Compartilhe esta página no: Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Google Plus


Roteiro Histórico Espírita em Paris


Uma viagem pelos pontos históricos relacionados ao Espiritismo localizados na capital francesa, o berço da doutrina consoladora, em meados do século XIX.

Conheça melhor os locais onde Allan Kardec desenvolveu suas descobertas espíritas e a codificação da doutrina.

Vídeo produzido em junho de 2017

Produção: Equipe Luz Espírita

Apresentação: Ery Lopes

Trabalhos técnicos: Caroline Garcia Lopes.



Informações


Passo a passo do nosso roteiro, conforme o mapa adiante:



  1. Catedral de Notre Dame: o coração da Cidade Luz, sede de tantos eventos históricos, é o ponto de partida do nosso roteiro, pois foi, certamente, um dos lugares de frequência comum de Allan Kardec, embora este, mesmo desde os tempos de mocidade, como o jovem Rivail, não fosse nenhum religioso ortodoxo.
    Ver no mapa

  2. Rue de La Harpe, 117: primeira morada do jovem Rivail em Paris, logo após seu retorno à França, em 1822, nos seus 18 anos de idade, depois de concluir seus estudos na famosa escola de Pestalozzi, em Yverdon-les-Bans, Suíça.
    Ver no mapa

  3. Rue de Vaugirard, 65: para onde o então professor Rivial se mudou, em 1828, e local onde escreveu começou a escrever seus livros didáticos, que logo mais fariam grande sucesso.
    Ver no mapa

  4. Rue de Sèvres, 35: local onde o Prof. Rivail instalou o seu próprio estabelecimento de ensino, o Instituto Técníco Rivail, que funcionou entre 1826 e 1840. Esse endereço também passou a ser sua residência, logo após seu casamento com Amélie-Gabrielle Boudet, em 6 de fevereiro de 1832. Neste local, o casal ainda ofereceu cursos gratuitos de letras e ciências gerais para os menos favorecidos, em consonância com sua campanha em prol da democratização do ensino público.
    Ver no mapa

  5. Rue des Martyrs: por volta dos anos 1840, o casal Rivail se instala numa nova morada, ao norte de Paris, na Rue des Martyrs, 8, 2° andar. Foi enquanto morava aqui que Rivail tomou conhecimento dos extraordinários fenômenos das Mesas Girantes, que tomou conta de Paris e dos grandes centros urbanos da América e Europa nos anos 1850. Eis, portanto, o ponto de partida da nova fase daquele que iria dar corpo à Doutrina Espírita.
    Ver no mapa

  6. Rue de La Grange-Batelière, 18: onde em 1855, na casa da sonâmbula Sra. Plaiemaison, o Prof. Rivial participou pela primeira vez de uma sessão de evocação espiritual, à qual adentrou todo descrente e dela saiu intrigado com o fenômeno, que doravante ele deliberou investigar com todo o rigor científico. Numa das sessões na casa da Sra. Plainemaison Rivail conheceu o casal Emile e Clementine Baudin, que também realizavam semanalmente sessões espirituais em sua residência, nosso próximo endereço.
    Ver no mapa

  7. Rue de Rochechouart, N° 7: nesse endereço, a família Baudin fazia evocações tendo como médiuns suas duas filhas, as jovens Caroline e Julie. O futuro codificador espírita participou destas assiduamente, aprofundando suas pesquisas psíquicas e construindo suas convicções acerca das revelações da espiritualidade, apesar de muitas vezes estas reuniões serem envoltas de trivialidades, como nas participações do brincalhão Espírito Zéfiro. Aqui, ele foi apresentado ao seu Espírito Protetor — o Espírito Verdade.
    Ver no mapa

  8. Rue Tiquetone, 14: no ano de 1856, o pioneiro espírita integrou as sessões neste endereço, que ele considerava mais sérias, em que a médium principal era a Sra. Japhet. Aqui Kardec teve a revelação de sua missão de codificar o Espiritismo, começando com a publicação de O Livro dos Espíritos, que seria lançado no ano seguinte, conforme veremos no próximo ponto histórico de nosso roteiro..
    Ver no mapa

  9. Palais-Royal: Foi aqui, no Palais-Royal, ao lado do Museu do Louvre, o palco de lançamento da obra fundamental da Doutrina Espírita, o magnífico O Livro dos Espíritos, assinado por Allan Kardec, o pseudônimo adotado pelo Prof. Rivail para lidar com as suas tarefas no âmbito do Espiritismo. O lançamento se deu na sede da editora e livraria Dentu, localizada num dos salões da Galerie d'Orleans, dentro do complexo do Palais-Royal. Também neste palácio funcionou a primeira sede da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, o primeiro centro espírita do mundo, fundado em 1 de abril de 1858, pelo Codificador, com reuniões na sala 35 da Galeira de Valois, no primeiro ano, e depois transferidas para um espaço maior, num salão alugado no N° 12 da Galeria de Montpensier, ainda no complexo do Palais-Royal.


    Ver no mapa

  10. Rue y Passage Saint-Anne: este é, podemos dizer, o mais importante ponto histórico espírita em Paris, onde encontramos no número 59 a passagem que dá acesso ao prédio onde o casal Kardec adquiriu um salão com o objetivo de sediar a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas e o escritório da Revista Espírita, conforme se deu em 1 de abril de 1860. Em seguida, a fim de ficar mais próximo das atividades espíritas, o casal também acaba transferindo a sua morada, da Rue des Martyrs para cá. Este foi o local dos mais produtivos trabalhos doutrinários do mestre espírita, até o seu último dia nesta reencarnação. Kardec aí faleceu, a 31 de março de 1869, em meio aos preparativos para a mudança da sede da Revista Espírita, que iria para a Rue de Lille,conforme veremos mais adiante.


    Ver no mapa

  11. Villa de Ségur: Amélie e Kardec haviam comprado nas imediações do N° 39 da Rue de Sègur um grande terreno com o propósito de ali levantar um complexo espírita, que deveria compor-se de diversos departamentos, como uma robusta biblioteca, um museu para a memória do Espiritismo, asilo para os confrades, consultórios médicos e uma residência particular para o casal Kardec, de onde poderiam administrar aquelas atividades. Como não deu tempo para o codificador, a viúva Kardec prosseguiu com a mudança e com muito zelo lançou-se a dar continuidade às obras de seu amado esposo.
    Ver no mapa

  12. Cemitério do Père-Lachaise: o sepultamento dos despojos mortais de Kardec ocorreu no cemitério de Montmatre. Deste evento, é célebre o discurso proferido pelo seu amigo e astrônomo Camille Flammarion, que definiu o mestre espírita como "O bom senso encarnado". Mas, por ocasião do primeiro aniversário do retorno do grande líder ao plano espiritual, a viúva Kardec encomendou a transferência do túmulo para o principal cemitério da cidade, o Père-Lachaise, onde foi erquido um dólmen no estilo druida, em clara referência a uma precedente reencarnação do codificador, quando havia sido um sacerdote druida, conforme revelação de um Espírio amigo. No centro do dólmen foi posto um busto do emérito codificador e no frontal superior uma inscrição em francês cuja tradução é a máxima "Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar. Tal é a lei". A evidência mais clara da grande visitação que o túmulo recebe, em consideração pela inestimável obra Kardecista, se vê pela quantidade de flores que o local recebe diariamente.
    Também neste túmulo foi enterrado o corpo de Madame Kardec, falecida em 21 de janeiro de 1883.


    Dica para visitar o túmulo de Allan Kardec no Cemitério do Père-Lachaise: entrar pelo portão da Rue des Rondeaux, N° 59, 5 minutos à pé da estação do metrô Gambetta (linhas 3 e 3B) e, dentro do cemitério, seguir pela Avenue des Combattants Étrangers Morts pous la France por três travessas. O horário de visitação pública é das 8h às 18h.


    Ver no mapa

    Roteiro histórico espírita na França pós-Kardec:

    Como se sabe, a viúva Kardec não mediu esforços para dar continuidade à obra kardecista, mas, de idade avançada, viu-se obrigada a delegar as tarefas práticas, começando pela edição da Revista Espírita e a gerência da Livraria Espírita. Seu principal mandatário foi o Sr. Pierre-Gaëtan Leymarie — que, por sua vez, não foi condizente com os propósitos espíritas. Leymarie enveredou-se por outras ideias — como o Roustainguismo e a Teosofia — aproximando as atribuições espíritas com o ocultismo, esoterismo e misticismo, em contrariedade aos desígnios do Espiritismo.


  13. Rue de Lille, N° 7: para onde foi transferida a Livraria Espírita e sede da Revista Espírita. O passamento de Kardec deu-se exatamente enquanto ele, na Galerie Saint-Anne, cuidava de encaixotar e despachar o material para este novo endereço.
    Ver no mapa

  14. Rue Nueve-des-Petits-Champs, 5: Em 1878, sob o comando de Leymarie, a Livraria e a sede da Revista mudaram-se para a Rua Nueve-des-Petits-Champs, 5, atrás do Palais-Royal. Neste mesmo endereço, Leymarie estabeleceu também o local inicial de reuniões da futura Sociedade Teosófica de Paris — da qual seria presidente honorário — e ainda sede da "estranha" Sociedade Científica de Estudos Psicológicos e seu Boletim do Órgão dos livres-pensadores religiosos e do Espiritualismo Moderno.
    Ver no mapa

  15. Rue Saint-Jacques, 42: onde ainda hoje se apresenta à vista de todos um dos espólios dos bens do casal Kardec apossados por Leymarie e seus herdeiros. Neste ponto, encontra-se a Livraria Leymarie, cujo acervo básico é formado por obras de ocultismo, magia e esoterismo. No andar superior, salas para consultas particulares.
    Ver no mapa

  16. Rue Copernic, 8: Nosso derradeiro ponto histórico em Paris é o número 8 da Rua Copernic, onde em 1923 foi fundada a Maison des Spirites, a Mansão dos Espíritas, pelo suíço e filantropo espírita Jean Meyer, numa tentativa de reerguer o Movimento Espírita francês, ao lado dos eméritos confrades Gabriel Delanne e Léon Denis.
    Ver no mapa


Conheça melhor o Espiritismo pela Enciclopédia Espírita Online.

Allan Kardec


"Todo efeito tem uma causa
Todo efeito inteligente tem uma causa inteligente."


© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo