Compartilhe esta página pelo Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook

Índice de verbetes


Mesas Girantes



Mesas Girantes, Mesas Dançantes ou Mesas Falantes, além de outras denominações similares, são um tipo de sessão espiritual em que os participantes se reúnem em torno de uma mesa com a intensão de evocar fenômenos mediúnicos do tipo de manifestações físicas, nas quais os Espíritos manipulam esse móvel — ou, eventualmente, qualquer outro objeto — fazendo-o levantar-se, saltar, girar, dançar, produzir pancadas etc. Reuniões desse tipo tornaram-se comuns em meados do século XIX, durante a eclosão do movimento chamado Espiritualismo Moderno, que surgiu nos Estados Unidos da América, com o célebre episódio das Irmãs Fox (final dos anos 1840), sendo logo em seguida importado para a Europa e outros grandes centros urbanos no restante do mundo. As sessões eram realizadas em ambiente doméstico, entre familiares e pessoas mais próximas, ou ao público, em restaurantes, teatros e salões em geral; dentre esses encontros, a motivação variava conforme a disposição dos participantes: desde a mera curiosidade fenomênica até o interesse filosófico nas grandes questões sobre a essência e a destinação da humanidade. Desta última motivação nasceu o Espiritismo codificado por Allan Kardec, que aliás serviu-se de semelhantes sessões mediúnicas para estabelecer as bases da Doutrina Espírita. Com a popularização da psicografia, as sessões de Mesas Girantes caíram no desuso do público em geral, ganhando uma conotação mais pejorativa, no sentido de serem utilizadas como pura diversão; todavia, cumpriram seu papel histórico, qual seja o de evidenciar a imortalidade da alma e a comunicabilidade dos Espíritos.


Representação de uma típica sessão de Mesas Girantes no século XIX



Origem da febre das Mesas Girantes

Depois que a família Fox começou a ser atormentada por manifestações espirituais em sua casa, no vilarejo de Hydesville, interior do Estado de Nova Iorque, EUA, as duas filhas mais jovens da casa (Kate e Maggie) forma morar com a irmã mais velha (Leah) em Rochester; e como se tornaram conhecidas pela repercussão daquelas manifestações, e por que alegaram continuar vivenciando semelhantes fenômenos, as duas irmãs foram desafiadas a fazer demonstrações públicas de sua mediunidade; diversas sessões com as meninas foram realizadas no salão de eventos da cidade — Corinthians Hall — na presença de grande plateia, dentro da qual constavam autoridades civis, religiosas e estudiosos interessados em constatar o fenômeno. Espírito foram evocados e, segundo os relatos, produziram variados efeitos físicos, por exemplo, fazer a mesa bater os pés para responder a diversas perguntas: uma batida para um “sim” e duas batidas para respostas negativas —, ou mesmo imitar números e letras, numa espécie de imitação do método de comunicação via telégrafo.


As irmãs Fox: Kate, Leah e Maggie


Ver: Irmãs Fox.

Jornais da época noticiaram as bem-sucedidas experimentações, o que serviu de estímulo para que outros pretensos médiuns reunissem seus conhecidos e o público de sua localidade para experimentações coletivas. Reuniões desse gênero se tornaram uma febre na América e não tardou para se espalhar mundo a fora. Na década de 1850, não se falava em nada mais extraordinário na Europa do que o Espiritualismo Moderno.

“Não havia família que não possuísse sua mesinha animada, nem círculo que não tivesse os seus Espíritos familiares; marcava-se dia para fazer a mesa girar, como hoje se marca encontro para uma festa surpresa. Por um instante a curiosidade pública — atiçada pelo clero a amedrontar as almas timoratas pelo espectro abominável de Satã — não conheceu limites e as mesas estalavam, sacudiam, dançavam, do subsolo à água-furtada, com uma obediência das mais meritórias.”
Revista Espírita - abril de 1869: ‘Conferências do Sr. Chevillard, sobre o Espiritismo’


O jornal britânico The Yorkshireman de 25 de outubro de 1856 publicou um artigo a respeito daquela moda, ironizando os fenômenos, mas confessando sua popularidade, declarando que:

Os fenômenos comuns de movimento de mesas, etc., na verdade são familiares a muita gente. Há cerca de dois ou três anos não havia uma reunião noturna que não tentasse a realização de um milagre espiritual... Naqueles dias a gente era convidada para "chá e mesas girantes", como um novo divertimento e tinha que se mexer com toda a família, em volta dos móveis, como loucos.
História do Espiritualismo, Arthur Conan Doyle - cap. VII


A História registra que participavam dessas experimentações pessoas das mais diferentes classes, desde os mais frívolos indivíduos até autoridades e personalidades mais ilustres das artes e das ciências. Nos Estados Unidos, John Worth Edmonds (1799-1874), juiz da Suprema Corte de Nova Iorque, foi um dos primeiros notáveis a se dedicar na averiguação metódica dos referidos fenômenos; na conclusão de suas pesquisas, absolutamente convencido da comunicabilidade dos Espíritos, ele publicou a obra Spiritualism em dois volumes — vo. I em 1853 e vol. II em 1855 — com a coautoria do Dr. George T. Dexter. Atestando a veracidade daqueles fenômenos, Edmonds vai dizer sobre o advento das modernas manifestações dos Espíritos:

“Assim vem, com seus Nicodemos, em particular e à noite, perguntando como podem ser essas coisas; talvez, também, com seus Pedros para negar, e seus Judas para traí-lo, mas no meio de tudo, dando uma paz que o mundo não pode tirar.”
Spiritualism – vol. I, John. W. Edmonds e Dr. George T. Dexter – ‘Introdução’


O nome mais ilustra na França em seu tempo, Victor Hugo (1802-1885) — escritor romancista, poeta, dramaturgo e ensaista, além de político — foi um ativo e declarado experimentador da comunicação mediúnica através das sessões de Mesas Girantes. Também seguiram seu exemplo os conterrâneos: Gérard de Nerval (1808-1855), outro dos maiores autores da literatura francesa; o astrônomo Camille Flammarion (1842-1925) e o prêmio Nobel de medicina Charles Richet (1850-1935).

Nas terras britânicas, especialmente três autoridades científicas marcantes do século XIX, igualmente convencidos das potências espirituais, contribuíram para que os efeitos das Mesas Girantes fossem observados com seriedade pelas academias de ciências: o químico-físico Sir William Crookes (1832-1919), o físico e escritor Oliver Lodge (1851-1940) e o biólogo, naturalista e antropólogo Alfred Russel Wallace (1823-1913).

Na Itália se destacaram: Ernesto Bozzano (1862-1943), professor de Filosofia na Universidade de Turim, e o médico e perito criminologista Cesare Lombroso (1836-1909).

O envolvimento de tantas celebridades resultou que o fenômeno das Mesas Girantes tivesse uma grande repercussão, como demonstrado a seguir.


Repercussão da moda das Mesas Girantes

A febre das Mesas Girantes despertou um interesse generalizado nos assuntos relacionados com a espiritualidade, religiosidade e ocultismo, uma vez que as investigações à base dos métodos científicos sobre a origem e a causa dos fenômenos não solucionaram todas as ocorrências — embora não fosse necessário nada muito sofisticado para pegar em flagrantes as muitas trapaças de falsos médiuns e ilusionistas que se aproveitaram da onda para vender espetáculos.


Charlatanismo, ilusionismo e seus e truques para simular fenômenos espirituais


O charlatanismo e o embuste, aliás, foram dois grandes obstáculos para que a Revelação Espírita pudesse se estabelecer desde os seus primórdios. Adicione-se a isso o preconceito dos céticos e dos materialistas sistemáticos.

Num primeiro momento, alguns pesquisadores cogitaram a hipótese de descoberta de uma força física extraordinária baseada nos fenômenos típicos do Magnetismo; entretanto, as evidências mais plausíveis apontavam para a interferência de Espíritos, implicando assim em graves consequências filosóficas, a começar pela ideia de imortalidade da alma e existência do mundo espiritual.

Quanto às autoridades religiosas, na impossibilidade de manter a negação dos fenômenos e a recusa em aceitar a nova doutrina — basicamente motivada pela intenção de sustentação dos seus velhos dogmas —, sobrou-lhes a alternativa de condenar as manifestações por efeito de atribuir a origem delas aos demônios, conquanto muitos clérigos tenham se inclinado a reconhecer aquela nova revelação.

Os apelos do público em geral por uma explicação oficial das academias de ciências forçaram a criação de diversos círculos de pesquisa, dentre os quais a célebre Sociedade de Pesquisas Psíquicas (Society for Psychical Research ) de Londres. Desde então muitos médiuns foram submetidos a meticulosas sessões controladas pelos pesquisadores e, ainda que muitas experimentações não fossem bem-sucedidas, outras tantas foram documentadas com o resultado sinalizando a impossibilidade de se explicar os fenômenos pelas leis naturais conhecidas, portanto, jamais refutando a contento a teoria espiritualista. A propósito, dos estudos acerca do espetáculo das Mesas Girantes se verificaram inúmeros outras espécies de fenômenos, mediante uma variedade de faculdades mediúnicas, dentre as quais a de materialização de formas espirituais a partir de uma substância gasosa — então denominada de ectoplasma —, expelida por determinados médiuns e que, em se condensado, tornam-se palpáveis.

Pela diversidade de manifestações espirituais e o gradual desuso das mesas ou outros móveis para as sessões de evocação de Espíritos, a designação Mesas Girantes passou a ser inadequada para se referir ao movimento em geral; daí, primeiramente usou o título Espiritualismo Moderno; depois, com o sucesso da obra kardecista, os termos Espiritismo e espírita (ou espiritista) tenham ficado mais popularizados para fazer referência a toda e qualquer prática medianímica — não obstante, a justeza das ideias doutrinárias sugira que estes vocábulos devam ser aplicados de forma restrita ao que concerne à codificação kardequiana, reservando para as práticas generalizadas as palavras “espiritualismo” e “espiritual”.

Ver: Espiritualismo Moderno.


O advento da Doutrina Espírita

De fato, a consequência mais profícua daquela fenomenologia neoespiritualista foi a codificação do Espiritismo, por Allan Kardec, que particularmente descreveu sua iniciação na apreciação das manifestações dos Espíritos através das sessões às quais frequentou em maio de 1855:

“Foi aí que pela primeira vez presenciei o fenômeno das mesas que giravam, saltavam e corriam em condições tais que não deixavam lugar para qualquer dúvida. [...] Minhas ideias estavam longe de se acertar, mas havia ali um fato que necessariamente decorria de uma causa. Eu entrevia naquelas aparentes futilidades, no passatempo que faziam daqueles fenômenos, qualquer coisa de sério, como que a revelação de uma nova lei, que prometi a mim mesmo estudar a fundo.”
Obras Póstumas, Allan Kardec – ‘A minha primeira iniciação ao Espiritismo’



Allan Kardec


Com efeito, a obra kardequiana compreendeu bem as consequências das manifestações espirituais advindas inicialmente através da fenomenologia das Mesas Girantes, extraindo daí a mais sublime versão doutrinária da nova revelação, como assinala o artigo da Revista Espírita que homenageia o codificador do Espiritismo, logo após sua desencarnação:

“Durante os primeiros anos em que se tratou de fenômenos espíritas, estes constituíram antes objeto de curiosidade, do que de meditações sérias. O Livro dos Espíritos fez com que o assunto fosse considerado sob aspecto muito diverso. Abandonaram-se as mesas girantes, que tinham sido apenas um prelúdio, e começou-se a atentar na doutrina, que abrange todas as questões de interesse para a humanidade.”
Revista Espírita - maio, 1869: ‘Biografia de Allan Kardec’


Sobre o papel das Mesas Girantes como sendo um agente revolucionário e precursor de uma nova revelação (a Revelação Espírita) também foi defendido por Arthur Conan Doyle — médico e escritor, celebrizado por ser o criador do famoso personagem detetive Sherlock Holmes — que se tornou um grande expoente da propaganda espiritualista; para o nobre cavaleiro britânico, o surto de mediunidade do século XIX nada teve de imprevisto ou acidental, mas obedeceu a uma programação da espiritualidade, que providenciou assim uma verdadeira invasão espiritual:

“[...] não há época na história do mundo em que não encontramos traços de interferências preternaturais e o seu posterior reconhecimento pela humanidade. A única diferença entre esses episódios e o movimento moderno é que aqueles podem ser apresentados como casos esporádicos de extraviados de uma esfera qualquer, enquanto os últimos têm as proporções de uma invasão organizada.”
A História do Espiritualismo, Arthur Conan Doyle – cap. I


Metodologia das Mesas Girantes

De maneira comum, as sessões típicas de Mesas Girantes do século XIX se davam da seguinte maneira:

  • Os participantes circundavam a mesa, daí a praticidade deste tipo de móvel, e preferencialmente na forma arredondada (como era a moda nos salões de época) favorecendo com que cada pessoa ficasse mais ou menos de frente das demais;
  • Geralmente as pessoas se davam as mãos, no intuito de formar uma espécie de corrente energética, mantendo-as um pouco acima do móvel; porém, em outras reuniões o recomendado não era esse entrelaçamento, mas sim cada indivíduo deixar suas mãos (ou somente as pontas dos dedos) sobre a mesa, a fim de “transmitir” o magnetismo pessoal para a mesa;
  • Quando o número de participantes excedia o limite de espaço em frente à mesa, uma nova corrente era formada por trás da primeira corrente;
  • Em certos casos, por uma razão qualquer, sugeria-se a alternância de gênero entre os membros que formavam a corrente;
  • Enquanto alguns círculos recomendavam a evocação específica de conhecidas entidades, outros se permitiam deixar em aberto para que qualquer Espírito viesse espontaneamente;
  • Nas reuniões mais sérias, a sessão era iniciada e finalizada com preces;
  • A metodologia de comunicação mais simples contava com os Espíritos respondendo às perguntas com uma pancada para confirmar a pergunta ou duas pancadas para a resposta negativa; quando se pedia um numeral exato (por exemplo, a idade do falecimento do Espírito) esperava-se a resposta a concordante quantidade de batidas da mesa; para o ditado de uma palavra, convencionava-se uma tabela com um número certo de pancadas para cada letra (a = 1 batida, b = 2 batidas, c = 3 batidas...) e assim por diante.

Sessão de Mesas Girantes com a médium Linda Gazzera


Esse método rudimentar, moroso e limitado, mais tarde cedeu lugar a outras formas mais práticas de manifestação dos Espíritos. Sucedeu-lhe a escrita indireta, através de um lápis preso a uma cesta ou prancheta; depois, veio a psicografia direta, em que o próprio médium segura o lápis e escreve por influência espiritual. Fora estas maneiras, os comunicantes desencarnados também dispõem de gêneros mediúnicos ainda mais práticos, como a psicofonia (incorporação), em que falam utilizando-se da própria voz do médium.


Poltergeist

Fora as sessões clássicas de Mesas Girantes, em que as pessoas se reúnem propositadamente para evocar Espíritos à espera dos fenômenos mediúnicos, há que registrar os eventos espontâneos, quando os Espíritos produzem efeitos físicos (dentre os quais, movimento de mesas) não esperados — inclusive indesejados e a contragosto dos espectadores, por exemplo nos casos de obsessão. Para estes casos, culturalmente também se tem usado o termo poltergeist, originário do idioma alemão: poltern = fazer barulho + geist = espírito, fantasma.

Ver: Obsessão.


Menção honrosa

Pelo fato de o espetáculo das Mesas Girantes representar o princípio histórico da Doutrina Espírita, muitos adversários de Kardec o ridicularizaram justamente pela dita banalidade daqueles eventos. Em resposta, o pioneiro espírita lembra outras tantas e importantes descobertas e invenções práticas que tiveram sua origem em circunstâncias menos comuns ou nobres do que as danças dos móveis. Kardec citou, por exemplo, o caso do médico e físico italiano Luigi Galvani (1737-1798), que desenvolveu o estudo que resultou na descoberta do fluido elétrico conduzido aos músculos através dos nervos, e que mais tarde resultaria também na invenção da pilha elétrica por Alessandro Volta, a partir de um experimento com rãs, fazendo aqui um paralelo entre dois eventos históricos aparentemente grotescos e os importantes resultados deles extraídos:

“Ora, os homens importantes às vezes são tão infantis que nada teria aí de impossível que certos espíritos de elite tivessem considerado vergonhoso se ocupar com o que se convencionara chamar a dança das mesas. É mesmo provável que se o fenômeno observado por Galvani tivesse sido por homens vulgares e ficasse caracterizado por um nome burlesco, ainda estaria relegado ao lado da varinha mágica. De fato, qual é o sábio que não teria pensado derrogar em se ocupar com a dança das rãs?”
O Livro dos Espíritos, Allan Kardec – ‘Introdução’, item III


Sobre a transição das Mesas Girantes para outras faculdades mediúnicas, Allan Kardec destacou:

“Durante algum tempo esse fenômeno divertiu a curiosidade dos salões. Depois, aborreceram-se dele e passaram a cultivar outras distrações, pois apenas o consideravam como simples diversão. Duas causas contribuíram para que pusessem de lado as mesas girantes. Em relação aos frívolos, a causa foi a moda, que não lhe permite conservar por dois invernos seguidos o mesmo divertimento, mas que, no entanto, consentiu que em três ou quatro predominasse o de que tratamos — coisa que a tal gente deve ter parecido extraordinária. Quanto às pessoas criteriosas e observadoras, o que as fez desprezar as mesas girantes foi que, tendo visto nascer delas algo de sério, destinado a prevalecer, passaram a ocupar-se com as consequências a que o fenômeno dava lugar, bem mais importantes em seus resultados. Deixaram o alfabeto pela ciência, tal o segredo desse aparente abandono com que tanto ruído fazem os brincalhões.”
O Livro dos Médiuns, Allan Kardec – cap. II, item 60


Ainda assim, fazendo uma menção honrosa ao movimento precursor do Espiritismo, o codificador espírita não deixou de reconhecer a importância histórica desse instrumento:

“Seja como for, as mesas girantes representarão sempre o ponto de partida da Doutrina Espírita e, por essa razão, devemos algumas explicações sobre elas, tanto mais que, mostrando os fenômenos na sua maior simplicidade, o estudo das causas que os produzem ficará facilitado e, uma vez firmada, a teoria nos fornecerá a chave para a decifração dos efeitos mais complexos.”
Idem


Veja também


Referências

  • Obras Póstumas, Allan Kardec - Ebook.
  • História do Espiritualismo, Arthur Conan Doyle - Ebook.
  • Revista Espírita - coleção 1869, Allan Kardec - Ebook.
  • Spiritualism - Vol. I, John. W. Edmonds e Dr. George T. Dexter - Ebook.
  • O Livro dos Médiuns, Allan Kardec - Ebook.
  • O Livro dos Espíritos, Allan Kardec - Ebook.
  • Verbete “Mesas girantes” na Wikipédia.


Tem alguma sugestão para correção ou melhoria deste verbete? Favor encaminhar para Atendimento.


Índice de verbetes
A Gênese
A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo
Abreu, Canuto
Adolphe Laurent de Faget
Agênere
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie Gabrielle Boudet
Anastasio García López
Andrew Jackson Davis
Anna Blackwell
Arigó, Zé
Arthur Conan Doyle
Auto de Fé de Barcelona
Auto-obsessão.
Banner of Light
Baudin, Irmãs
Bem
Berthe Fropo
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Carma
Caroline Baudin
Célina Japhet
Cepa Espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chevreuil, Léon
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Comunicabilidade Espiritual
Conan Doyle, Arthur
Consolador
Crookes, William
Daniel Dunglas Home
Davis, Andrew Jackson
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Didier, Pierre-Paul
Divaldo Pereira Franco
Dogma
Dogmatismo
Doutrina Espírita
Doyle, Arthur Conan
Ectoplasma
Ectoplasmia
Ecumenismo
Editora Dentu
Édouard Dentu
Epífise
Errante
Erraticidade
Errático
Escala Espírita
Escrita Direta
Espiritismo
Espiritismo à Francesa: a derrocada do movimento espírita francês pós-Kardec
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Errante
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Expiação
Faget, Laurent de
Fascinação
Fora da Caridade não há salvação
Fox, Irmãs
Francisco Cândido Xavier
Franco, Divaldo Pereira
Fropo, Berthe
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Henri Sausse
Herculano Pires, José
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Home, Daniel Dunglas
Humberto de Campos
Imortalidade da Alma
Inquisição
Irmão X
Irmãs Baudin
Irmãs Fox
Jackson Davis, Andrew
Japhet, Célina
Jean Meyer
Jean-Baptiste Roustaing
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Arigó
José Herculano Pires
José Pedro de Freitas (Zé Arigó)
Julie Baudin
Kardec, Allan
Kardecismo
Kardecista
Karma
Lachâtre, Maurice
Lamennais
Laurent de Faget
Léon Chevreuil
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Leymarie, Pierre-Gaëtan
Linda Gazzera
Livraria Dentu
London Dialectical Society
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachâtre
Médium
Mediunidade
Mesas Girantes
Metempsicose
Meyer, Jean
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
Obras Básicas do Espiritismo
Obsediado
Obsessão
Obsessor
Oração
Palais-Royal
Panteísmo
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pélagie Baudin
Percepção extrassensorial
Pereira, Yvonne A.
Pestalozzi
Pierre-Gaëtan Leymarie
Pierre-Paul Didier
Pineal
Pires, José Herculano
Pneumatografia
Prece
Pressentimento
Projeto Allan Kardec
Quiromancia
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hypolite-Léon Denizard
Roustaing, Jean-Baptiste
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Sausse, Henri
Schutel, Cairbar
Sentido Espiritual
Sexto Sentido
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Dialética de Londres
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
SPEE
Subjugação
Superstição
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Trindade Universal
Ubiquidade
UEF
União Espírita Francesa
Vampirismo
Verdade, Espírito
Videira Espírita
William Crookes
X, Irmão
Xavier, Chico
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zé Arigó
Zilda Gama

© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo