Compartilhe esta página no: Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Google Plus



Índice de verbetes



Agênere



Agênere é a denominação do estado temporário em que um Espírito se apresenta materializado, revestindo a forma humana, num grau tal de realismo que produz a ilusão de ser uma pessoa encarnada. Na Codificação Espírita, há alguns relatos desse tipo de fenômeno e uma apreciação teórica sobre suas condições e o seu caráter, de modo a estabelecer certos critérios sobre os agêneres. Pela sua complexidade, é uma modalidade raríssimo de aparição tangível.


Agênere: Espírito materializado na forma humana



Definição etimológica

O termo agênere vem do idioma grego: a = sem, privado de (prefixo de negação) + géine, géinomaï = gerar, gerado, equivalente a “que não foi gerado”, designando que um agênere é uma espécie de ser que não nasceu, que não foi gerado nas condições humanas normais.

Sua designação tem origem na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, quando da apreciação de uma manifestação extraordinária — a história do menino de Bayonne (ou Baiona, comuna no sul da França):

"Questionado sobre esse ponto, um Espírito superior respondeu que realmente podemos encontrar seres dessa natureza, sem que o suspeitemos; acrescentou que isso é raro, mas possível. Como, para nos entendermos, precisamos dar um nome para cada coisa, a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas os chama agêneres, assim indicando que sua origem não é o resultado de uma geração."
Revista Espírita, Allan Kardec - fev. 1859, "Os agêneres"

Em O Livro dos Médiuns, Allan Kardec assim definiu:

"Diremos somente que é uma variedade da aparição tangível. É o estado de certos Espíritos que podem revestir momentaneamente as formas de uma pessoa viva, ao ponto de causar completa ilusão."
O Livro dos Médiuns, Allan Kardec - cap. VII, item 125


Características dos agêneres

A característica principal de um fenômeno envolvendo os agêneres é a de um tipo especial de materialização em que o Espírito condensa seu corpo espiritual — o perispírito — de maneira tão acentuada e eficiente que o torna bem parecido com o corpo humano de um encarnado, visível, sólido e tangível, a ponto de ser confundido com um ser humano qualquer. Nessas condições, portanto, difere-se de uma aparição espiritual comum, em que a forma vaporizada e semitransparente não produz o mesmo efeito da tangibilidade que no caso dos agêneres.

Ver Ectoplasma.

Tratando de semelhantes manifestações, Allan Kardec também anota:

"É de se destacar que as aparições tangíveis tenham somente as aparências da matéria carnal, mas não as qualidades dela; em virtude da sua natureza fluídica, não podem ter a mesma coesão, porque, na realidade, isso não é da carne. Elas se formam instantaneamente e do mesmo modo desaparecem, ou se evaporam pela desagregação das moléculas fluídicas. Os seres que se apresentam nessas condições não nascem e nem morrem como os outros homens; nós os vemos e não os vemos mais sem que se saiba de onde eles vêm, como vieram, nem para onde vão; ninguém poderia matá-los, nem acorrentá-los, nem aprisioná-los, pois eles não têm um corpo carnal; os golpes que lhes fossem desferidos só atingiriam o vazio.
Tal é a característica dos agêneres, com os quais é possível conversar sem suspeitar do que sejam eles, mas que não demoram longo tempo e não podem tornar-se convivas habituais de uma casa, nem figurar entre os membros de uma família. "
A Gênese, Allan Kardec - cap. XIV, item 36

A Codificação Espírita registra ainda que — muito embora, bem mais raramente — uma aparição desse porte está ao alcance de um ser encarnado em estado de desdobramento espiritual:

"Como o perispírito é o mesmo tanto nos encarnados como nos desencarnados, por um efeito completamente idêntico, um Espírito encarnado pode aparecer, num momento de liberdade, em ponto diferente do lugar em que seu corpo repousa, com seus traços habituais e com todos os sinais de sua identidade. Foi esse fenômeno, do qual se conhecem muitos casos autênticos, que deu origem à crença nos homens duplos."
A, Idem - cap. XIV, item 37.

Na incidência de tal manifestação, um agênere pode representar as mínimas características de um organismo humano, podendo ser tocado, apalpado, a fim de que o observador possa sentir a resistência da matéria, o calor e o odor de um corpo comum. Conquanto não disponha das necessidades orgânicas dos seres humanos, os agêneres podem reproduzir os hábitos mais triviais, por exemplo, comer e beber. Enfim, é um pseudo-organismo físico humano:

"Um Espírito cujo corpo fosse assim visível e palpável teria, para nós, toda a aparência de um ser humano; poderia conversar conosco e sentar-se em nosso lar qual se fora uma pessoa qualquer, pois o tomaríamos como um de nossos semelhantes."
Revista Espírita, Allan Kardec - fev. 1859: "Os agêneres"

Contudo, Kardec pondera que, apesar de todo o esforço para se produzir uma máxima semelhança, não deixa de haver em tal fenômeno certa estranheza:

"Além do mais, em toda a sua pessoa e nas suas atitudes, há qualquer coisa de estranho e de anormal que vem da materialidade e da espiritualidade; seu olhar, vaporoso e penetrando tudo de uma vez, não tem a nitidez do olhar através dos olhos da carne; sua linguagem, breve e quase sempre sentenciosa, não tem a claridade e a mobilidade da linguagem humana; a aproximação deles causa uma sensação incomum e indefinível de surpresa, que inspira uma espécie de temor, e, enquanto os tomem por indivíduos iguais a todo mundo, diz-se involuntariamente: Eis aí um ser singular."
A Gênese, Allan Kardec - cap. XIV, item 36

Apreciando o caso dos agêneres, o Espírito São Luiz (mentor espiritual da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas), ajuizou os objetivos que levam certos Espíritos a tomar esse estado corporal:

"Frequentemente o mal; os Espíritos bons têm a seu favor a inspiração; agem pela alma e pelo coração. Como o sabeis, as manifestações físicas são produzidas por Espíritos inferiores, e aquelas são desse número. Entretanto, como disse, os Espíritos bons podem igualmente tomar essa aparência corporal com um fim útil. Falei de maneira geral."
São Luiz, Revista Espírita, Allan Kardec - fev. 1859: "Os agêneres"

E definiu também as seguintes características para essa modalidade de fenômeno:

  • Os agêneres são manifestações de Espíritos de diversos estágios evolutivos;
  • Além da própria vontade, eles se manifestam e somente mediante a permissão superior;
  • Espíritos inferiores podem algumas vezes tomar a forma agênere para fruir de vícios e das paixões que conservou de quando estava encarnado, mas a sua forma materializada não tem as mesmas necessidades de um corpo humano;
  • Bem como não passam pela gestação, os agêneres não podem procriar e nem morrem;
  • Esse é um fenômeno temporário e normalmente de pouca duração.
  • Pode produzir no observador uma completa ilusão de realismo, sendo percebido então pelo ato de seu inesperado desaparecimento.


Modo de manifestação

Por mais espantoso que possa parecer, o fenômeno típico dos agêneres não se trata de nenhuma ação sobrenatural, quer dizer, mística, fora das leis naturais. A forma física com a qual o Espírito se apresenta no fenômeno agênere se produz mediante a capacidade que o perispírito tem de ser moldado, através de transformações moleculares, assumindo as feições materiais que se queira reproduzir, mesmo nos mínimos detalhes de um corpo humano.

Essa capacidade de modulação do perispírito permite ao agênere dissolver-se lentamente ou se desmaterializar com a rapidez de um relâmpago, através da desagregação das moléculas fluídicas.

Ver Perispírito.


Eventos de supostos agêneres

Diz o Espírito São Luiz que a Bíblia é um notável repositório de aparições de agêneres, por exemplo, o anjo Gabriel, quando do anúncio da gravidez de Maria, mãe de Jesus.

Nos tempos modernos, um caso clássico de tal aparição se deu com o Espírito Katie King, materializado via mediunidade da jovem médium inglesa Florence Cook, conforme as investigações do eminente químico e físico inglês Sir William Crookes (entre os anos 1871 e 1874), que pesou, mediu e fotografou a entidade. Para dissipar as suspeitas de que o dito Espírito seria a própria médium, Crookes nos enseja uma rica descrição da forma espiritual materializada:

"Ultimamente tendo examinado muito Katie, iluminada à luz elétrica, posso acrescentar aos pontos, já mencionados, de diferenças entre ela e o seu médium, que tenho a mais absoluta certeza de que a Senhorita Cook e a Senhorita Katie são duas individualidades distintas, no que se refere aos corpos. Vários sinais no rosto de Cook não existem no de Katie. O cabelo de Cook é de um castanho tão escuro que parece negro; um cacho do cabelo de Katie, que tenho agora em minha frente, e que ela me permitiu cortasse de suas tranças exuberantes, inicialmente examinado e, para minha satisfação, verificado que cresceu, é de um rico dourado escuro.
Uma noite contei o pulso de Katie. Tinha 75 pulsações, enquanto que o da Senhorita Cook pouco depois marcava 90 pulsações. Aplicando o ouvido ao peito de Katie, pude ouvir o coração a bater ritmado e pulsando mais firmemente que o da Senhorita Cook, quando esta me permitiu que a auscultasse depois da sessão. Examinados do mesmo modo os pulmões de Katie pareceram mais fortes que os da médium, pois ao tempo em que a examinei, Miss Cook estava sob tratamento médico de uma tosse rebelde. "
A História do Espiritualismo, Arthur Conan Doyle - cap. 11: "As pesquisas de Sir William Crookes"


Sir William Crookes e a materialização do Espírito Katie King



Jesus, um agênere?

Nos seus trabalhos de desenvolvimento do Espiritismo, Allan Kardec não ignorou certa teoria de que o próprio Jesus Cristo, em toda a sua passagem na Terra, não teria tido um corpo carnal comum e, portanto, teria sido um agênere; conforme a doutrina do Roustainguismo — baseada na obra Os Quatro Evangelhos, coordenada e publicada por Jean-Baptiste Roustaing. Diante dessa tese, o codificador espírita ponderou que, apesar de “não ser radicalmente impossível, no mínimo, seria um evento inteiramente excepcional e em formal oposição ao caráter dos agêneres”, que, pela sofisticação do fenômeno, é de pouca duração; além disso, a narrativa da vida de Jesus — desde seu nascimento até sua morte, por crucificação, na sua linguagem e nas circunstâncias normais do seu cotidiano — demonstra uma aspecto natural de quem teve um corpo físico normal. Tais observações implicam em dizer que:

"Se Jesus tivesse estado durante a sua vida nas condições de seres fluídicos, ele não teria experimentado nem a dor, nem qualquer uma das necessidades do corpo; supor que assim tenha sido é tirar dele todo o mérito da vida de privações e de sofrimentos que ele havia escolhido como exemplo de resignação. Se tudo nele fosse somente aparente, todos os atos de sua vida — a reiterada predição de sua morte, a cena dolorosa do jardim das Oliveiras, sua prece a Deus para que lhe afastasse o cálice dos seus lábios, sua paixão, sua agonia, tudo até o último brado, no momento de entregar o Espírito — não teria passado de vão simulação para enganar com relação à sua natureza e fazer crer num sacrifício ilusório de sua vida — uma comédia indigna de qualquer homem honesto, e com mais forte razão de um ser tão superior; numa palavra: ele teria abusado da boa-fé dos seus contemporâneos e da posteridade. Tais são as consequências lógicas dessa tesa, consequências inadmissíveis, porque o rebaixariam moralmente, em vez de o elevarem."
A Gênese, Allan Kardec - cap. XIV, item 66

Donde Kardec concluiu: “Jesus então, como qualquer pessoa, teve um corpo carnal e um corpo fluídico, o que é atestado pelos fenômenos materiais e pelos fenômenos psíquicos que marcaram a sua vida”.

Por outro lado, após a sua morte, destituído do envoltório físico humano, Jesus manifesta-se em diversas ocasiões, a diversos observadores, da maneira típica dos agêneres, a ponto de ser confundido com um encarando qualquer, pois apresentava-se com as características semelhantes a de um homem, inclusive permitindo ser tocado pelo apóstolo Tomé. Ainda assim, um tanto diferenciado de quando estava encarnado.

"Depois de sua morte, ao contrário, tudo nele revela o ser fluídico. A diferença entre os dois estados é absolutamente evidente, que não se pode confundi-los.
(...)
Se observarmos as circunstâncias em que se deram as suas diversas aparições, reconheceremos nele, nesses momentos, todas as características de um ser fluídico. Ele aparece instantaneamente e do mesmo modo desaparece; ele é visto por uns e por outros não, sob aparências que não o tornam reconhecível nem sequer pelos seus discípulos; ele se mostra em recintos fechados, onde um corpo carnal não poderia penetrar; até sua linguagem carece da vivacidade daquela de um ser corpóreo; fala em tom breve e sentencioso — peculiar aos Espíritos que se manifestam daquela maneira; em resumo, todas as suas atitudes demonstram alguma coisa que não é do mundo terreno. Sua presença causa simultaneamente surpresa e pavor; ao vê-lo, seus discípulos não lhe falam com a mesma liberdade; sentem que já não é o homem."
Idem - cap. XIV, itens 66 e 61

Se já se considerava o fenômeno dos agêneres um evento raro em tempos remotos — quando as manifestações físicas exerciam o papel elementar de tocar os homens pelos sentidos mais concretos e neles despertar a curiosidade às coisas espirituais, com muito mais razão podemos ajuizar que, doravante os tempos mais modernos, esse tipo de manifestação é e será bem menos frequente, pois a humanidade avança para tocar a espiritualidade mais pelas ideias do que pelos fenômenos.


Referências




Índice de verbetes
A Gênese
Agênere
Aksakof, Alexandre
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie-Gabrielle Boudet
Anastasio García López
Anna Blackwell
Auto de Fé de Barcelona
Banner of Light
Bem
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie-Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Cepa espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Consolador
Crookes, William
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Divaldo Pereira Franco
Doutrina Espírita
Ectoplasma
Ectoplasmia
Editora Dentu
Édouard Dentu
Epífise
Escrita Direta
Espiritismo
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Fora da Caridade não há salvação
Francisco Cândido Xavier
Franco, Divaldo Pereira
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Herculano Pires
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Humberto de Campos
Inquisição
Irmão X
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Herculano Pires
Kardec, Allan
Kardecismo
Lachâtre
Lamennais
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Linda Gazzera
Livraria Dentu
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachátre
Médium
Mediunidade
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
Oração
Palais-Royal
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pestalozzi
Pineal
Pneumatografia
Prece
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hippolyte-Léon Denizard
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Ubiquidade
Vampirismo
William Crookes
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zilda Gama

© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo