Compartilhe esta página pelo Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook



Índice de verbetes



Índice de verbetes
A Gênese
A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo
Adolphe Laurent de Faget
Agênere
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie-Gabrielle Boudet
Anastasio García López
Andrew Jackson Davis
Anna Blackwell
Auto de Fé de Barcelona
Banner of Light
Baudin, Irmãs
Bem
Berthe Fropo
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie-Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Caroline Baudin
Cepa espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chevreuil, Léon
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Consolador
Crookes, William
Daniel Dunglas Home
Davis, Andrew Jackson
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Divaldo Pereira Franco
Dogma
Dogmatismo
Doutrina Espírita
Ectoplasma
Ectoplasmia
Ecumenismo
Editora Dentu
Édouard Dentu
Epífise
Errante
Erraticidade
Errático
Escrita Direta
Espiritismo
Espiritismo à Francesa: a derrocada do movimento espírita francês pós-Kardec
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Errante
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Faget, Laurent de
Fora da Caridade não há salvação
Francisco Cândido Xavier
Franco, Divaldo Pereira
Fropo, Berthe
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Herculano Pires
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Home, Daniel Dunglas
Humberto de Campos
Inquisição
Irmão X
Irmãs Baudin
Jackson Davis, Andrew
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Herculano Pires
Julie Baudin
Kardec, Allan
Kardecismo
Lachâtre, Maurice
Lamennais
Laurent de Faget
Léon Chevreuil
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Linda Gazzera
Livraria Dentu
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachátre
Médium
Mediunidade
Metempsicose
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
Obras Básicas do Espiritismo
Oração
Palais-Royal
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pélagie Baudin
Percepção extrassensorial
Pereira, Yvonne A.
Pestalozzi
Pineal
Pneumatografia
Prece
Quiromancia
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hypolite-Léon Denizard
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Schutel, Cairbar
Sentido Espiritual
Sexto Sentido
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
SPEE
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Ubiquidade
UEF
União Espírita Francesa
Vampirismo
William Crookes
X, Irmão
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zilda Gama

Allan Kardec



Allan Kardec, ou Hypolite-Léon Denizard Rivail (Lyon, 3 de outubro de 1804 - Paris, 31 de março de 1869), conhecido como o codificador do Espiritismo, ou seja, a Doutrina Espírita, em razão de ter sido ele quem copilou e publicou os conceitos básicos da nova doutrina, da qual às vezes se diz Doutrina Kardecista ou Kardecismo. Anteriormente ao seu trabalho espírita, foi um influente educador, escritor de obras pedagógicas e, dentre outras atividades, tradutor de livros e artigos. A partir de quando passou a se dedicar à doutrina dos Espíritos, adotou o pseudônimo Allan Kardec. Teve como esposa Amélie-Gabrielle Boudet, pedagoga e artista plástica, além de sua devotada colaboradora para a causa espírita. Ele é o autor de O Livro dos Espíritos e demais Obras Básicas do Espiritismo, reconhecidamente as principais referências doutrinárias espíritas. Kardec também foi o fundador da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, entidade que ele presidiu pelo restante de sua vida, além de editor da Revista Espírita, jornal mensal que ele lançou e lhe serviu para a condução do Movimento Espírita, do qual ele naturalmente se tornara o líder, ou, como seus confrades lhe chamavam, o Mestre (Maître, em francês).


Allan Kardec, o codificador do Espiritismo



Vida pessoal e carreira na Pedagogia

Rivail nasceu numa tradicional família de ascendentes formados em Magistério e Direito com carreira militar. Seus pais, Jean-Baptiste Antoine Rivail e Jeanne Louise Duhamel, moravam no interior da França, na comuna (município) de Saint-Denis-lès-Bourg, ao lado da comuna Bourg-en-Bresse, capital daquele departamento (estado) de Ain. Seus avós maternos (Benoit Marie Duhamel e Marie Charlotte Bochard) eram de classe nobre da região. O patriarca Duhamel, inclusive, havia sido préfet (espécie de governador) de Ain. Quando Rivail nasceu, porém, a avó Charlotte já era viúva. Os avós paternos de Kardec também já eram falecidos.

Bourg-en-Bresse era um tradicional recanto de férias e passeios da nobreza francesa; pacata e campestre, seria um excelente berço para a sua infância. Contudo, seu nascimento se daria em Lyon, muito provavelmente em função de seus pais buscarem um melhor acompanhamento para o parto, uma vez que Jeanne-Louise já havia perdido um filho com 6 anos (Auguste Claude Joseph François Rivail, 1796-1802) e uma filha com 2 anos (Marie Françoise Charlotte Éloise Rivail, 1799-1801). Para tanto, ela foi instalada numa típica casa de águas minerais, localizada na Rua Sala N° 74, próxima da travessa com a Rue de la Charité, ou Rua da Caridade (palavra bem familiar à obra que mais tarde ele iria empreender como Kardec). Após seu nascimento, mãe e filho voltaram para a morada em Saint-Denis-lès-Bourg, enquanto o pai estava a trabalho em Paris. O pequeno Hypolite Rivail voltaria a Lyon no seu primeiro aniversário para a cerimônia de batismo, na igreja católica de Saint-Denis de la Croix Rousse, conforme sua certidão de batismo. Ele teve ainda uma irmã mais jovem, Isaure Rivail, que, todavia, não teve vida longa (1806-?); a certidão de nascimento dela aponta que seus pais moravam em Belvès, no departamento da Dordonha.


Placa em homenagem a Allan Kardec, filho natural de Lyon, França


Um ano após o nascimento da irmãzinha, estando Hypolite perto dos três anos de idade, ele assistiu à partida de seu pai rumo a uma campanha militar enviada por Napoleão Bonaparte à península ibérica, de onde não mais voltaria para o antigo lar. A exemplo de muitos soldados desaparecidos nesse conflito, ele foi dado como morto; mais tarde, no entanto, documentos viriam indicar que seu pai viveu na comuna Périgueux, onde faleceu em 1834, em estado de extrema pobreza, sem que se saiba ainda a causa de ele não ter retornado para sua família.

Com a presumida morte do pai, o jovem Hypolite foi morar na casa da avó materna, em Bourg-en-Bresse, junto à mãe e o tio (François Duhamel), lá onde o garoto vai passar a infância, até sua transferência para Yverdon-les-Bains na Suíça, para fazer seus estudos na conceituada escola de Pestalozzi, na qual, precocemente propenso à Filosofia e às Ciências gerais, notabilizou-se como aluno e tutor particular de aulas de reforço aos colegas.

Foi educado familiarmente dentro do catolicismo, como era comum na França de então; porém, conheceu bem as ideias protestantes durante os estudos, por ocasião de sua estadia na Suíça — país predominantemente coberto pelo culto das igrejas reformistas. Essa diversidade de conceitos religiosos e sua inclinação para o conhecimento científico certamente contribuíram para que ele mantivesse uma postura moderada em relação às questões de fé, longe dos extremismos entre católicos e protestantes, tão comuns em seu tempo.

"Nascido sob a religião católica, mas educado num país protestante, os atos de intolerância que por isso teve de suportar, no tocante a essa circunstância, cedo o levaram a conceber a ideia de uma reforma religiosa, na qual trabalhou em silêncio durante longos anos com o intuito de alcançar a unificação das crenças. Faltava-lhe, porém, o elemento indispensável à solução desse grande problema."
Revista Espírita, Allan Kardec - maio, 1869: "Biografia do Sr. Allan Kardec"


Absorveu bem o método educacional revolucionário do Prof. Pestalozzi, que consiste na formação integral do cidadão, pelos princípios do conhecimento e da moral — método esse que se tornaria a base das reformas pedagógicas modernas, influenciando a modernidade das escolas europeias, notadamente na França e Alemanha. Em 1822, tornando-se bacharel em Ciências e Letras, aos dezoitos anos, e retornando ao seu país para atuar na área pedagógica, Rivail iria se tornar um dos mais eminentes propagadores do método de seu mestre.


O jovem Hypolite Rivail (Allan Kardec)


De volta à França, no final de 1822, estabeleceu-se em Paris com sua mãe e eventualmente com o irmão dela, o tio François. Na Cidade Luz, fez carreira como professor de diversas disciplinas: seguindo o método pestalozziano, fundou o Instituto Técnico Rivail, na Rua dos Sèvres, em sociedade com o tio, categorizando o seu ensino através de um método educacional voltado para a aplicação prática das atividades profissionais. Esse Instituto foi fechado a partir de quando o seu tio e sócio — com dificuldades financeiras, devido sua inclinação à jogatina — propôs a venda do estabelecimento para então resgatar sua parte no investimento; no decorrer dessas negociações com seu tio, o prof. Rivail ainda seria lesado na parte que lhe cabia por direito.

Poliglota, trabalhou também como tradutor de livros e artigos. Ganhou destaque especialmente por suas publicações pedagógicas, pelas quais propunha modernos sistemas de aprendizado — o que lhe conferiu vários prêmios e a entrada em importantes sociedades acadêmicas europeias.

Casou-se em 6 de fevereiro de 1832 com Amélie-Gabrielle Boudet, também pedagoga, com quem o prof. Rivail mobilizou campanhas para uma maior democratização da escola. Juntos, abriram classes gratuitas para o ensino de várias matérias escolares.


Allan Kardec e sua esposa Amélie-Gabrielle Boudet


Certificados e prêmios:

  • Diploma de fundador da Sociedade de Previdência dos Diretores de Colégios e Internatos de Paris.
  • Diploma da Sociedade para a Instrução Elementar
  • Diploma do Instituto de Línguas
  • Diploma da Sociedade de Educação Nacional, constituída pelos diretores de Colégios e de Internatos da França
  • Diploma da Sociedade Gramatical de Paris
  • Diploma da Sociedade de Emulação e de Agricultura do Departamento do Ain
  • Diploma do Instituto Histórico
  • Diploma da Sociedade Francesa de Estatística Universal
  • Diploma da Sociedade de Incentivo à Indústria Nacional
  • Medalha de ouro, 1º prêmio, conferida pela Sociedade Real de Arrás, no concurso realizado em 1831, sobre educação e ensino.

Certificados do Prof. Rivail (Allan Kardec)


Obras didáticas de sua autoria:

A seguir, uma lista com as principais publicações didáticas de Rivail:

  • École de Premier Degré (Escola de Primeiro Grau), 1824
  • Cours pratique et théorique d'Arithmétique, d'après la méthode de Pestalozzi (Curso prático e teórico de Aritmética, pelo método de Pestalozzi), 1824
  • Traité complete pratique et théorique d'Arithmétique, d'après la méthode de Pestalozzi (Tratado completo prático e teórico de Aritmética, pelo método de Pestalozzi), 1827
  • Plan proposé pour l'amélioration de l'Éducation Publique (Plano proposto para a melhoria da Educação Pública), 1828
  • Grammaire française classique sur un nouveau plan. 1re partie. (Gramática francesa clássica em um novo nível, 1a parte), 1831.
  • Mémoire sur l'instruction publique adressé à MM. les membres de la commission chargée de réviser la législation universitaire (Memória sobre a instrução pública endereçada aos Senhores membros da comissão encarregada de revisar a legislação universal), 1831.
  • Programme des études selon le plan d'instruction (Programa de estudos segundo o plano de instrução), 1838.
  • Cours pratique et théorique de calcul mental (Curso prático e teórico de cálculo mental), 1846.
  • Catéchisme grammatical de la langue française (Catecismo gramatical da língua francesa), 1848.
  • Dictées du premier et du second âge (Ditados do primeiro e do segundo grau), 1850.
  • Grammaire normale des examens (Gramática normal de exames), 1860.
  • Ditados normais dos exames da Municipalidade e da Sorbona, 1849
  • Dictées du premier âge - Nouvelle édition accompagnée des exercices corrigés (Ditados do primeiro grau - Nova edição acompanhada de exercícios corrigidos), 1862.
  • Dictées normales des examens (Ditados normais dos exames), 1867.
  • Catéchisme grammatical de la langue française - 2e édition (Catecismo gramatical da lingua francesa - 2a edição), 1868.

Obra didática do Prof. Rivail (Allan Kardec)


Outras atividades profissionais

Além de professor e diretor de instituições educacionais, e ainda em paralelo com suas publicações pedagógicas, Rivail atuou em outras atividades profissionais. No ano de 1839 ele aventurou-se num negócio de "banco de transações" (para fomentar empreendimentos comerciais e industriais através da troca de produtos) em sociedade com Maurice Lachâtre (que mais tarde também seria um dos protagonistas no episódio do Auto de Fé de Barcelona, em que Lachâtre seria o destinatário dos livros enviados por Kardec, livros esses interceptados pelo bispo daquela localidade, na Espanha, e encaminhados para a fogueira da Inquisição). Para promover aquele banco de trocas, Rivail e Lachâtre ainda publicaram um periódico (Journal de la Banque des Échanges). O negócio sobreviveu até pelo menos 1853, conforme anúncio no jornal Le Tintamarre de 25 de dezembro daquele ano.

Também trabalhou como tesoureiro e contador em teatros. De um deles, o Théatre des Délassements-Comiques, chegou até a ser sócio, com Émile Taigny, em 1852. Fato interessante sobre isso é que, para tais fins, ele assinava com o sobrenome Denizard sobreposto a Rivail — provavelmente para distinguir suas atividades conforme os ramos de atuação, separando seu trabalho de educador dos serviços contábeis.


Iniciação espírita

O prof. Rivail já era quinquagenário quando tomou conhecimento da série de manifestações espirituais que resultou no fenômeno das mesas girantes e do movimento americano conhecido como Espiritualismo Moderno. Conforme ele próprio descreve nas anotações publicadas em Obras Póstumas (2ª parte: "A minha primeira iniciação no Espiritismo"), em 1854, um amigo (Sr. Fortier), cuidou de lhe introduzir no assunto; por sua vez, Rivail não ficou entusiasmado, supondo mesmo que tudo se tratasse de algum efeito de Magnetismo Animal, que ele estudava desde longa data.

Um ano seguinte, no entanto, diante da febre crescente das manifestações e da variedade dos fenômenos, somadas à insistência de outro amigo (Sr. Carlotti) Rivail vai assistir a uma sessão experimental na casa de uma sonâmbula (Sra. Plainemaison) pela qual observa a excentricidade daqueles efeitos, remetendo-o à busca de uma explicação científica para tais fenômenos, busca essa que começou sistematicamente nas reuniões mediúnicas realizadas semanalmente na residência da família Baudin, cujas médiuns eram as irmãs Baudin (Caroline e Pélagie). Ao mesmo tempo, frequentou outros grupos de evocação espiritual com o propósito de comparar e estudar as manifestações, variadas, mas todas evidenciando a existência de inteligências extracorpóreas — Espíritos — como a causa e agente primordial daqueles extraordinários fenômenos.


Fotografia de Allan Kardec


Nessas reuniões, através dos médiuns que se emprestavam às sessões, ele submetia aos seres espirituais questões previamente formuladas sobre conhecimentos gerais, a natureza espiritual, o mecanismo daquele intercâmbio (Mediunidade) e as consequências dessas revelações, posto que implicavam em novos desdobramentos de ordem científica, filosófica e religiosa.

Já tendo uma considerável compreensão da existência dos Espíritos e do mundo espiritual, do processo de interação natural entre o plano invisível e a nossa dimensão física, bem como das múltiplas existências corporais (processo de reencarnação), ele então recebeu a revelação da missão para qual ele havia se inscrito em seu planejamento reencarnatório: codificar os ensinamentos daqueles Espíritos amigos que o guiavam e então tornar pública a nova doutrina — o Espiritismo. Para tal fim, além do concurso da Sra. Plainemaison e das irmãs Baudin, Kardec contou com experimentações de diversos médiuns, dentre os quais, especialmente Céline Japhet e Ermance Dufaux.

Entre os tantos Espíritos que o auxiliariam, figuravam-se Sócrates, Santo Agostinho, São Luís, Fénelon, Erasto, Emmanuel, Lacordaire e, em particular, aquele que se denominou Espírito Verdade, e que mais tarde iria se revelar ser seu guia espiritual.


Os pseudônimos

Abraçando a missão, o professor Rivail passou então a assinar como Allan Kardec — nome que, segundo revelação espiritual, ele próprio já teria usado em uma antiga reencarnação, ou duas delas. Reportando isso, o jornal The Spiritualist publicou:

"(...) ele publicou seu livro [O Livro dos Espíritos] sob os nomes com os quais nascera em suas duas existências anteriores. Um desses nomes era Allan — fato revelado a ele por Madame Japhet, e o outro nome, Kardec, lhe foi revelado pelo médium Roze."
The Spiritualist - 13 de agosto de 1875, p. 74

Na contramão dessa informação, sobre uma possível junção de dois nomes provindos de diferentes reencarnações, várias fontes convergem para uma só origem do dito cognome: "Allan Kardec" era o nome próprio de Rivail numa determinada vida passada. Em sua Biografia de Allan Kardec, Henri Sausse conta que numa certa sessão mediúnica, um Espírito familiar (Zéfiro) apresentou-se a Rivail revelando que eles eram conhecidos numa reencarnação nos tempos dos druidas (espécie de sacerdotes e instrutores entre os povos celtas) nas Gálias (província da qual se originou a moderna França) quando Rivail então se chamava Allan Kardec. Dissertando sobre a produção de O Livro dos Espíritos, Sausse acrescenta:

"No momento de publicá-lo, o autor ficou muito embaraçado em resolver como o assinaria, se com o seu nome, Denizard-Hippolyte-Léon Rivail, ou com um pseudônimo. Sendo o seu nome muito conhecido do mundo científico, em virtude dos seus trabalhos anteriores, e podendo originar uma confusão, talvez mesmo prejudicar o êxito do empreendimento, ele adotou o alvitre de assiná-lo com o nome de Allan Kardec que, segundo lhe revelara o guia, ele tivera ao tempo dos Druidas."
O que é o Espiritismo, Allan Kardec - 'Biografia de Allan Kardec'

Na mesma obra, Sausse ainda ratifica: "Assim também se deu a respeito do seu pseudônimo. Numerosas comunicações procedentes dos mais diversos pontos vieram reafirmar e corroborar a primeira comunicação obtida a esse respeito".

O filósofo Léon Denis, grande apóstolo kardecista, também reitera essa mesma procedência do cognome; em sua obra O Mundo Invisível e a Guerra, capítulo VI, ele narra: "Foi nessas profundas fontes que Allan Kardec ilustrara seu espírito; foi com meios idênticos que ele viveu outrora. Não na Bretanha, talvez, mas antes na Escócia, segundo a indicação de seus guias. (...) Kardec ali aprendeu a filosofia dos Druidas; preparava-se no estudo e na meditação para as grandes empresas futuras. (...) Até o nome de Allan Kardec, que escolheu, até este dólmen erigido no seu túmulo por sua expressa vontade, tudo, digo eu, lembra o homem do visco do carvalho, que voltou a esta Gália para despertar a fé extinta e fazer reviver nas almas o sentimento da imortalidade." Depois, agora na obra O Gênio Céltico e o Mundo Invisível (cap. VIII), Léon Denis reproduz a transcrição de uma mensgem mediúnica atribuída ao próprio Kardec, então confessando realmente ter sido um druida: "Os druidas deixaram na alma das gerações primitivas, que habitaram o vosso solo, uma centelha que ficou latente no fundo de cada consciência. Isto faz com que toda a esperança não esteja perdida para reavivar uma chama que adormece entre alguns de vós. Temos como missão agrupar os verdadeiros celtas que são a própria essência da França. Posso falar disso, pois que vivi na Bretanha, fui druida em Huelgoat. Mais tarde, por uma graça insigne, senti as forças emanadas do círculo superior e minha fé tornou-se viva e forte, ela me seguiu nas minhas existências ulteriores, até aquela em que vós me conhecestes."

Numa obra de 1867, Dictionnaire des Pseudonymes (Dicionário de Pseudônimos), o autor Georges d'Heilly registra o item "Allan Kardec", explicando que sua significação lhe havia sido dada pelo próprio Rivail:

"Quanto à escolha de seu pseudônimo, ele próprio [Allan Kardec] contou sua origem. Tinha-lhe sido revelado, diz ele, pelos espíritos, que numa encarnação bem anterior à vida presente, chamava-se realmente assim, e também, como tal, foi chefe de um clã bretão no século XII."
Dictionnaire des Pseudonymes, Georges D'Heilly - p. 7

No segundo volume da trilogia biográfica Allan Kardec de Zêus Wantuil e Francisco Thiesen encontramos a transcrição de um manuscrito, escrito pelo próprio codificador espírita, correspondente a uma carta endereçada a um amigo (Sr. Tiedmen), manuscrito esse então em posse do Dr. Canuto Abreu — cujo histórico acervo mais tarde viria compor o Projeto Allan Kardec da UFJF — e do qual extraímos o seguinte parágrafo:

"Duas palavras ainda a propósito do pseudônimo. Direi primeiramente que neste assunto lancei mão de um artifício, uma vez que dentre 100 escritores há sempre 3/4 que não são conhecidos por seus nomes verdadeiros, com a só diferença de que a maior parte toma apelidos de pura fantasia, enquanto que o pseudônimo Allan Kardec guarda uma certa significação, podendo eu reivindicá-lo como próprio em nome da Doutrina. Digo mais: ele engloba todo um ensinamento cujo conhecimento por parte do público reservo-me o direito de protelar... Existe, ainda, um motivo que a tudo orienta: não tomei esta atitude sem consultar os Espíritos, uma vez que nada faço sem lhes ouvir a opinião. E isto o fiz por diversas vezes e através de diferentes médiuns, e não somente eles autorizaram esta medida, como também a aprovaram.”
Allan Kardec - vol. II, Zêus Wantuil e Francisco Thiesen - cap. 6


Assinatura de Allan Kardec


Porém, antes que este pseudônimo viesse a se estabelecer, há sugestões historiográficas que o pioneiro espírita tivesse tido outro apelido no meio espiritualista. Antes do lançamento oficial de O Livro dos Espíritos, um prospecto dessa obra já havia entrado em circulação sob o título um pouco diferente: Les Livres des Esprits (Os Livros dos Espíritos, e com um sugestivo subtítulo: Principes de la doctrine spirite écrits sous la dictés e par ordre des esprits supérieurs (Princípios da doutrina espírita escritos sob o ditado e por ordem dos espíritos superiores). No Journal du Magnétisme dirigido pelo Barão du Potet, edição de 25 de fevereiro de 1857, anunciava-se que o exemplar desta obra, impresso em formato in-8, estava à venda por 3 francos na rua Jacob n° 35, Paris, na casa de Villarius (na verdade o endereço correspondia à tipografia de Pierre Bascle); a nota do jornal não elucida se esse "prospecto" tinha sido impresso anonimamente ou se esse "Villarius" seria o autor.

Temos então novas evidências deste suposto outro pseudônimo: no artigo "Un nouveau révélateur" ("Um novo revelador") publicado no jornal La Pensée Nouvelle de 9 de junho de 1867, seu irônico articulista A. S. Morin comenta: "É a uma revelação semelhante que o Sr. Kardec deve o seu nome atual, antes deu à luz a vários outros: foi Denizot (sic), Rivail, Villarius...". A propósito, o periódico Le Dimanche, edição de 15 de novembro de 1857, página 2, faz menção a Allan Kardec como sendo "também chamado Valérius, outras vezes R..." — possivelmente uma confusão do jornal quanta à grafia desse "Valérius", querendo referir-se a "Villarius"; quanto ao R..., está patente se tratar de "Rivail".

É interessante observar a proximidade dos caracteres "VILLARIUS" com "RIVAIL"; não está formado aqui um anagrama perfeito (estão sobrando as letras "U", "S" e o "L" repetido), mas talvez o professor Rivail quisesse de alguma forma sinalizar uma reorganização dos caracteres do seu principal sobrenome na confecção de um cognome.

Portanto, num cenário ainda hipotético — conquanto bem plausível — Rivail adota o pseudônimo "Villarius" e começa a distribuição de um volume experimental para uma obra que desde há um bom tempo já planejava publicar; no transcurso disso, sendo-lhe revelado detalhes de vivências anteriores, ele então opta por passar a assinar O Livro dos Espíritos com o pseudônimo "Allan Kardec". dadas as revelações de suas vivências anteriores.

Ver O Livro dos Espíritos.


Fundamentando o Espiritismo

Após dois anos de intensas pesquisas e consultas espirituais, colhendo e comparando as revelações e ensinamentos, o prof. Rivail reuniu os primeiros fundamentos da nova doutrina, que ele intitulou Espiritismo — neologismo que adotara, assim como os seus adjetivos: espírita e espiritista. A compilação desses fundamentos e a apresentação da nova doutrina foram oficialmente oferecidas ao público em 18 de abril de 1857 através da sua obra elementar: O Livro dos Espíritos.

Depois desse lançamento alcançar grande repercussão, na França e no exterior, Kardec prosseguiu com suas pesquisas, ampliando contatos com pesquisadores, médiuns, divulgadores e simpatizantes da doutrina e do movimento espiritualista em geral, levando-o ao bem-sucedido projeto de uma publicação mensal: a Revista Espírita, de subtítulo Jornal de Estudos Psicológicos, cuja primeira edição foi lançada em 1 de janeiro de 1858.

Em 1 de abril daquele mesmo ano, ele fundou a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas (SPEE), que muitos consideram o primeiro centro espírita oficialmente constituído no mundo, e que ele presidiu até a sua desencarnação.


Codificação Espírita

Além de cuidar mensalmente da montagem da Revista Espírita — o que se estendeu até sua morte, em 1869) — Kardec continuou trabalhando para publicar novas obras, compondo assim o que chamamos de obras básicas da codificação espírita. Em 1859, ele publica um opúsculo contendo o resumo da doutrina: O que é o Espiritismo. No ano seguinte, lançou a segunda edição de O Livro dos Espíritos, que, por sua expressiva ampliação e reestruturação dos itens, caracteriza-a quase que como uma nova obra, solidificando os princípios doutrinários do ensino dos Espíritos.

Em 1861 veio O Livro dos Médiuns, ou Guia dos Médiuns e Evocadores. Como o próprio título expressa, é um tratado sobre a faculdade mediúnica, o papel dos médiuns, das sessões espíritas e as consequências da mediunidade para todos os envolvidos. Kardec já havia publicado um guia prático para a mediunidade, em 1858, sob o título "Instrução Prática sobre as Manifestações Espíritas". Como a tiragem foi curta e esgotada quase que imediatamente, o codificador recebeu muitos apelos para uma reedição daquele folhetim. Ao invés disso, porém, preferiu uma nova publicação, na qual aprofundasse o tema, acompanhando as novas observações colhidas em suas pesquisas.

Em 15 de abril de 1864, Kardec publica o livro "Imitação do Evangelho segundo o Espiritismo", que na terceira edição ele iria renomear para O Evangelho segundo o Espiritismo. Nesta obra, o codificador faz uma releitura dos ensinamentos morais de Jesus Cristo, sob a ótica do Espiritismo, complementada por instruções de vários Espíritos.

A obra seguinte foi O Céu e o Inferno, ou A Justiça Divina Segundo o Espiritismo, publicada em 1 de agosto de 1865. Nela, o leitor encontra as explanações acerca do destino da alma, após a desencarnação, bem como o conceito espírita para as tradicionais teorias do céu, do inferno, do purgatório, das penas eternas e das implicações dos atos do encarnado para a vida espiritual. Traz, além disso, uma série de mensagens de Espíritos e seus exemplos acerca da condição da existência na erraticidade.

A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo veio em 6 de janeiro de 1868. O seu conteúdo básico é formado pelos conceitos espíritas no tocante ao lado científico da revelação, da formação do mundo, da vida orgânica e dos elementos gerais do Universo e seus efeitos, pelos quais, Kardec analisa também as faculdades espirituais de Jesus na realização do que se convencionou chamar milagres. Além disso, o livro anuncia a grande transformação pela qual a Terra passa e sua repercussão para seus habitantes — encarnados e desencarnados.

Desde quando assumiu sua missão espírita, Allan Kardec dedicou-se quase que interinamente a essa causa. Sem filhos, apoiado pela esposa, despendeu seu tempo essencialmente compondo os textos para seus livros e para a Revista Espírita, administrando a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, além de empreender viagens em visita a entidades confrades para o desenvolvimento do Espiritismo.

Sua dedicação a esta missão era tamanha que chegou até ser advertido várias vezes pela espiritualidade, por exemplo, em uma comunicação recebida em 23 de abril de 1866, para que não descuidasse do seu descanso necessário, ainda que os trabalhos doutrinários se fizessem urgentes, inclusive porque seus guias também já lhe havia predito que o complemento da tarefa doutrinária a que se comprometera necessariamente ficaria para um nova reencarnação.

Em seu apostolado à frente da nova doutrina, Kardec sempre cumpriu as exigências legais do governo francês, isentando-se de polêmicas políticas e evitando confronto com autoridades religiosas. Muitas vezes atacado pelos antipáticos à causa espírita, especialmente eclesiásticos católicos, limitou-se a tecnicamente refutar as teses contrárias ao Espiritismo, fazendo uso da publicação mensal da Revista Espírita, e ignorando as acusações pessoais. Aos confrades que lhe rendiam sincera admiração e votos de bom êxito no serviço doutrinário, ele devolvia uma mensagem de encorajamento:

"Aos que nos dizem: 'coragem!' diremos que jamais recuaremos diante de qualquer das necessidades de nossa posição, por mais duras que sejam. Que contem conosco, como neles contamos encontrar, no dia da vitória, soldados da véspera, e não soldados do dia seguinte."
Allan Kardec — Revista Espírita - jan. de 1868: 'Golpe de vista retrospectivo'


Desencarnação

Kardec desencarnou em Paris, a 31 de março de 1869, aos 64 anos de idade, vítima de uma ruptura de um aneurisma, justamente em meio aos preparativos para a mudança, prevista para o dia seguinte, do escritório da Revista Espírita e sede da Livraria Espírita, cujas novas instalações seriam na Rua de Lille, N° 7.

O velório de seu corpo foi cortejado por grande multidão, seguindo para o cemitério de Montmartre. Aos pés do túmulo, no ato do sepultamento, seu amigo e renomado astrônomo Camille Flammarion lhe devotou um honorável discurso.

"Voltaste a esse mundo donde viemos e colhes o fruto de teus estudos terrestres. Aos nossos pés dorme o teu envoltório, extinguiu-se o teu cérebro, fecharam-se-te os olhos para não mais se abrirem, não mais ouvida será a tua palavra… Sabemos que todos havemos de mergulhar nesse mesmo último sono, de volver a essa mesma inércia, a esse mesmo pó. Mas, não é nesse envoltório que pomos a nossa glória e a nossa esperança. Tomba o corpo, a alma permanece e retorna ao Espaço. Encontrar-nos-emos num mundo melhor e no céu imenso onde usaremos das nossas mais preciosas faculdades, onde continuaremos os estudos para cujo desenvolvimento a Terra é teatro por demais acanhado (…) Até à vista, meu caro Allan Kardec, até à vista!"
Camille Flammarion - Obras Póstumas: "Discurso pronunciado junto ao túmulo de Allan Kardec"



Túmulo de Allan KardecTúmulo de Allan Kardec no Cemitério do Père-Lachaise


No ano seguinte, a 31 de março de 1870, seus restos mortais foram transferidos para o cemitério Pére-Lachaise, onde foi erguido um dólmen no estilo druídico e se lê uma de suas máximas: "Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar: tal é a lei".

A título de um balanço pessoal de sua obra, em um manuscrito intitulado "Fora da Caridade não há Salvação", encontrado por sua viúva, após o seu retorno à pátria espiritual, ele exprime:

"Estes princípios, para mim, não existem apenas em teoria, pois que os ponho em prática; faço tanto bem quanto o permite minha posição; presto serviços quando posso; os pobres nunca foram repelidos de minha porta ou tratados com dureza; foram recebidos sempre, a qualquer hora, com a mesma benevolência; jamais me queixei dos passos que hei dado para fazer um benefício; pais de família têm saído da prisão graças aos meus esforços.
Certamente não me cabe inventariar o bem que já pude fazer; mas, do momento em que parecem esquecer tudo, é-me lícito, creio, trazer à lembrança que a minha consciência me diz que nunca fiz mal a ninguém, que hei praticado todo o bem que esteve ao meu alcance, e isto, repito-o, sem me preocupar com a opinião de quem quer que seja.
A esse respeito trago tranquila a consciência; e a ingratidão com que me tenham pago em mais de uma ocasião não constituirá motivo para que eu deixe de praticar o bem.
Eis como entendo a caridade cristã. Compreendo uma religião que nos prescreve que retribuamos o mal com o bem e, com mais forte razão, que retribuamos o bem com o bem. Nunca, entretanto, compreenderia a que nos prescrevesse que paguemos o mal com o mal."
Allan Kardec


Pós-morte

Às vésperas de sua morte, Kardec estava trabalhando na elaboração de um projeto para a condução do Movimento Espírita pensando exatamente na sua sucessão, neste caso, não por outra pessoa, mas por uma entidade, uma sociedade sem fim lucrativo que, dentre outras atribuições, continuasse editando a Revista Espírita, reeditasse seus livros e administrasse a Livraria Espírita que estava por ser inaugurada. (Ver 'Constituição transitória do Espiritismo' na Revista Espírita de dezembro de 1868). Atenta aos desígnios do esposo, a devotada Viúva Kardec cuidou para efetivar tal plano naquele mesmo ano de 1869 e então instituiu a Sociedade Anônima, da qual ela própria assumia a direção geral, embora, com o avançar da sua idade, as funções práticas foram sendo delegadas a terceiros; dois anos mais tarde, essa direção ficaria concentrada na pessoa de Pierre-Gaëtan Leymarie — membro da Sociedade Espírita de Paris e até então homem da confiança da casa de Kardec.

Fui justamente Leymarie quem cuidou para que mais uma obra de Allan Kardec fosse publicada, em 1890, onze anos após sua desencarnação: Obras Póstumas, reunindo artigos diversos sobre a doutrina, além de anotações do seu diário pessoal, pelo qual narra pormenorizadamente desde a sua iniciação aos estudos daqueles fenômenos extraordinários até os seus planos para o desenvolvimento do Espiritismo.

A tão aguardada primeira comunicação do Espírito Allan Kardec se deu quase três meses depois de sua passagem, exatamente em 20 de junho de 1869, publicada na Revista Espírita daquele mês sob o título "Marcha do Progresso". Nela, nada relacionado à sua condição particular, mas um teor essencialmente doutrinário, a comprovação pessoal da doutrina da evolução e da pluralidade dos mundos habitados, além de uma exortação aos confrades: "Sejam pioneiros perseverantes e infatigáveis!... Se lhes chamarem de loucos como o fizeram a Salomão de Caus, se lhes repelirem como Fulton, marcham sempre, porque o tempo, esse juiz supremo, saberá tirar das trevas os que alimentam o farol que deve, um dia, iluminar a Humanidade inteira.".

No mundo dos Espíritos, Kardec isentou-se de dar comandos aos seus continuadores, deixando a eles o julgamento de suas intenções, limitando-se a "apreciar os resultados", como ele diz na comunicação obtida em 14 de setembro daquele mesmo ano, publicada na Revista Espírita como uma dissertação: "O Espiritismo e a literatura contemporânea". Esse distanciamento foi compreendido pelos seus confrades como uma circunstância natural em razão do prenúncio feito pelo seu guia espiritual (Espírito Verdade) de que ele deveria retornar à Terra muito em breve, tempo esse que o próprio Kardec calculou para entre o final daquele século XIX e o início do século XX — especulação essa que até hoje tem sido objeto de controvérsia, sobre se de fato ele reencarnou e, em caso afirmativo, sobre quem ele teria sido nessa nova vivência carnal).

Após a desencarnação de Madame Kardec, em janeiro de 1883, o patrimônio e a continuação dos projetos espíritas idealizados pelo codificador se perderiam em meio a disputas diversas. Através da brochura intitulada Beaucoup de Lumière (Muita Luz), Berthe Fropo — uma amiga íntima do casal Kardec — denunciou desvios doutrinários e administrativos de Pierre-Gaëtan Leymarie à frente da Sociedade Anônima; dentre esses desvios, a Revista Espírita estaria sendo submetida às mais estranhas concepções e ideologias espiritualistas e místicas, por exemplo, o Roustainguismo e o Teosofismo. Na realidade, ainda segundo Madame Fropo, os desvios de conduta de Leymarie já haviam começado ainda com Madame Kardec em vida, tanto que o Espírito de Kardec, em sessões na presença da própria Amélie Boudet, viera cuidar de orientá-la, junto com seus amigos Gabriel Delanne e a mesma Berthe Fropo, para a fundação de uma nova instituição — a União Espírita Francesa — e um novo periódico espírita, que seria intitulado Le Spiritisme (O Espiritismo), a fim de representar os verdadeiros ideais kardecistas.


Allan Kardec, o codificador espírita


A questão do nome civil

Fora a questão dos pseudônimos, o próprio nome civil de Allan Kardec por vezes aparece grafado de diferentes maneiras. Essas divergências implicaram inclusive no processo de sua sucessão patrimonial em favor da Viúva Kardec.

No seu testamento, datado de 24 de abril de 1846 — pelo qual ele legava a esposa sua herdeira universal — Kardec assina como "Hypolite-Léon Denizard Rivail", em sintonia com a forma simplificada "H.L.D. Rivail" que comumente usava; essa grafia, no entanto, diverge com seu nome de batismo: "Denisard Hypolite Léon Rivail", também diferente da sua certidão de casamento: "Hyppolite Léon Denizard Rivail", e ainda do atestado de seu óbito: "Léon Hippolyte Denisart Rivail".

Diante de tal disparidade, a fim de processar os direitos de herança, o Poder Judiciário francês precisou despachar um ofício determinando o legítimo nome civil de Kardec, o que foi feito em 1 de maio de 1869, quando ficou definitva e oficialmente declarado que o seu verdadeiro nome era "Denisard Hippolyte Léon Rivail".

Apesar da força legal desta sentença, optamos por grafar o nome civil de Kardec pela disposição à qual o mesmo se inclinara a usar: "Hypolite-Léon Denizard Rivail", em respeito à sua preferência.


Legado histórico e o Projeto Allan Kardec

O legado de Kardec à humanidade é inestimável e crescente. À medida que o Espiritismo se espraia pelo mundo e que a validade dos conceitos espíritas é corroborada pelas evidências, a memorável obra do codificador se robustece, embora ainda muito aquém de seu merecimento.

Parte desse reconhecimento bem pode ser observado pelo esforço de pesquisadores diversos em recuperar a obra kardequiana a partir de documentos originais que começaram a ser divulgados com o compartilhamento da informação via internet (a exemplo do site Gallica, da Biblioteca Nacional da França) e de iniciativas como a do Projeto Allan Kardec da Universidade Federal de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais, que está reunindo e disponibilizando em seu site oficial coleções de fontes primárias, como o acervo de manuscritos coletados pelo memorável pesquisador espírita Canuto Abreu e do Museu Virtual do Espiritismo.

Ver: Projeto Allan Kardec.


Projeto Allan Kardec da UFJF



Citações célebres de Allan Kardec

"Os homens semeiam na terra o que colherão na vida espiritual: os frutos da sua coragem ou da sua fraqueza."
"Só é inabalável a fé que pode enfrentar a razão face a face, em todas as épocas da Humanidade."
"Nascer, Morrer, Renascer ainda e Progredir sem cessar, tal é a Lei."
"Toda a paixão que aproxima o homem da natureza animal, o distancia da natureza espiritual."
"Fora da Caridade, não há salvação."
Allan Kardec


Kardec descrito por terceiros

O amigo e astrônomo Camille Flammarion denominou o mestre espírita como "O bom-senso encarnado" (em discurso durante o sepultamento do corpo de Kardec).

A inglesa Anna Blackwell, tradutora pioneira da obra kardequiana para o inglês, assim o descreveu:

"Pessoalmente Allan Kardec era de estatura média. Compleição forte, com uma cabeça grande, redonda, maciça, feições bem marcadas, olhos pardos, claros, mais se assemelhando a um alemão do que a um francês. Enérgico e perseverante, mas de temperamento calmo, cauteloso e não imaginoso até a frieza, incrédulo por natureza e por educação, pensador seguro e lógico, e eminentemente prático no pensamento e na ação. Era igualmente emancipado do misticismo e do entusiasmo... Grave, lento no falar, modesto nas maneiras, embora não lhe faltasse certa calma dignidade, resultante da seriedade e da segurança mental, que eram traços distintos de seu caráter. Nem provocava nem evitava a discussão, mas nunca fazia voluntariamente observações sobre o assunto a que havia devotado toda a sua vida, recebia com afabilidade os inúmeros visitantes de toda a parte do mundo que vinham conversar com ele a respeito dos pontos de vista nos quais o reconheciam um expoente, respondendo às perguntas e objeções, explanando as dificuldades, e dando informações a todos os investigadores sérios, com os quais falava com liberdade e animação, de rosto ocasionalmente iluminado por um sorriso genial e agradável, conquanto tal fosse a sua habitual seriedade de conduta que nunca se lhe ouvia uma gargalhada."
Anna Blackwell, A História do Espiritualismo, Arthur Conan Doyle - Cap. 21

O pesquisador espírita Canuto Abreu também nos transcreve os traços físicos do Codificador em meio à narração da reunião fraterna, ocorrida na casa dos Kardec em 18 de abril de 1857, para comemorar com os amigos mais próximos o lançamento de O Livro dos Espíritos:

"De estatura meã, apenas 165 centímetros, e constituição delicada, embora saudável e resistente, o Professor Rivail tinha o rosto sempre pálido, chupado, de zigomas salientes e pele sardenta, castigada de rugas e verrugas. Fronte vertical comprida e larga, arredondada ao alto, erguida sobre arcadas orbitárias proeminentes, com sobrancelhas abundantes e castanhas. Cabelos lisos e grisalhos, ralos por toda a parte, falhos atrás (onde alguns fios mal encobriam a larga coroa calva da madureza), repartidos, na frente, da esquerda para a direita, sem topete, confundidos, nos temporais, com as barbas grisalhas e aparadas que lhe desciam até o lóbulo das orelhas e cobriam, na nuca, o colarinho duro, de pontas coladas ao queixo. Olhos pequenos e afundados, com olheiras e pápulas. Nariz grande, ligeiramente acavaletado perto dos olhos, com largas narinas, entre rictos arqueados e austeros. Bigodes rarefeitos, aparados à borda do lábio, quase todo branco. Para triangular sob o beiço, disfarçando uma pinta cabeluda. Semblante severo quando estudava ou magnetizava, mas cheio de vivacidade amena e sedutora quando ensinava ou palestrava.
O que nele mais impressionava era o olhar estranho e misterioso, cativante pela brandura das pupilas pardas, autoritário pela penetração a fundo na alma do interlocutor. Pousava sobre o ouvinte como suave farol e não se desviava abstrato para o vago senão quando meditava, a sós. E o que mais personalidade lhe dava era a voz, clara e firme, de tonalidade agradável e oracional, que podia escalar agradavelmente desde o murmúrio acariciante até as explosões da eloquência parlamentar.
Sua gesticulação era sóbria, educada. Quando distraído, a ler ou a pensar, cofiava os "favoris". Quando ouvia uma pessoa, enfiava o polegar direito no espaço entre dois botões do colete, a fim de não aparentar impaciência e, ao contrário, convencer de sua tolerância e atenção. Conversando com discípulos ou amigos íntimos, apunha algumas vezes a destra ao ombro do ouvinte, num gesto de familiaridade. Mantinha rigorosa etiqueta social diante das damas."
Canuto Abreu, O Livro dos Espíritos e sua Tradição Histórica e Lendária - Cap. 6

Allan Kardec, o codificador espírita



Curiosidades

De acordo com o médium Divaldo Franco, valendo-se de uma psicografia assinada pelo Espírito Léon Denis, durante o 4° Congresso Mundial de Espiritismo (Paris, 2004), uma das reencarnações anteriores de Allan Kardec havia sido Jan Huss (1369-1415) filósofo e reformador religioso do Reino da Boémia (atual República Checa), precursor da Reforma Protestante, considerado herege e queimado vivo pela Inquisição Católica.

No filme documentário O Espiritismo - De Kardec aos dias de hoje, produzido pela FEB em 1995, Allan Kardec é interpretado pelo ator Ednei Giovenazzi.

A trajetória biográfica do Codificador é parte do conteúdo básico do videodocumentário Roteiro Histórico Espírita em Paris, produzido pelo Portal Luz Espírita em 2017.

Em 2019, por ocasião do 150° aniversário de sua desencarnação, o codificador ganhou um filme biográfico: Kardec: a história por trás do nome, dirigido por Wagner de Assis e produzido pela Conspiração Filmes. Seu papel foi interpretado pelo ator Leonardo Medeiros.


Cartas do filme "Kardec: a história por trás do nome"



Referências

  • O que é o Espiritismo, Allan Kardec - especialmente: "Biografia de Allan Kardec, por Henri Sausse" - Ebook.
  • Obras Póstumas, Allan Kardec - especialmente: "Biografia de Allan Kardec"; "Discurso pronunciado junto ao túmulo de Allan Kardec, por Camille Flammarion"; 2ª Parte: "Extratos, in extenso, do livro das previsões concernentes ao Espiritismo" - Ebook.
  • Revista Espírita, Allan Kardec - coleção de 1857 a 1869.
  • De Rivail a Kardec, Carlos Seth - Ebook.
  • Genealogia de Allan Kardec no site Geneanet (acesso em maio, 2019).
  • O Livro dos Espíritos e sua Tradição Histórica e Lendária, Canuto Abreu - Ebook.
  • A História do Espiritualismo, Arthur Conan Doyle - Ebook.
  • Trilogia Allan Kardec, Zêus Wantuil e Francisco Thiesen - Editora FEB, 1973.
  • Kardec, Marcel Souto Maior - Editora Record, 2013.
  • Artigo Descoberta histórica: "A Edição Zero de O Livro dos Espíritos" em Espiritismo em Movimento (acesso em 15/02/2021).
  • Revolução Espírita: a teoria esquecida de Allan Kardec, Paulo Henrique de Figueiredo - Editora Maat, 2016.
  • Em Nome de Kardec, Adriano Calsone - Editora Vivaluz, 2015.
  • O Espiritismo - De Kardec aos dias de hoje, Filme-documentário produzido pela FEB, 1995, (ver resenha).
  • Autores Espíritas Clássicos - site oficial.
  • Roteiro Histórico Espírita em Paris, Luz Espírita, 2017 (assistir ao videodocumentário)
  • O Gênio Celta e o Mundo Invisível, Léon Denis - Ebook.
  • "Homenagem a Kardec", com Charles Kempf - YouTube.
  • Portal da Biblioteca Nacional da França - Gallica.
  • Dictionnaire des Pseudonymes, Georges D'Heilly- Ebook.
  • Jornal Le Spiritualist - ver em National Library of Scottland ou IAPSOP.
  • Museu Virtual do Espiritismo - Allan Kardec Online.
  • Imagens e registros históricos do Espiritismo - fanpage CSI do Espiritismo.
  • Projeto Allan Kardec - UFJF.
  • Videopalestra "Cartas de Allan Kardec e esposa Amélie Boudet" por Charles Kempf - YouTube.
  • Filme documentário Espiritismo à Francesa: a derrocada do movimento espírita francês pós-Kardec, direção de Ery Lopes, Luz Espírita (2018) - assistir ao videodocumentário.
  • Filme Kardec: a história por trás do nome, direção de Wagner de Assis, 2019, Conspiração Filmes - ficha técnica na Wikipédia (acesso em maio, 2019).




© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo