Compartilhe esta página no: Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Google Plus



Índice de verbetes



Berthe Fropo



Berthe Fropo, nascida Berthe-Victorie-Alexandrine Thierry de Maugras (Sarreguimes, França, 4 de outubro de 1821 - Paris, França, 9 de novembro de 1898) foi uma grande ativista espírita, amiga íntima do casal Kardec (Amélie Boudet e Allan Kardec), membro da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, cofundadora e primeira vice-presidente da União Espírita Francesa, cuja biografia foi marcada pela coragem e determinação com que denunciou irregularidades na condição do Movimento Espírita após a desencarnação do codificador espírita. Escreveu diversos artigos para o jornal O Espiritismo (Le Spiritisme) e é a autora do livro Muita Luz (Beaucoup de Lumière), considerado uma obra fundamental para a compreensão das primeiras gerações da História do Espiritismo.


Berthe Fropo (1821-1898)Berthe Fropo (1821-1898)



Vida pessoal

Berthe Fropo nasceu em Sarreguemines, cidade do noroeste da França pertencente ao departamento de Mosela, perto da divisa com a Alemanha e não muito distante da Bélgica, em uma família originária de Fontainebleau composta de nobres, militares e pintores renomados. Foi o terceiro dos quatro filhos de Honoré-Louis Thierry de Maugras, diretor do Hospital Militar de Sarreguemines, e Frederika Rowenhagen, natural de Luxemburgo (Alemanha). Seus irmãos mais velhos foram Henri Thierry de Maugras (nascido em 1817, médico militar, oficial da Legião de Honra) e Louise-Wilhelmine Thierry de Maugras (nascida em 1819); a caçula da família foi Camille Thierry de Maugras (nascida em 1824, médica militar, também oficial da Legião de Honra).

A intensa carreira militar do pai resultou que a sua família precisasse transferir morada para sucessivos lugares (Rocroi, Lille, Briançon e Calais) até que ela fosse se estabelecer na capital francesa. Apesar dessas mudanças, Berthe teve primorosa educação formal e artística, inclusive desenvolvendo sua voz para o canto lírico. Por razões políticas, durante o reinado de Louis-Philippe, seu pai é demitido do exército em 1837 e a situação financeira da família sofre colapso.


Mademoiselle BertheMademoiselle Berthe


Em 1846, já em Paris, Berthe conhece Augustin-Joseph Fropo (1820-1885), embora jovem, já um respeitado cirurgião militar, que com apenas 23 de idade havia concluído o curso de medicina e brilhantemente defendido sua tese de doutorado, o que lhe conferiu a honra de em 1845 ser iniciado na maçonaria pela loja Amis Réunis de l’Orient de Lille. Berthe e Augustin Fropo se casam em 1 de setembro de 1846, com uma celebração católica realizada na igreja de Saint-Jacques-du-Haut-Pas em Paris.


Augustin Fropo, esposo de BertheAugustin Fropo, esposo de Berthe


Depois de anos passados na Argélia, pós-campanha italiana de 1859, Augustin Fropo foi nomeado, em 1863, médico do Regimento de artilharia da Guarda Imperial de Paris e o casal estabelece residência na Avenida Duquesne, nº 40.

Enquanto o esposo se destacava na carreira médico-militar, Berthe Fropo se alistava em movimentos humanistas, inclusive integrando uma associação pela luta contra o tabagismo, apesar de ameaças da indústria do cigarro. Também usou seus dotes vocais em benefício dos necessitados, por exemplo, com um solo num concerto na Capela Militar de Paris, oferecido pelo Marechal Regnault de Saint-Jean-d'Angély.


Folheto de campanha contra o tabagismo na FrançaFolheto de campanha contra o tabagismo na França


Com a Guerra Franco-Prussiana, em 1870, a França — e sobretudo a capital parisiense — desmorona diante dos alemães; o Napoleão III é destituído do trono imperial e se exila na Inglaterra; a miséria se espalha e as famílias choram as mortes de seus jovens. Augustin Fropo é nomeado médico-chefe do Hospital Militar de Versalhes, onde em 1871, com reconhecido espírito de caridade, defenderá os feridos da Comuna de Paris (levante armado dos parisienses que propunha criar uma república operária independente do restante da França e fazer resistência aos prussianos) contra os maus tratos infligidos contra esses, pelo que será condecorado Comandante da Legião de Honra e Adolphe Thiers.

Com o falecimento do esposo em 1885, Berthe Fropo passará a viver de sua pensão militar, que também usará para praticar atos de benevolência em favor de miseráveis da Vila de Ségur.


Atividades espíritas de Berthe Fropo

Não temos registro de quando e como exatamente Berthe Fropo conheceu a Doutrina Espírita e passou a participar das atividades doutrinárias. O que os registros nos contam é que em algum momento ela foi membro da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, da qual depois se afastou — talvez por ocasião de obrigações militares de seu esposo — também foi amiga íntima do casal Kardec e zelosa defensora da pureza doutrinária da codificação espírita.

Depois do falecimento do codificador espírita, Fropo foi a grande sustentação da viúva Kardec, sendo inclusive quem tentou socorrê-la quando do passamento de Amélie, conforme a própria Fropo relata:

"Enfim, em 21 de janeiro de 1883, tive a dor de perder minha amiga!! Na sexta-feira 19, levantando-se da sua cama, ela teve uma tontura, caiu e, batendo sua cabeça no canto do mármore de sua cômoda, perdeu a consciência. Ajudada pela empregada, pude levá-la de volta à cama, mas pela expressão de sua boca, vi que havia ali uma congestão cerebral. Fui procurar o médico, que me declarou que ela estava perdida."
Muita Luz (Beaucoup de Lumière), Berthe Fropo - 'Como o Espiritismo é dirigido'

Fropo ganha destaque no Movimento Espírita a partir de quando ela contesta o modo como as instituições destinadas à continuação das obras doutrinárias de Allan Kardec estavam sendo administradas. Segundo ela, o principal líder e responsável pelo Espiritismo — Pierre-Gaëtan Leymarie — estava corrompendo suas funções, tanto materialmente, tomando proveito particular dos bens dos Kardec, quanto doutrinariamente, deturpando os conceitos espíritas em favor de outras correntes espiritualistas e místicas, notadamente o roustainguismo de Jean-Baptiste Roustaing e a teosofia de Madame Helena Blavatsky. De fato, Leymarie era o real mandatário da Revista Espírita, da Livraria Espírita e da Sociedade Anônima (criada para administrar os bens institucionais legados pelas obras de Kardec) e, no contexto apresentado por Fropo, havia tomado todas as providencias legais para afastar a influência da viúva Kardec das deliberações institucionais, bem como de todos os que se opusessem aos seus interesses — bem diferentes dos princípios espíritas, segundo Fropo.


Articuladora da União Espírita Francesa

Fropo denunciou Leymarie à viúva Kardec e conclamou os “espíritas sinceros” a se levantarem contra os desmandos daquele. Em certa reunião realizada em 27 de janeiro de 1881 na casa de madame Kardec, entre os espíritas convocados para fazer frente a Leymarie, um médium psicografou uma comunicação do Espírito do codificador conclamando-os para a fundação de uma nova sociedade espírita, do que mais tarde viria a ser a União Espírita Francesa, presidida por Gabriel Delanne, ao lado de Berthe Fropo, a vice-presidente. Além dessa nova sociedade, foi deliberado o lançamento de um jornal que servisse como órgão de comunicação da União: o periódico O Espiritismo (Le Spiritisme).


O Espiritismo (Le Spiritisme)



Um pouco de luz

Foi Berthe Fropo quem levou a público e em larga escala o que chamou de desmandos de Leymarie. Através da revista O Espiritismo, edição da segunda quinzena de outubro de 1883, ela assinou um artigo intitulado “Um pouco de luz” em resposta ao artigo “Aos nossos leitores” publicado na Revista Espírita do mês anterior, aproveitando para exprimir abertamente a má condução da herança doutrinária deixada por Kardec, exemplificando, entre outras coisas, pelo ato de Leymarie e seus aliados renomear a “Sociedade Anônima para a continuação das obras de Allan Kardec” pela insígnia “Sociedade Científica do Espiritismo”, o que motivou Fropo a inserir em seu artigo-resposta:

"Por que essa evolução? O que se pretendia fazer, removendo o nome do fundador, o mestre que vocês diziam ser tão respeitado e tão venerado. Em nome de todos os meus irmãos de crença, venho pedir-lhe o motivo; essa evolução é muito grave para que não tenhamos a explicação."
Berthe Fropo, "Um pouco de luz" em O Espiritismo - outubro, 1883

O artigo foi uma espécie de ensaio para o que Fropo viria fazer logo adiante: publicar o dossiê Beaucoup de Lumière, ou, traduzido, Muita Luz.


Muita Luz (Beaucoup de Lumière)

Além de outros tantos artigos importantes publicados no periódico O Espiritismo, Berthe Fropo legou para o Movimento Espírita uma obra histórica importantíssima: Beaucoup de Lumière, que vertida para o nosso português é Muita Luz. Esse livro, bem como toda a obra de Fropo e da União Espírita Francesa — da qual ela era vice-presidente — ficou por um bom tempo no esquecimento, ou mesmo no desconhecimento das gerações posteriores daquela de seu lançamento, em 1884, só vindo a ser descoberto recentemente, através da internet.


Beaucoup de Lumière de Berthe FropoBeaucoup de Lumière de Berthe Fropo


Como a burocracia francesa exigia pelo menos uma cópia de cada obra que fosse publicado — a título de registro histórico e controle contra possíveis ativismos contra o governo — um exemplar da obra de Fropo ficou arquivado na Biblioteca Nacional da França. Com a popularização da internet, a Biblioteca deliberou digitalizar seu acervo e disponibilizá-lo livremente através de seu site: Gallica, vindo então a publicar uma fotocópia daquela obra, possibilitando assim que pesquisadores espíritas pudessem retirá-la dos escombros da História e com isso enriquecer os dados que compõem a historiografia do Espiritismo.

Os pesquisadores pioneiros a desbravar a obra de Fropo foram: Adriano Calsone, em seu livro Em Nome de Kardec; e Paulo Henrique de Figueiredo, em seu livro Revolução Espírita – a teoria esquecida de Allan Kardec. Também serviu de base para o roteiro do filme-documentário Espiritismo à Francesa – a derrocada do Movimento Espírita Francês pós-Kardec, que ajudou a disseminar um grande interesse entre os estudiosos espíritas acerca da História do Espiritismo nascente, e que motivou o trabalho de tradução para o português realizado por Ery Lopes e Rogério Miguez, cujo ebook foi publicado pelo Portal Luz Espírita em 5 de outubro de 2017.


Muita Luz (Beaucoup de Lumière) de Berthe FropoMuita Luz (Beaucoup de Lumière) de Berthe Fropo


Os elementos históricos inéditos que a obra de Berthe Fropo trouxe à tona nos ajuda a compreender o contexto histórico do Movimento Espírita francês e seu declínio, assim como o enfraquecimento do Espiritismo em toda a Europa. Ela também nos dá pistas substanciais acerca da polêmico sobre a adulteração do livro A Gênese de Allan Kardec a partir da 5ª edição, publicada depois da desencarnação do autor.

Diante da grandeza de sua obra, Berthe Fropo — ainda que talvez tardiamente — está posta no lugar de honra entre os grandes pioneiros do Movimento Espírita e, femme forte que foi, será lembrada com carinho e tomada como inspiração pelos espíritas sinceros.


Referências

  • Muita Luz (Beaucoup de Lumière), Berthe Fropo (tradução: Ery Lopes e Rogério Miguez, 2017, Luz Espírita) (livro online).
  • Beaucoup de lumière, Berthe Fropo - 1884, Imprimierie Polyglotte - fotocópia disponível na Gallica (visitado em janeiro, 2019).
  • Fundação da União Espírita Francesa, União Espírita Francesa - 1883, tradução de Abílio Ferreira Filho, Autores Espíritas Clássicos (livro online).
  • Em Nome de Kardec, Adriano Calsone - 2015, Vivaluz Editora.
  • Madame Kardec, a história que o tempo quase apagou, Adriano Calsone - 2016, Vivaluz Editora.
  • Revolução Espírita – a teoria esquecida de Allan Kardec, Paulo Henrique de Figueiredo - 2016, Editora MAAT.
  • Biografia de Augustin Fropo em Wikiwand (visitado em janeiro, 2019).
  • Filme-documentário Espiritismo à Francesa: a derrocada do Movimento Espírita Francês pós-Kardec, direção de Ery Lopes, roteiro de Louis Neilmoris - 2018, Luz Espírita (assistir ao filme online).
  • O Legado de Allan Kardec, Simoni Privato Goidanich (2018, Edições USE e CCPDE-ECM).
  • Seminário "A Gênese, 150 anos - resgate histórico"; com Simoni Privato Goidanich em Espiritismo em Movimento (visitado em janeiro, 2019).



Índice de verbetes
A Gênese
Agênere
Aksakof, Alexandre
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie-Gabrielle Boudet
Anastasio García López
Anna Blackwell
Auto de Fé de Barcelona
Banner of Light
Bem
Berthe Fropo
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie-Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Cepa espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Consolador
Crookes, William
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Divaldo Pereira Franco
Doutrina Espírita
Ectoplasma
Ectoplasmia
Editora Dentu
Édouard Dentu
Epífise
Escrita Direta
Espiritismo
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Fora da Caridade não há salvação
Francisco Cândido Xavier
Franco, Divaldo Pereira
Fropo, Berthe
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Herculano Pires
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Humberto de Campos
Inquisição
Irmão X
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Herculano Pires
Kardec, Allan
Kardecismo
Lachâtre
Lamennais
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Linda Gazzera
Livraria Dentu
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachátre
Médium
Mediunidade
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
Oração
Palais-Royal
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pestalozzi
Pineal
Pneumatografia
Prece
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hippolyte-Léon Denizard
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Ubiquidade
Vampirismo
William Crookes
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zilda Gama

© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo