de O Livro dos Espíritos, relativos às leis morais, a médium escreveu espontaneamente (...)".

Analisemos doravante outro aspecto da referida nota. O local para a aquisição do referido volume anunciado pelo Jornal do Magnetismo (Rua Jacob n° 35, dito "casa de Villarius") correspondia, à época, ao endereço da tipografia de Pierre Bascle. Quanto ao nome "Villarius", o editor da nota bem poderia ter se equivocado ao associá-lo ao local da venda do livro, ao passo que poderia estar vinculado à autoria daquele volume; esta suposição ganha força quando outras fontes vêm alimentar a ideia de que Kardec também tenha adotado esse outro pseudônimo: no artigo "Un nouveau révélateur" ("Um novo revelador") publicado no jornal La Pensée Nouvelle de 9 de junho de 1867, seu irônico articulista A. S. Morin comenta: "É a uma revelação semelhante que o Sr. Kardec deve o seu nome atual, antes deu à luz a vários outros: foi Denizot (sic), Rivail, Villarius...". A propósito, o periódico Le Dimanche, edição de 15 de novembro de 1857, página 2, faz menção a Allan Kardec como sendo "também chamado Valérius, outras vezes R..." — possivelmente uma confusão do jornal quanta à grafia desse "Valérius", querendo referir-se a "Villarius"; quanto ao R..., está patente se tratar de "Rivail".

Num cenário ainda hipotético, conquanto bem plausível, Rivail adota o cognome Villarius e começa a distribuição de um volume experimental para uma obra que desde há um bom tempo já planejava publicar; no transcurso disso, sendo-lhe revelado detalhes de vivências anteriores, ele então opta por passar a assinar pelo pseudônimo "Allan Kardec" — nome próprio em uma de suas reencarnações.


As edições

Tendo sido publicada oficialmente a primeira edição em 18 de abril de 1857, contendo 501 questões, além da Introdução, o Prolegômenos e a Conclusão, eis que sua atualização viria mais que duplicar seu corpo. A Revista Espírita de março de 1860 anunciou o lançamento da 2ª edição qualificando-a de "Inteiramente refundida e consideravelmente aumentada":

"Na primeira edição desta obra, anunciamos uma parte suplementar. Devia compor-se de todas as questões que ali não puderam entrar, ou que circunstâncias ulteriores e novos estudos deveriam originar. Mas como todas se referem a alguma das partes já tratadas, e das quais são o desenvolvimento, sua publicação isolada não teria apresentado nenhuma continuidade. Preferimos aguardar a reimpressão do livro para incorporar todo o conjunto, e aproveitamos para dar à distribuição das matérias uma ordem muito mais metódica, suprimindo ao mesmo tempo tudo quanto tivesse duplo sentido. Esta reimpressão pode, pois, ser considerada como obra nova, embora os princípios não tenham sofrido nenhuma alteração, salvo pouquíssimas exceções, que são antes complementos e esclarecimentos do que verdadeiras modificações. Esta conformidade com os princípios emitidos, apesar da diversidade das fontes em que foram hauridos, é um fato importante para o estabelecimento da ciência espírita. Prova nossa própria correspondência que comunicações em tudo idênticas, se não quanto à forma, ao menos quanto ao fundo, foram obtidas em diferentes localidades, e isso muito antes da publicação do nosso livro, o que veio confirmá-las e dar-lhes um corpo regular. Por seu lado, a História atesta que a maioria desses princípios tem sido professada pelos homens mais eminentes, dos tempos antigos e modernos, assim trazendo a sua sanção."
Allan Kardec, Revista Espírita, março de 1860 - "O Livro dos Espíritos, 2ª edição"


Para esta 2ª edição, que veio a lume em 18 de março de 1860, o autor optou por contratar os serviços de outros responsáveis: a Editora Didier. Aliás, admirado com o esplendor deste conteúdo, o novo editor da publicação — Pierre-Paul Didier — logo mais iria se tornar membro da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas (SPEE), além de amigo íntimo de Kardec e fervoroso espírita.



Para esta atualização, as questões formuladas por Kardec foram encaminhadas a diversos Espíritos, através da cooperação de alguns médiuns, dentre os quais destacamos: as irmãs Baudin (Caroline e Pélagie), Célina Japhet e Ermance Defaux.

Ao longo das edições subsequentes, o seu conteúdo passou por pequenas modificações, sendo a edição final estabelecida na 16ª edição, produzida pela mesma Editora Didier e publicada em 1869, cujo corpo central contém ao total 1019 questões, além das já conhecidas seções (Introdução, Prolegômenos e Conclusão).


Repercussões

A vendagem da obra foi um sucesso, tanto na sua publicação original quanto nas várias reedições. A Revista Espírita de dezembro de 1860 cita que a tiragem da segunda reimpressão esgotou-se em apenas quatro meses. Ela lançou uma luz sobre a efervescente discussão a respeito das modernas manifestações espirituais proliferadas desde meados daquele século XIX, rejeitadas sistematicamente pelas academias científicas e amaldiçoadas pelas igrejas. Diante desse quadro, em que se fazia necessário uma nova doutrina, que conciliasse os sentimentos religiosos e as verdades das ciências, Assim, O Livro dos Espíritos representa o marco inicial do Espiritismo, um portal para a Nova Era da Humanidade.

Por outro lado, também provocou reações adversas. Entre outras investidas contrárias, no episódio que ficou conhecido como o Auto de Fé de Barcelona, vários de seus exemplares, junto com outras obras espíritas, foram confiscados pelo bispo daquela cidade espanhola e queimados em praça pública, sob a alegação de serem perniciosos à fé católica. Em 1 de maio de 1864, esse livro foi inscrito no Index Librorum Prohibitorum — o catálogo católico de obras cuja leitura é proibida para os féis da Igreja.




Traduções

Não tardou para O Livro dos Espíritos ser traduzido para o inglês, pelo dedicado trabalho de Anna Blackwell, amiga do casal Kardec e importante correspondente inglesa da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas. Em seguida vieram as traduções para Espanhol, alemão e daí por diante, não demorando para igualmente chegar ao nosso português, o que se deu já em 1875, pelo médico fluminense Joaquim Carlos Travassos. Outras importantes traduções brasileiras foram empreendidas por Guillon Ribeiro (por muito tempo adotada a tradução oficial da Federação Espírita Brasileira), Salvador Getile, José Herculano Pires, Evandro Noleto Bezerra. A adaptação subintitulada Numa Linguagem Simplificada, por Louis Neilmoris, adapta a obra — como está explícito no subtítulo — para um contexto linguístico moderno e de maior alcance popular.

Clique aqui para acessar a versão digital de O Livro dos Espíritos.



Estrutura da obra

A estrutura da obra está dividida em quatro seções básicas: Introdução, Prolegômenos, seção principal e Conclusão. A seção principal — que é a que traz as questões enumeradas — é subdividida em quatro partes, obedecendo a uma classificação temática, com assuntos específicos, mas correlacionados ao contexto geral. A seguir, uma breve síntese do conteúdo de cada seção:

  • Introdução ao estudo da Doutrina Espírita: aqui Kardec apresenta a nova doutrina e as suas designações, para as quais o codificador designou novas palavras (espiritismo, espírita, médium, perispírito). Faz também um breve histórico dos fenômenos espirituais (da tiptologia na América para as Mesas Girantes na Europa) que resultaram na Revelação Espírita. Lista e explica rapidamente os princípios fundamentais do Espiritismo e comenta a respeito das críticas mais comuns contrárias ao Espiritualismo Moderno e, por conseguinte, à Doutrina Espírita. Trata-se, portanto, de uma excelente exposição para os iniciantes.
  • Prolegômenos: espécie de prefácio, anuncia o lançamento da Doutrina dos Espíritos, transcreve uma mensagem espiritual assinada pelos principais Espíritos que colaboraram com aquelas revelações e também reproduz um desenho mediúnico de uma cepa, como representação do trabalho do Criador.


  • (Seção principal): é a parte da "entrevista com a espiritualidade". Traz as questões numeradas, num total de 1019. A maioria dessas questões constitui de uma pergunta, formuladas por Kardec, e a respectiva resposta.
    De padrão, as respostas publicadas são uma copilação de todas as opiniões que o autor colheu junto a diversos Espíritos. Então, por exemplo, sobre a primeira questão do livro — "O que é Deus?" — a resposta expressa — "A inteligência suprema do Universo, causa primária de todas as coisas" — não foi necessariamente a oração literal de uma ou outra entidade, mas a soma geral da ideia com a qual os Espíritos consultados concordavam a respeito da questão proposta. Porém, algumas delas são transcrições de comunicações diretas, assinadas pelos Espíritos que as responderam particularmente (na questão 1009, por exemplo, Santo Agostinho responde à pergunta formulada a respeito da ideia das penas eternas).
    Em diversas questões, Kardec acrescenta comentários às respectivas respostas; por exemplo, na questão 13, o autor comenta sobre os atributos da Divindade sancionados pelos Espíritos.
    Em casos excepcionais, a questão não tem pergunta, nem comunicação espiritual, mas apenas dissertações do autor. A questão 222 é uma delas, ocupando todo um capítulo no qual Kardec discorre sobre a pluralidade das existências. Outra demonstração: a de número 872 é um "Resumo teórico da motivação das ações humanas".
    Essa seção está dividida em quatro partes, ordenados por temas específicos, a saber:
  • Conclusão: É uma feliz exortação àqueles que, cientes das revelações espirituais e animados pelo sentimento íntimo de progredir, se veem comprometidos com a Nova Era para a Humanidade que se inaugura com a Doutrina Espírita. O livro finaliza com a transcrição da seguinte mensagem do Espírito Santo Agostinho:
"Por muito tempo os homens se estraçalharam e se amaldiçoaram em nome de um Deus de paz e de misericórdia, ofendendo-o com semelhante sacrilégio. O Espiritismo é o laço que um dia os unirá, porque mostrará onde está a verdade e onde está o erro. Mas por muito tempo ainda haverá escribas e fariseus que o negarão, como negaram o Cristo. Querem saber sob a influência de que Espíritos estão as diversas seitas que dividiram entre si o mundo? Julguem-nas por suas obras e princípios. Nunca os bons Espíritos foram os instigadores do mal; nunca aconselharam nem legitimaram o assassinato e a violência; nunca excitaram os ódios dos partidos, nem a sede das riquezas e das honras, nem a avidez dos bens da Terra. Somente aqueles que são bons, humanos e benevolentes para com todos são seus preferidos e são também os preferidos de Jesus, porque seguem o caminho indicado para chegar até ele."
Santo Agostinho, O Livro dos Espíritos - Conclusão, item 9

Essa eficiente distribuição didática permite tanto uma leitura linear quanto aleatória, facilitando assim a pesquisa e o estudo de temas particulares. Tal formato — que tão bem classificou e organizou tantos assuntos distintos e complexos — comprova a exuberante capacidade de Allan Kardec, herança providencial de seu trabalho profissional no ramo da Pedagogia.



Links

  • O Livro dos Espíritos, Allan Kardec- Numa linguagem simplificada, adaptada por Louis Neilmoris, livremente disponível em PDF e ePUB.
  • Le Livre des Esprits, Allan Kardec - 1ª edição (1857), em francês.
  • Le Livre des Esprits, Allan Kardec - 2ª edição (1860), versão substancialmente ampliada, em francês.
  • Le Livre des Esprits, Allan Kardec - 16ª edição (1869), a versão completa e definitiva, em francês.


Referências





© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo