Compartilhe esta página pelo Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook

Índice de verbetes


Escala Espírita



Escala Espírita é um quadro resumido das diferentes ordens de Espíritos de acordo com o grau de evolução dos indivíduos; foi elaborada por Allan Kardec, seguindo as orientações dos Espíritos mentores da codificação do Espiritismo, sendo originalmente publicada na primeira edição de O Livro dos Espíritos (1857) e depois, numa versão ampliada, na Revista Espírita de fevereiro de 1858, replicada com alguns ajustes em outras obras e finalmente estabelecida na grande atualização de O Livro dos Espíritos a partir da sua segunda edição (1860). Essa tabela ilustra os principais estágios do progresso intelectual e moral dos Espíritos, separando-os em três ordens primordiais: Espíritos Imperfeitos (3ª ordem), Bons Espíritos (2ª ordem) e Espíritos Puros (1ª ordem); com exceção desta última, cada ordem têm suas subdivisões e admitem infinitas nuances que distinguem as mais variadas condições que podem caracterizar o nível dos encarnados e desencarnados em um determinado ponto de sua jornada evolutiva, posto que, como o progresso é uma lei inexorável, a posição de cada indivíduo não é absoluta — salvo a da primeira ordem, que figura a posição daqueles que já alcançaram a perfeição. O objetivo dessa escala é apresentar didaticamente o curso evolutivo dos Espíritos e estimular cada qual a promover o seu próprio aperfeiçoamento espiritual.



Contexto doutrinário

A Escala Espírita parte da necessidade de evidenciar as diferentes ordens de Espíritos, diante do curso evolutivo ao qual todos são submetidos a fim de alcançar a perfeição intelectual e moral; disso resulta que os indivíduos não sejam iguais, nem em sabedoria nem em caráter moral: “Eles são de diferentes ordens, conforme o grau de perfeição ao qual eles tenham alcançado.” (O Livro dos Espíritos, Allan Kardec - questão 96).

Todos os Espíritos, portanto, são criados por Deus e partem de um mesmo estágio de simplicidade (inocência e ignorância de conhecimentos), mas igualmente providos de todas as potencialidades para alcançar a perfeição espiritual, à qual todos estão fatalmente destinados e que se realiza mais ou menos rapidamente conforme os esforços que cada um emprega para promover suas potencialidades. No decorrer desse curso evolutivo, então, os Espíritos podem ocupar as mais diversas posições e galgar — sempre progressivamente (porque não há retrogradação espiritual) — novos níveis, até que tenham chegado ao estágio máximo: o de Espírito puro (1ª classe).

Dentro da infinita variedade das posições dos Espíritos em seu curso evolutivo, podemos imaginar facilmente essa graduação progressiva:

“Podemos colocar na primeira classe os que alcançaram a perfeição: os puros Espíritos. Os da segunda ordem são aqueles que chegaram no meio da escala: o desejo do bem é a preocupação deles. Os do último grau são aqueles que ainda se encontram na parte inferior da escala: os Espíritos imperfeitos. Eles são caracterizados pela ignorância, o desejo do mal e todas as paixões más que lhes retardam o seu adiantamento.”
O Livro dos Espíritos, Allan Kardec - questão 97


A evidenciação dos diversos estágios espirituais atende também ao apelo que a obra kardequiana faz sobre a necessidade de se examinar com todo o cuidado possível a qualidade das mensagens mediúnicas:

“Da diversidade de qualidades e aptidões dos Espíritos, resulta que não basta nos dirigirmos a um Espírito qualquer para obtermos uma resposta segura a qualquer questão; porque, acerca de muitas coisas, ele não nos pode dar mais do que a sua opinião pessoal, a qual pode ser justa ou errônea. Se ele for prudente, não deixará de confessar sua ignorância sobre o que não conhece; se for frívolo ou mentiroso, responderá de qualquer forma, sem se importar com a verdade; se é orgulhoso, apresentará suas ideias como verdades absolutas.”
O que é o Espiritismo, Allan Kardec - Cap. II


A partir disso, a elaboração desse quadro ilustrativo veio satisfazer igualmente ao desejo dos Espíritos devotados em colaborar com a Revelação Espírita; diz Allan Kardec que foram estes missionários invisíveis quem traçaram as características principais que serviram para especificar as diversas classes que compõem essa escala:

“De todos os princípios fundamentais da doutrina espírita, um dos mais importantes é incontestavelmente aquele que estabelece as diferentes ordens de Espíritos. [...] Logo mais, a experiência demonstrou que o mundo invisível está longe de encerrar apenas Espíritos superiores: eles próprios nos informam que não são iguais nem em saber nem em moralidade, e que sua elevação depende do grau de perfeição a que tenham atingido. Eles traçaram as características distintivas desses diversos graus que constituem o que denominamos a Escala Espírita. Desde logo a diversidade e as contradições de sua linguagem foram explicadas e se compreendeu que, entre os Espíritos, como entre os homens, para saber uma coisa, não devemos nos dirigir ao primeiro que aparecer.”
Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, Allan Kardec - Cap. I


A tabela com as variadas ordens e classes dos Espíritos serve, portanto, para que, dentre outras coisas, cada pessoa possa compreender a linha progressiva que parte do estágio espiritual inicial até o seu estágio final, quando então ela terá alcançado a perfeição e não mais estará sujeita às suscetibilidades das imperfeições; cada qual poderá então reconhecer sua posição atual e, inspirando-se nas graduações superiores, animar-se para promover ainda mais a sua evolução:

“Com o auxílio desse quadro, fácil será determinar-se a ordem, assim como o grau de superioridade ou de inferioridade dos que podem entrar em relação conosco e, por conseguinte, o grau de confiança ou de estima que merecem. Além disso, interessa-nos pessoalmente porque, por nossa alma, como pertencemos ao mundo espírita no qual reentraremos ao deixar nosso invólucro mortal, ele nos mostra o que nos resta fazer para chegarmos à perfeição e ao bem supremo.”
Revista Espírita - fevereiro de 1858: ‘Diferentes ordens de Espíritos’


Dentro desse processo de progressão, a Lei de Reencarnação é fundamental: é se submetendo às mais diversas situações das vivências carnais que os Espíritos adquirem conhecimento, põem à prova suas virtudes morais, sofrem as expiações e cumprem missões que lhes elevam na hierarquia espiritual, tudo isso fazendo parte da admirável harmonia do plano de Deus para o equilíbrio da criação.


Primeiras versões

Na obra que inaugurou a codificação do Espiritismo, O Livro dos Espíritos publicado em 1857, a ideia foi apresentada no item “Diferentes ordens de Espíritos”, Livro Primeiro, capítulo IV, entre as questões 54 e 57. Apresentou-se então o conceito de que os Espíritos não são todos iguais, no sentido de que eles ocupam os mais diversos graus evolutivos, e que uma infinidade desses graus, embora se pudesse dizer que há três ordens principais: 1ª) Espíritos puros, aqueles que já chegaram à perfeição; 2ª) aqueles que estão no meio da escalada evolutiva, já inspirados pelo desejo do bem, mas ainda carentes de elevação; e 3ª) aqueles que estão no começo da sua jornada, caracterizados pela ignorância e más paixões.

A tabela adiante resume a ideia original da Escala Espírita:


ESCALA ESPÍRITA
1ª edição de O Livro dos Espíritos (1857)
1ª ordem: Espíritos puros:
Aqueles que chegaram à perfeição, que não precisam mais se submeter a provações, e que estão por toda a eternidade na glória de Deus; são como aqueles a quem normalmente se denomina de anjos, arcanjos ou serafins.
2ª ordem:
Espíritos que chegaram ao meio da escala, cuja preocupação é o desejo de fazer o bem, mas a quem ainda falta a soberana ciência e ainda precisam passar por provações para se elevarem à primeira ordem. São mais ou menos bons conforme mais se aproximem aos Espíritos puros e mais ou menos imperfeitos conforme se aproximem mais aos Espíritos da terceira ordem.
3ª ordem: Espíritos imperfeitos
Aqueles que estão no começo da sua jornada evolutiva, caracterizados pela ignorância, orgulho, egoísmo e todas as outras más paixões, que retardam seu progresso.
Dividem-se em três classes, conforme as linhas à direita:
1ª classe: Espíritos neutros: nem tão bons para fazer o bem e nem tão maus para fazer o mal;
2ª classe: Espíritos neutros: nem tão bons para fazer o bem e nem tão maus para fazer o mal;
3ª classe: Espíritos tolos, levianos, maliciosos, inconsequentes, mais gaiatos do que malvados, que se intrometem em tudo, divertem-se com brincadeiras de malgasto, induzindo outros ao erro e a mistificações.

Em ano seguinte à primeira publicação, a Escala Espírita aparece em destaque na Revista Espírita, então ampliada e devidamente apresentada. Sobre como foi feita sua composição, Kardec acentua que “Qualquer classificação exige método, análise e conhecimento aprofundado do assunto”; daí, ele completará explicando que as divisões de classes não têm nada de absoluta:

“Todavia, observaremos que os Espíritos não pertencem exclusivamente sempre a essa ou aquela classe; o progresso deles não se realiza senão gradualmente, e muitas vezes mais num sentido do que em outro eles podem reunir as características de várias categorias — o que é fácil de se observar pela sua linguagem e seus atos.”
Revista Espírita - fev. de 1858: ‘Diferentes ordens de Espíritos’


Permaneceu a divisão de três ordens principais de Espíritos, mas com novas classes na subdivisão da terceira (4 classes) e da segunda ordem (4 classes); a primeira ordem continuou contendo uma única classe. É interessante anotar também que nesta versão a disposição das ordens aparece com a numeração decrescente: da terceira para a primeira ordem, seguindo o padrão do curso evolutivo, do estágio espiritual inicial até a perfeição.

Tabela simplificada da segunda versão da Escala Espírita:


ESCALA ESPÍRITA
Revista Espírita, fev. de 1858
3ª ordem:
Espíritos imperfeitos
9ª classe: Espíritos impuros
8ª classe: Espíritos levianos
7ª classe: Espíritos pseudossábios
6ª classe: Espíritos neutros
2ª ordem:
Espíritos bons
5ª classe: Espíritos benévolos
4ª classe: Espíritos de ciência
3ª classe: Espíritos de sabedoria
2ª classe: Espíritos superiores
1ª ordem:
Espíritos puros
1ª classe única (classe única)

O mesmo quadro da escala espírita atualizada foi reproduzido logo no primeiro capítulo do opúsculo Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, também datado do mesmo ano de 1858; nesta publicação, ao apresentar a tabela, Allan Kardec justifica a inversão das ordens adotada nessa nova versão:

“Começamos a escala pelas ordens inferiores porque assim é o ponto de partida dos Espíritos, que se elevam gradualmente das últimas classes para as primeiras.”
Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, Allan Kardec – Cap. I


A excelente aceitação do pública ao opúsculo Instrução Prática fez com que o autor, ao invés de republicar uma segunda edição, se dedicasse a trabalhar numa obra mais robusta a respeito do tema central daquela publicação, que era estudar em detalhes as manifestações espirituais, seus objetivos e consequências, bem como orientar os interessados em praticar a mediunidade; assim foi que surgiu O Livro dos Médiuns, o “Guia dos médiuns e evocadores”, originalmente publicado em janeiro de 1861, também contendo um capítulo exclusivo para a Escala Espírita (1ª Parte, Cap. VI), neste caso já replicando a versão final que já havia sido publicada, no ano anterior, na 2ª versão de O Livro dos Espíritos. Sobre esta repetição, o autor colocou uma nota de rodapé correspondente ao título referido capítulo, informando: “Embora este capítulo se encontre no Livro dos Espíritos, acreditamos dever reproduzi-lo aqui, porque ele é útil de se ter sob os olhos nas manifestações.” Entretanto, a partir da segunda edição — que, aliás, foi sensivelmente reformulada — este capítulo foi suprimido, por razões justificáveis, como Kardec anotou na ‘Introdução’:

“Como lhe acrescentamos bastante coisas, e vários capítulos inteiros, suprimimos alguns artigos que teriam dupla aplicação, dentre os quais a Escala espírita, que já se encontra em O Livro dos Espíritos.”
O Livro dos Médiuns, Allan Kardec - ‘Introdução’


Versão definitiva

Como sabemos, o quadro final da Escala Espírita foi estabelecido na edição revisada de O Livro dos Espíritos>, em 1860, apresentada como um dos tópicos dentro do 1° capítulo do Livro Segundo, logo após — e como complemento — do tópico ‘Diferentes ordens dos Espíritos’, cujo quadro é precedido por uma introdução, denominada “Observações preliminares”, de onde recortamos o trecho seguinte:

“Com o auxílio desse quadro, será fácil determinar a faixa e o grau de superioridade ou de inferioridade dos Espíritos com os quais podemos entrar em contato e, por conseguinte, o grau de confiança e de estima que mereçam. De certo modo, essa é a chave da ciência espírita, pois só isso pode explicar as anomalias que as comunicações apresentam, esclarecendo-nos acerca das desigualdades intelectuais e morais dos Espíritos.”
O Livro dos Espíritos, Allan Kardec – questão 100


Continuou a divisão principal em três ordens, mas foi acrescentada uma classe ao grupo da terceira ordem, além de pequenos ajustes serem feitos na sequência e na descrição das características dos Espíritos pertencentes às respectivas subdivisões de classes.

A tabela a seguir traz as divisões do quadro definitivo da Escala Espírita, contendo uma breve descrição das determinadas posições:


ESCALA ESPÍRITA
(Versão definitiva)
A partir da 2ª edição de O Livro dos Espíritos (1860)
Terceira Ordem:
ESPÍRITOS IMPERFEITOS

Caracteristicas gerais:
Predominância da matéria sobre o Espírito, propensão ao mal, ignorância, orgulho, egoísmo e todas as más paixões. Eles têm a intuição de Deus, mas não o compreendem. Não são todos essencialmente maus, mas são inferiores já por não fazerem o bem, enquanto outros se satisfazem fazendo maldades e usam sua inteligência para tais fins. Como conhecem pouco ou nada dos valores espirituais, muitos creem que são maus por natureza e serão assim para sempre e por isso se entregam mais ainda ao mal. Esta ordem é subdividida em 5 classes:
10ª classe: ESPÍRITOS IMPUROS - Só se preocupam em fazer mal: dão conselhos traiçoeiros, sopram a discórdia e a desconfiança, e se mascaram de todas as maneiras para melhor enganar; enquanto encarnados, são propensos a todos os vícios e paixões degradantes (sensualidade, crueldade, falsidade, hipocrisia, ganância, avareza desprezível) e representam um flagelo para a humanidade
9ª classe: ESPÍRITOS LEVIANOS - são ignorantes, maliciosos, inconsequentes, gaiatos e intrometidos, que não se importam com a verdade. Em suas comunicações com os homens, a linguagem deles é muitas vezes espirituosa e jocosa, mas quase sempre sem profundidade.
8ª classe: ESPÍRITOS PSEUDOSSÁBIOS - Aqueles com conhecimentos bastante amplos, mas que creem saber mais do que realmente sabem. Tendo realizado alguns progressos sob diversos pontos de vista, a linguagem deles aparenta um caráter sério que pode iludir quanto às suas capacidades, numa mistura de algumas verdades com os erros mais absurdos, no meio dos quais penetram a presunção, o orgulho, o ciúme e a obstinação de que ainda não puderam se livrar.
7ª classe: ESPÍRITOS NEUTROS - Nem tão bons para fazerem o bem, nem tão maus para fazerem o mal, pendendo tanto para um como para o outro e não ultrapassando a condição comum da humanidade em moral e em inteligência. Ainda estão apegados às coisas deste mundo.
6ª classe: ESPÍRITOS BATEDORES E PERTURBADORES - Estes não formam uma classe separada, mas podem pertencer a todas aquelas da terceira ordem. Caracterizam-se especialmente por se manifestarem provocando efeitos físicos (pancadas, movimento e deslocamento anormal de objetos, agitação do ar etc.). Mais do que outros, eles parecem apegados à matéria.
Segunda Ordem:
ESPÍRITOS BONS

Caracteristicas gerais:
Predominância do espírito sobre a matéria e desejo do bem, sendo que uns têm a ciência, outros têm sabedoria e bondade, enquanto os mais avançados reúnem o saber às qualidades morais. Não estão completamente desmaterializados, por isso ainda conservam mais ou menos os traços da existência corporal, na forma da linguagem e nos hábitos. Eles compreendem Deus e já gozam da felicidade dos bons. São felizes pelo bem que fazem e pelo mal que impedem. O amor que os une é fonte de grande felicidade, sem inveja nem remorsos, nem por nenhuma das más paixões que são o tormento dos Espíritos imperfeitos. Mas todos ainda têm que passar por provas, até que atinjam a perfeição absoluta. Sempre inspiram bons pensamentos, protegem os que se mostram dignos dessa proteção e afastam os Espíritos maus. Não têm orgulho, nem egoísmo, nem ambição; nem ódio, e fazem o bem pelo bem. Pelas crenças comuns eles são chamados de bons gênios, anjos protetores e Espíritos do bem. Em épocas remotas eles eram tomados como divindades benfeitoras.
5ª classe: ESPÍRITOS BENEVOLENTES - aqueles cuja qualidade dominante é a bondade; eles se alegram em prestar serviço aos homens e lhes proteger, porém seu saber é limitado: seu progresso é mais desenvolvido no sentido moral do que no sentido intelectual.
4ª classe: ESPÍRITOS INSTRUÍDOS - Espíritos distintos pela amplitude de seus conhecimentos. Preocupam-se menos com as questões morais do que com as questões científicas, para as quais eles têm maior aptidão; entretanto, só encaram a ciência do ponto de vista da sua utilidade e jamais dominados por quaisquer paixões que são próprias dos Espíritos imperfeitos.
3ª classe: ESPÍRITOS SÁBIOS - São caracterizados pelas qualidades morais da ordem mais elevada. Sem possuírem conhecimentos ilimitados, eles são dotados de uma capacidade intelectual que lhes permite um julgamento correto a respeito dos homens e das coisas.
2ª classe: ESPÍRITOS SUPERIORES - Os que reúnem ciência, sabedoria e bondade, de linguagem benevolente e constantemente elevada, por vezes até sublime, por isso, estão mais aptos a nos dar noções mais justas sobre as coisas do mundo incorpóreo, dentro dos limites do que é permitido ao homem saber. Comunicam-se voluntariamente com aqueles que procuram a verdade de boa-fé e se afastam daqueles que são animados apenas pela curiosidade ou que, por influência da matéria, transviam-se da prática do bem. Quando excepcionalmente se encarnam na Terra, é para nela cumprir uma missão de progresso e então nos oferecem o tipo da perfeição a qual a humanidade pode aspirar neste mundo.
Primeira Ordem:
ESPÍRITOS PUROS

Caracteristicas gerais:
Nenhuma influência da matéria. Absoluta superioridade intelectual e moral em relação aos Espíritos das outras ordens. Estão todos reunidos numa única classe.
1ª classe única (classe única): ESPÍRITOS PUROS - Os que já percorreram todos os graus da escala e se depuraram de todas as impurezas da matéria. Tendo alcançado a soma de perfeição de que a criatura é capaz, estes não têm mais que sofrer nem provas nem expiações. Não estando mais sujeitos à reencarnação em corpos perecíveis, realizam a vida eterna no seio de Deus. Desfrutam de felicidade inalterável, mas essa felicidade não é aquela de uma ociosidade monótona passada em uma perpétua contemplação: eles são os mensageiros e os ministros de Deus, cujas ordens eles executam para manutenção da harmonia universal. Comandam a todos os Espíritos que lhes são inferiores, ajudam-lhes a se aperfeiçoarem e lhes designam suas missões. Auxiliar os homens nas suas aflições, incentivá-los ao bem ou à expiação das faltas que os distanciam da suprema felicidade: eis para eles uma grata ocupação. São chamados às vezes pelos nomes de anjos, arcanjos ou serafins.

A imagem a seguir ilustra o esquema da linha progressiva do Espírito percorrendo as diversas classes da Escala Espírita rumo à perfeição espiritual:



Relevância do quadro

A relevância da Escala Espírita está explícita nos seus objetivos, aqui já citados. Allan Kardec também frisou a importância de os espíritas observarem com atenção essa tabela, bem como o quadro resumido das variedades de médiuns, conforme uma comunicação mediúnica assinada pelo Espírito de Sócrates:

“Este quadro é de uma grande importância [...] Ele deverá estar constantemente sob os olhos de todo aquele que se ocupa com as manifestações, do mesmo modo que a escala espírita, da qual ele é o complemento; esses dois quadros resumem todos os princípios da doutrina, e contribuirão — mais do que vocês imaginam — para reconduzir o espiritismo ao verdadeiro caminho.”
Sócrates, O Livro dos Médiuns - 2ª parte, cap. XVI, item 197


À vista disto, o codificador espírita vai ressaltar a utilidade prática desta tabela, reforçando assim a sua relevância:

“Com o auxílio desse quadro, será fácil determinar a faixa e o grau de superioridade ou de inferioridade dos Espíritos com os quais podemos entrar em contato e, por conseguinte, o grau de confiança e de estima que mereçam. De certo modo, essa é a chave da ciência espírita, pois só isso pode explicar as anomalias que as comunicações apresentam, esclarecendo-nos acerca das desigualdades intelectuais e morais dos Espíritos.”
O Livro dos Espíritos – questão 100


Veja também


Referências

  • O Livro dos Espíritos, Allan Kardec - Ebook.
  • O Livro dos Médiuns, Allan Kardec - Ebook.
  • Revista Espírita - coleção 1858, Allan Kardec - Ebook.
  • O que é o Espiritismo, Allan Kardec - Ebook.
  • Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, Allan Kardec.


Tem alguma sugestão para correção ou melhoria deste verbete? Favor encaminhar para Atendimento.


Índice de verbetes
A Gênese
A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo
Abreu, Canuto
Adolphe Laurent de Faget
Agênere
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie Gabrielle Boudet
Anália Franco
Anastasio García López
Andrew Jackson Davis
Anna Blackwell
Arigó, Zé
Arthur Conan Doyle
Auto de Fé de Barcelona
Auto-obsessão.
Banner of Light
Baudin, Irmãs
Bem
Berthe Fropo
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Carma
Caroline Baudin
Célina Japhet
Cepa Espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chevreuil, Léon
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Comunicabilidade Espiritual
Conan Doyle, Arthur
Consolador
Crookes, William
Daniel Dunglas Home
Davis, Andrew Jackson
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Didier, Pierre-Paul
Divaldo Pereira Franco
Dogma
Dogmatismo
Doutrina Espírita
Doyle, Arthur Conan
Dufaux, Ermance
Ectoplasma
Ectoplasmia
Ecumenismo
Editora Dentu
Édouard Dentu
Elementos Gerais do Universo
Emancipação da Alma
Epífise
Ermance Dufaux
Errante
Erraticidade
Errático
Escala Espírita
Escrita Direta
Espiritismo
Espiritismo à Francesa: a derrocada do movimento espírita francês pós-Kardec
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Errante
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Expiação
Faget, Laurent de
Fascinação
Fluido
Fora da Caridade não há salvação
Fox, Irmãs
Francisco Cândido Xavier
Franco, Anália
Franco, Divaldo Pereira
Fropo, Berthe
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Henri Sausse
Herculano Pires, José
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Home, Daniel Dunglas
Humberto de Campos
Imortalidade da Alma
Inquisição
Irmão X
Irmãs Baudin
Irmãs Fox
Jackson Davis, Andrew
Japhet, Célina
Jean Meyer
Jean-Baptiste Roustaing
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Arigó
José Herculano Pires
José Pedro de Freitas (Zé Arigó)
Julie Baudin
Kardec, Allan
Kardecismo
Kardecista
Karma
Lachâtre, Maurice
Lamennais
Laurent de Faget
Léon Chevreuil
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Leymarie, Pierre-Gaëtan
Linda Gazzera
Livraria Dentu
London Dialectical Society
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachâtre
Mediatriz
Médium
Mediunidade
Mesas Girantes
Metempsicose
Meyer, Jean
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
O Livro dos Médiuns
Obras Básicas do Espiritismo
Obsediado
Obsessão
Obsessor
Onipresença
Oração
Palais-Royal
Panteísmo
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pélagie Baudin
Percepção extrassensorial
Pereira, Yvonne A.
Perispírito
Pestalozzi
Pierre-Gaëtan Leymarie
Pierre-Paul Didier
Pineal
Pires, José Herculano
Pneumatografia
Possessão
Prece
Pressentimento
Projeto Allan Kardec
Quiromancia
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hypolite-Léon Denizard
Roustaing, Jean-Baptiste
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Sausse, Henri
Schutel, Cairbar
Sentido Espiritual
Sexto Sentido
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Dialética de Londres
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
SPEE
Subjugação
Superstição
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Trindade Universal
Ubiquidade
UEF
União Espírita Francesa
Vampirismo
Verdade, Espírito
Videira Espírita
William Crookes
X, Irmão
Xavier, Chico
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zé Arigó
Zilda Gama

© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo