Compartilhe esta página no: Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Google Plus



Índice de verbetes



Zilda Gama



Zilda Gama, (Juiz de Fora, interior de Minas Gerais, 11 de março de 1878 - Rio de Janeiro, 10 de janeiro de 1969) foi uma pedagoga, escritora, ativista pelos direitos da mulher e notável médium espírita.


Zilda Gama (1878-1969)


Nasceu no distrito São José das Três Ilhas, então pertencente ao município de Juiz de Fora, mas que foi emancipado em 1962 com o nome de Belmiro Braga. É filha do escrivão de paz Augusto Cristina da Gama e da professora de uma escola estadual Elisa Emílio Klörs, por quem foi alfabetizada, ao lado de dez irmãos. Com a transferência dos pais para a cidade de São João Del Rei, ela estuda e conclui o curso de professora primária, para daí iniciar no magistério público no município mineiro Além Paraíba.

Aos 24 anos Zilda fica órfã dos pais, que desencarnaram num espaço de apenas cinco meses da morte de um para o outro. Desde então, ficam sob sua responsabilidade a guarda de cinco irmãos menores e um pouco mais tarde, com a morte de sua irmã mais velha, assume também a tutela dos cinco sobrinhos que ficaram órfãos da mãe.

O peso de tal responsabilidade e as sobrecarregadas custas financeiras não a impediram de graduar-se no ofício que amava: a pedagogia. Em 1929, venceu um concurso estadual promovido pela Secretaria de Educação sobre "Aulas modelo", tornando-se em seguida diretora de uma instituição de ensino do Governo de Minas Gerais.

Seu amor à educação, sua preocupação com os menos favorecidos e suas capacidades intelectuais tornaram Zilda Gama conhecida e influente: transferindo morada para o Rio de Janeiro, passou a escrever artigos para importantes jornais, por exemplo: Jornal do Brasil, Gazeta de Notícias e Revista da Semana, escrevendo ainda contos e poesias.

Para a área didática-pedagógica, publicou os aclamados livros: O Livro das Crianças, Os Garotinhos, O Manual das Professoras e O Pensamento.

Atuou com muito afinco em favor dos direitos da mulher. Em 1931, participa de um congresso feminino que adota sua tese de clamor pelo direito ao voto para as mulheres e o levou ao Congresso Nacional. O movimento foi bem sucedido e doravante as eleições seguintes o voto — antes restrito aos homens — passou a ser universal.


A mediunidade de Zilda Gama

Zilda Gama nasceu dotada de reconhecidos recursos mediúnicos e desde cedo sente a presença de entidades espirituais lhe auxiliando na árdua batalha da vida. Seus próprios pais lhe apareceram, já pouco depois do desencarne deles, confortando-a e animando aquela alma para as tarefas às quais ela havia programado espiritualmente.

Na casa dos trinta anos ela aprofunda seus conhecimentos na Doutrina Espírita, da qual torna-se adepta, potencializando assim suas qualidades de médium que era.

Em 1912, tomada de emoção, psicografa uma mensagem assinada pelo Espírito Allan Kardec, inaugurando uma série de ensinamentos morais, que vão então compor a obra Diário dos Invisíveis, que veio a ser publicada em 1929 pela Federação Espírita Brasileira. A FEB também seria a editora de outras obras de sua psicografia, com destaque para as novelas ditadas pelo Espírito do consagrado escritor francês Victor Hugo. A primeira delas foi Na sombra e na luz, novela verídica que relata a existência triste de um companheiro, na Europa do século XIX, em que, por vezes, o próprio autor de Os miseráveis é personagem. Adiante veio Do calvário ao infinito, romance ambientado na Rússia do século XIX, narrando a história de almas ligadas entre si que sofrem, expiando crimes cometidos, até a conquista da felicidade. Seguiram-se Redenção, Dor Suprema e Almas Crucificadas, todas publicadas pela Federação Espírita Brasileira. Zilda foi a médium pioneira no Brasil a receber tão vasta literatura do mundo espiritual.

Conforme o testemunho do médium Divaldo Franco, a aproximação do Espírito Victor Hugo a Zilda Gama não foi um fato fortuito: ela, na precedente reencarnação, havia sido Léopoldine, filha daquele memorável espírita francês, cuja morte foi uma tragédia: aos dezenove anos, em plena lua de mel, caiu no Rio Sena e ali naufragou; seu esposo igualmente teve o mesmo fim, na tentativa de salvá-la. A tragédia, porém, foi providencial para que ele descobrisse a seriedade do Espiritismo; foram as manifestações de Léopoldine, nas célebres sessões mediúnicas na ilha de Jersey, que o conquistaram para as realidades espirituais.

Zilda Gama sofreu um derrame cerebral em 1959, já nonagenária. Passou a viver numa cadeira de rodas, sob os cuidados de um sobrinho, até seu falecimento, aos 91 anos.

Seu caráter, sua devoção à educação e dedicação pelos direitos humanos, com especial atenção às pessoas mais carentes, credenciam sua biografia ao patamar de uma grande agente humanitária. Alem disso, como médium e espírita, deixou um legado que honra a Doutrina Espírita e faz com que seja lembrada e homenageada pelo Movimento Espírita. Em todo o Brasil, são diversas as casas que tomam emprestado seu nome.


Referências




Índice de verbetes
A Gênese
Aksakof, Alexandre
Alexandre Aksakof
Allan Kardec
Alma
Alma gêmea
Amélie-Gabrielle Boudet
Anastasio García López
Anna Blackwell
Auto de Fé de Barcelona
Bem
Blackwell, Anna
Boudet, Amélie-Gabrielle
Cairbar Schutel
Canuto Abreu
Caridade
Cepa espírita
Charlatanismo
Charlatão
Chico Xavier
Cirne, Leopoldo
Codificador Espírita
Consolador
Crookes, William
Denis, Léon
Dentu, Editora
Dentu, Édouard
Desencarnado
Deus
Divaldo Pereira Franco
Doutrina Espírita
Ectoplasma
Ectoplasmia
Editora Dentu
Édouard Dentu
Epífise
Escrita Direta
Espiritismo
Espírito da Verdade
Espírito de Verdade
Espírito Santo
Espírito Verdade
Espiritual
Espiritualismo
Espiritualismo Moderno
Evangelho
Fora da Caridade não há salvação
Francisco Cândido Xavier
Franco, Divaldo Pereira
Galeria d'Orléans
Gama, Zilda
Glândula Pineal
Herculano Pires
Herege
Heresia
Hippolyte-Léon Denizard Rivail
Humberto de Campos
Inquisição
Irmão X
Joanna de Ângelis
Johann Heinrich Pestalozzi
José Herculano Pires
Kardec, Allan
Kardecismo
Lachâtre
Lamennais
Léon Denis
Leopoldo Cirne
Linda Gazzera
Livraria Dentu
Madame Kardec
Mal
Maurice Lachátre
Médium
Mediunidade
Misticismo
Místico
Moderno Espiritualismo
Necromancia
O Livro dos Espíritos
Oração
Palais-Royal
Paráclito
Parasitismo psíquico
Pestalozzi
Pineal
Pneumatografia
Prece
Religião
Revelação Espírita
Rivail, Hippolyte-Léon Denizard
Santíssima Trindade
Santo Ofício
Silvino Canuto Abreu
Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas
Terceira Revelação
Tribunal do Santo Ofício
Ubiquidade
Vampirismo
William Crookes
Xenoglossia
Yvonne do Amaral Pereira
Zilda Gama

© 2014 - Todos os Direitos Reservados à Fraternidade Luz Espírita

▲ Topo