Compartilhe esta página pelo Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook

Índice de verbetes


Emancipação da Alma



Emancipação da alma é um estado particular da vida humana durante o qual a alma (Espírito encarnado), liberta-se parcialmente de laços que o prendem ao corpo físico e recupera algumas de suas faculdades espirituais, podendo então participar de atividades do mundo espiritual e entrar mais facilmente em comunicação com os seres desencarnados (os Espíritos). Esse contato com a fonte espiritual representa uma espécie de “recreação da alma”, enquanto espera a libertação completa da labuta própria da existência física (reencarnação). Esse estado de desprendimento parcial se manifesta principalmente pelos fenômenos dos sonhos, da segunda vista, do sonambulismo natural ou magnético, e do êxtase. Na codificação do Espiritismo, a parte conceitual deste tema foi trabalhado mais especificamente no capítulo VIII da Livro Segundo da obra O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, e, como seu desenvolvimento prático, ao longo de todo o conteúdo de O Livro dos Médiuns, considerando assim que da emancipação da alma se desdobram os fenômenos mediúnicos e medianímicos (animismo). No meio espiritualista comum, esse estado também é chamado de desdobramento espiritual, fazendo alusão à vivencia que a consciência experimenta no duplo mundo: material e espiritual.



Recreio da alma

As diversas experiências carnais cumprem um papel essencial no processo evolutivo do Espírito, por isso a lei de reencarnação é uma imposição divina a todos os Espíritos em aperfeiçoamento. Porém, a estadia na vida física de alguma forma limita as capacidades espirituais e, quanto mais imperfeito for o ser, mais rudes tendem a ser as condições da vida carnal, de modo que o corpo humano lhe pareça uma prisão, da qual o Espírito almeja livrar-se o quanto antes:

O Espírito encarnado permanece de boa vontade no seu envoltório corporal?
“É como se perguntasse se o prisioneiro gosta da prisão. O Espírito encarnado aspira incessantemente por sua libertação, e quanto mais grosseiro for o envoltório, mais o Espírito deseja ficar livre deste.”
O Livro dos Espíritos, Allan Kardec – questão 400


Não obstante, o ser encarnado em certos momentos desfruta de um estado especial em que se desprende em parte da prisão carnal e então recobra algumas potencialidades de Espírito. Allan Kardec chamou esse estado especial de Emancipação da alma, cuja definição ele deu nos seguintes termos:

“Emancipação da alma: estado particular da vida humana durante o qual a alma, desprendendo-se parcialmente de seus laços materiais, recupera algumas de suas faculdades do Espírito e entre mais facilmente em comunicação com os seres incorpóreos.”
Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, Allan Kardec – ‘Vocabulário espírita’


Desse modo, a emancipação da alma consiste num recreio para o Espírito em meio à luta da vida física:

“(...) é a porta que Deus lhes abriu em direção aos seus amigos do céu; é a recreação depois do trabalho, enquanto esperam a grande libertação, a libertação final que deve devolvê-los ao verdadeiro ambiente deles.”
O Livro dos Espíritos - questão 402



Efeitos da emancipação da alma

Na condição de provisória liberdade, a alma pode ver e interagir com o mundo espiritual e com os Espíritos, por exemplo, fazendo uso da transmissão oculta do pensamento (telepatia). A alma emancipada também pode fazer excursões no próprio mundo onde está encarnado, bem como visitar e interagir com pessoas vivas também em estado de emancipação.

Sem a necessidade dos sentidos físicos, por assim dizer a alma emancipada vê “pelos olhos da alma” e escuta “pelos ouvidos da alma”, caracterizando assim o fenômeno da segunda vista (ou dupla vista):

“A emancipação da alma se manifesta algumas vezes no estado de vigília e produz o fenômeno conhecido como segunda vista, que dá àqueles que dela são dotados a faculdade de ver, de ouvir e de sentir além dos limites de nossos sentidos. Eles percebem coisas ausentes em toda parte para onde a alma estenda sua ação; eles as veem, por assim dizer, através da visão comum e por uma espécie de miragem.”
O Livro dos Espíritos - questão 455


Outros dois fenômenos também reconhecidos como efeitos da emancipação da alma são bicorporeidade e transfiguração: o primeiro diz respeito ao tipo de manifestação em que a consciência se torna-se visível em outra localidade, às vezes muito distante de onde está o corpo de sua encarnação; o segundo é caracterizado pela mudança de aspecto fisionômico do corpo no qual a alma encarnou.


Níveis de desprendimento

Ainda segundo a definição de emancipação da alma no Vocabulário Espírita contido no livro Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, tal estado de desdobramento “se manifesta principalmente pelos fenômenos dos sonhos, do sonilóquio, da dupla vista, do sonambulismo natural ou magnético, e do êxtase”. Os diversos tipos do estado emancipado estabelecem os variados níveis de liberdade que a alma experimenta, a saber:

  • Sono e sonho: enquanto o corpo fica adormecido, a alma usufrui de uma suspensão momentânea da vida comum; pelo entorpecimento dos sentidos, durante o qual ficam interrompidas as relações da alma com o mundo exterior através dos órgãos. Ao acordar, a lembrança que a alma conserva do que viu (em outros lugares e em outros mundos, ou nas suas existências passadas) constitui o sonho propriamente dito;
  • Letargia e catalepsia: ambas têm o mesmo princípio, que é a perda momentânea da sensibilidade e do movimento, por uma causa fisiológica ainda não explicada. Elas se diferem uma da outra pelo fato de que, na letargia, a suspensão das forças vitais é geral e dá ao corpo todas as aparências da morte, enquanto na catalepsia, a suspensão é localizada e pode afetar uma parte mais ou menos extensa do corpo, de modo a deixar a inteligência livre para se manifestar, o que não permite confundi-la com a morte. A letargia é sempre natural [tem origem em causa fisiológica]. A catalepsia, em certas ocasiões, é espontânea, mas pode ser provocada e desfeita artificialmente pela ação magnética (passe). Considerando-se que em ambas as condições há uma paralisia — total ou parcial —, a pessoa apresenta um quadro normalmente é chamado de “morte aparente”;
  • Sonambulismo: estado de emancipação da alma mais completo que o sonho, permitindo-lhe ver as coisas com mais precisão e nitidez, enquanto o corpo pode agir sob o impulso da vontade da alma. Tal fenômeno pode ocorrer espontaneamente (sonambulismo natural) ou provocado (sonambulismo artificial ou magnético);
  • Êxtase: intensificação da emancipação da alma durante a vida corporal, de que resulta a suspensão momentânea das faculdades perceptivas e sensitivas dos órgãos. Nesse estado, a alma não se prende mais ao corpo senão por laços frágeis, que ela procura romper; ela pertence mais ao mundo dos Espíritos que ela vislumbra do que ao mundo material. O êxtase algumas vezes é natural e espontâneo; também pode ser provocado pela ação magnética, e, nesse caso, consiste num grau superior de sonambulismo.

Quanto maior o nível de desprendimento alcançado pela alma, mais a sua emancipação lhe proporciona melhores manifestações espirituais.


Medianimidade e mediunidade

De maneira geral, o estado de emancipação da alma possibilita que o encarnado produza fenômenos espirituais dos quais ele próprio é o agente, a fonte das manifestações; por assim dizer, ele é o transmissor (médium) de si mesmo, ou seja, da sua alma. Nesse sentido é que o codificador espírita definiu o fenômeno medianímico, de medianimidade = médium da própria alma (animus ou änima, em latim). Portanto, em casos assim, a alma manifesta o que ela mesma viu. Na literatura espiritualista tais fenômenos são mais conhecidos pela denominação: animismo, fenômeno próprio da alma.

Noutra situação, a possibilidade de alcançar certa emancipação da alma permite ao encarnado entrar num transe mediúnico, que é um fenômeno caracterizado pela ação externa de um Espírito (um ser desencarnado) sobre um encarnado, que então lhe serve de médium, um intérprete da mensagem espiritual, ensejando assim o princípio natural da comunicabilidade dos Espíritos.

Os fenômenos de emancipação da alma apresentam também um importantíssimo resultado prático, que é o de evidenciar a imortalidade da alma e a existência do mundo espiritual. Nesse sentido, falando dos fenômenos sonambúlicos, mas podendo se estender a todos os casos da alma emancipada, diz Kardec:

“Pelos fenômenos do sonambulismo — seja natural, seja magnético — a Providência nos dá a prova irrecusável da existência e da independência da alma, e nos faz assistir ao espetáculo sublime da sua emancipação; com isso, ela nos abre o livro de nossa destinação. Quando o sonâmbulo descreve o que se passa à distância, é evidente que ele vê, mas não pelos olhos do corpo; vê a si mesmo e se sente transportado para lá; há, portanto, algo dele naquele lugar, e esse algo, não sendo seu corpo, só pode ser sua alma ou Espírito. Enquanto o homem se perde nas sutilezas de uma metafísica abstrata e ininteligível para correr em busca das causas de nossa existência moral, Deus coloca diariamente ao alcance dos seus olhos e de suas mãos os meios mais simples e evidentes para o estudo da psicologia experimental.”
O Livro dos Espíritos - questão 455


Veja também


Referências

  • O Livro dos Espíritos, Allan Kardec - Ebook.
  • O Livro dos Médiuns, Allan Kardec - Ebook.
  • Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas, Allan Kardec - Ebook.
  • Slides da FEB sobre o tema “Emancipação da Alma” - Febnet.


Tem alguma sugestão para correção ou melhoria deste verbete? Favor encaminhar para Atendimento.


Índice de verbetes
A Gênese
A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo
Abreu, Canuto
Adolphe Laurent de Faget
Agênere
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie Gabrielle Boudet
Anália Franco
Anastasio García López
Andrew Jackson Davis
Anna Blackwell
Arigó, Zé
Arthur Conan Doyle
Auto de Fé de Barcelona
Auto-obsessão.
Banner of Light
Baudin, Irmãs
Bem
Berthe Fropo
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Carma
Caroline Baudin
Célina Japhet
Cepa Espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chevreuil, Léon
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Comunicabilidade Espiritual
Conan Doyle, Arthur
Consolador
Crookes, William
Daniel Dunglas Home
Davis, Andrew Jackson
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Didier, Pierre-Paul
Divaldo Pereira Franco
Dogma
Dogmatismo
Doutrina Espírita
Doyle, Arthur Conan
Dufaux, Ermance
Ectoplasma
Ectoplasmia
Ecumenismo
Editora Dentu
Édouard Dentu
Elementos Gerais do Universo
Emancipação da Alma
Epífise
Ermance Dufaux
Errante
Erraticidade
Errático
Escala Espírita
Escrita Direta
Espiritismo
Espiritismo à Francesa: a derrocada do movimento espírita francês pós-Kardec
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Errante
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Expiação
Faget, Laurent de
Fascinação
Fluido
Fora da Caridade não há salvação
Fox, Irmãs
Francisco Cândido Xavier
Franco, Anália
Franco, Divaldo Pereira
Fropo, Berthe
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Henri Sausse
Herculano Pires, José
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Home, Daniel Dunglas
Humberto de Campos
Imortalidade da Alma
Inquisição
Irmão X
Irmãs Baudin
Irmãs Fox
Jackson Davis, Andrew
Japhet, Célina
Jean Meyer
Jean-Baptiste Roustaing
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Arigó
José Herculano Pires
José Pedro de Freitas (Zé Arigó)
Julie Baudin
Kardec, Allan
Kardecismo
Kardecista
Karma
Lachâtre, Maurice
Lamennais
Laurent de Faget
Léon Chevreuil
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Leymarie, Pierre-Gaëtan
Linda Gazzera
Livraria Dentu
London Dialectical Society
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachâtre
Mediatriz
Médium
Mediunidade
Mesas Girantes
Metempsicose
Meyer, Jean
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
O Livro dos Médiuns
Obras Básicas do Espiritismo
Obsediado
Obsessão
Obsessor
Onipresença
Oração
Palais-Royal
Panteísmo
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pélagie Baudin
Percepção extrassensorial
Pereira, Yvonne A.
Perispírito
Pestalozzi
Pierre-Gaëtan Leymarie
Pierre-Paul Didier
Pineal
Pires, José Herculano
Pneumatografia
Possessão
Prece
Pressentimento
Projeto Allan Kardec
Quiromancia
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hypolite-Léon Denizard
Roustaing, Jean-Baptiste
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Sausse, Henri
Schutel, Cairbar
Sentido Espiritual
Sexto Sentido
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Dialética de Londres
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
SPEE
Subjugação
Superstição
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Trindade Universal
Ubiquidade
UEF
União Espírita Francesa
Vampirismo
Verdade, Espírito
Videira Espírita
William Crookes
X, Irmão
Xavier, Chico
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zé Arigó
Zilda Gama

© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo